All posts in Photos


Joe Alwyn fala com WSJ sobre a serie Conversations With Friends’ e  recebe vários elogios dos seus co-stars:

Joe Alwyn é o raro protagonista que consegue orientar seu caminho apenas para fora do brilho ofuscante da fama. Nos sete anos desde que o diretor vencedor do Oscar Ang Lee escolheu Alwyn, então atuando na Royal Central School of Speech and Drama de Londres, para interpretar o papel principal em Billy Lynn Long Halftime Walk, Alwyn escolheu seus papéis com o discernimento de alguém que é muito mais interessado em estar no lugar certo do que em todos os lugares ao mesmo tempo. 

Conversations With Friends é a adaptação para a TV do romance de estreia de Sally Rooney , a jovem escritora irlandesa cujos contos de fadas milenares estão imbuídos de política socialista, tristeza e sexo, e já venderam milhões de cópias. Conversations , que foi publicado em 2017 e catapultou a então desconhecida escritora ao status de “grande autora milenar” cult, é a mais ensolarada de suas obras. Alwyn interpreta Nick Conway, um ator casado que é o único membro masculino de um quadrilátero amoroso completamente moderno. Embora a adaptação, que estreará no Hulu em maio deste ano, não tome muitas liberdades com a coreografia da história, ela dá nova vida à prosa reduzida de Rooney.

Quando a adaptação para a TV de Rooney’s Normal People foi lançada no Hulu no início da pandemia, havia contas no Instagram dedicadas à franja de sua heroína Marianne e à corrente que brilhava no pescoço de seu às vezes namorado Connell. A musicista Phoebe Bridgers foi ao Twitter para confessar o quão excitada ela se sentiu depois de fazer maratona da série. 

O carisma de Nick está fundamentado em sua aparência. Na narrativa de Rooney, ele é descrito como “luminosamente atraente”, “bonito da maneira mais genérica” e “parecendo um anúncio de colônia”. Com as bochechas rosadas de Alwyn (“[É] a primeira vez que me barbeei em uns dois anos”, ele diz), cabelos dourados desgrenhados e sorriso afável, ele parece mais jovem do que seu personagem na série, na qual ele ostenta um rosto desalinhado e um sobrancelhas perpetuamente franzidas. Ele está fazendo zoom de uma sala sombria em Londres que ele revela ser seu quarto. Atrás dele há um pano de fundo cinza e cortinas roxo-escuras com borlas. A energia de Alwyn hoje é diferente daquela do lotário de olhos vacilantes que ele retrata na tela: ele é hiperfocado e hospitaleiro.

Como grande parte de sua geração, Alwyn conhecia a obra de Rooney, que lera por recomendação de amigos e de sua mãe psicoterapeuta. Quando surgiu a oportunidade de ler para o papel de Nick, em uma produção do Hulu, BBC e Element Pictures dirigida por Lenny Abrahamson (como produtor executivo e diretor principal), ele foi totalmente a bordo. Os poderosos, entre eles Rooney, levaram cerca de uma semana para decidir que Alwyn era o homem para o trabalho. Ao saber que ele havia sido escalado como Nick, Alwyn enviou a Rooney um e-mail agradecendo a ela e dizendo o quanto ele amava o livro. Ele diz que a resposta da autora não entrou no marxismo, como muitos dos e-mails de seus personagens fazem. Rooney compartilhou a playlist do Spotify que ela criou para Nick – incluindo “Blood on the Leaves”, de Kanye West.

Há papéis mais fáceis do que um protagonista que está sempre um pouco afastado e cuja característica definidora é seu efeito alternadamente paralisante e energizante sobre Frances (Alison Oliver), a protagonista de 21 anos. Mas quando perguntado sobre o desafio de interpretar Nick, Alwyn diz que a parte mais difícil foi técnica. Os doze episódios de 30 minutos do programa foram filmados fora de ordem, então foi necessária muita organização mental. “Todos os saltos e ter que acompanhar foi bastante complicado”, diz ele.

As filmagens ocorreram ao longo de seis meses em Dublin, na Croácia e em Belfast, onde os membros do elenco moravam em Airbnbs e funcionavam como uma família improvisada, passando todo o tempo livre juntos desde que a pandemia proibia a socialização extracurricular.

Seu truque para entrar no personagem era se concentrar nas vulnerabilidades e na dor de Nick. “Ele está meio em recuperação”, diz Alwyn, “e está um pouco insensível ao mundo”. Somente após as filmagens, quando assistiu aos primeiros episódios, ele conseguiu sair da psique de Nick e vê-lo com uma distância crítica. “Fiquei muito mais frustrado com ele do que quando o interpretei”, diz ele.

O papel pode ter sido mais fácil para Alwyn do que para outros. “Nós dois temos a personalidade que não precisamos tentar tanto”, diz Sasha Lane, que interpreta Bobbi (melhor amiga e ex-namorada de Frances), de Alwyn. “Havia dias no set em que não nos falamos por nove horas e, de repente, estávamos conversando sem parar.”

O pai de Lane morreu durante as filmagens, o que revelou um lado protetor e maduro de sua co-estrela. “Joe era gentil e não era muito agressivo, porque ele sabia que eu não sou boa em coisas piegas”, ela diz. “Os meninos envelhecem de forma diferente, eles são idiotas até ficarem mais velhos. Mas ele é um homem gentil com boas maneiras.”

“Quando você está falando com ele, você sente que ele está apenas ouvindo você”, diz Alison Oliver de Alwyn. Oliver soube que ela tinha o papel de Frances um dia depois de se formar na escola de teatro em Dublin e minutos depois de ser contratada em um balcão de hambúrguer vegano na cidade. (Ela trabalhou no fast food até o início das filmagens.) Ter uma co-estrela prática que “será uma das minhas amigas para sempre” ajudou a jovem de 24 anos a superar seus nervos, assim como trabalhando com um coordenador de intimidade e Abrahamson para planejar as formas que seus corpos formariam durante as inúmeras cenas de sexo da série.

“Houve muita conversa sobre a qualidade da intimidade”, diz ela. O foco estava em como cada cena de sexo pode tirar suas dicas e ajudar a aprofundar a dinâmica emocional dos amantes. “Lenny deixa você à vontade”, diz ela. “Sua grande coisa é uma cena de sexo [deveria] não ser apenas diálogo, diálogo, diálogo e então boom : sexo! Do jeito que ele vê, eles deveriam ser uma continuação um do outro.”

Fora do set, Alwyn compartilhou vídeos engraçados no YouTube (“Nós ríamos muito de um vídeo de um irlandês tentando cozinhar o jantar quando um morcego voa pela janela de sua cozinha”, diz Oliver). Eles também discutiram tópicos mais sérios, como ajudar a recém-chegada a entender a inevitável enxurrada de oportunidades de carreira. Seu conselho: “Apenas faça as coisas que o excitam”, diz Oliver.

A produção de Conversas deveria começar no final de 2020, mas os atrasos do Covid-19 adiaram as filmagens para abril de 2021. Alwyn tentou preencher esse tempo com algo construtivo que pudesse contar como trabalho, mesmo que apenas para acalmar sua ansiedade. Ele sugeriu a Abrahamson que trabalhasse para aumentar o volume, mas a moção foi negada. (Alwyn tem 1,80m e o físico de alguém que jogou futebol a vida toda.) coisas”, diz ele.

Ele passou cerca de cinco meses em 2020 em Los Angeles, passando um tempo com sua cara-metade, que por acaso é Taylor Swift . “Foi realmente muito bom porque vocês têm sol”, diz ele. A incapacidade de trabalhar no início levou algum tempo para se acostumar – “Era uma época estranha, estranha” – mas ele encontrou outras maneiras de se manter produtivo. Ou seja, co-escrevendo duas músicas e co-produzindo seis músicas no álbum de quarentena de Swift, Folklore , pelo qual ele ganhou um Grammy. (Ele também co-escreveu três músicas em seu álbum complementar, Evermore .) Alwyn aparece como escritor nos créditos do álbum como William Bowery, um pseudônimo que ele diz ter usado de uma maneira “bastante improvisada”. William foi uma homenagem ao seu bisavô, William Alwyn, um compositor musical que ele nunca conheceu. E Bowery foi para a área do centro de Nova York, onde passou muito tempo quando chegou aos EUA

Ele não visitou os Estados Unidos quando criança, Alwyn cresceu no bairro de Tufnell Park, no norte de Londres, filho de um documentarista e sua mãe terapeuta e tem dois irmãos . Sua educação parece bastante normal. “Toda família tem coisas pelas quais passa”, diz Alwyn. “Mas eu realmente não posso reclamar.” Ele teve aulas de violão brevemente e por volta de 13 anos tocou em “uma banda da escola horrível chamada Anger Management”, diz ele, rindo da ideia de que qualquer um dos membros tinha alguma coisa para se irritar remotamente. Ele praticava esportes — rúgbi e futebol — e frequentava muito teatro e cinema. “Eu sempre quis secretamente fazer parte desse mundo”, diz ele. “Mas eu não sabia realmente onde eu necessariamente me encaixava.”

Foi só na universidade, em Bristol, estudando inglês e teatro, que ele começou a imaginar como seria essa vida. Ele atuou em “muitas produções estudantis horríveis”, incluindo Shakespeare e um show estudantil que viajou para o Festival Fringe de Edimburgo. Ele se matriculou na Royal Central School of Speech and Drama em sua cidade natal, onde foi apresentado à arte da palhaçada, um curso que ele diz ter bloqueado por causa do trauma. “Você é levado para uma sala e seus colegas estão lá e lhe dizem: ‘Faça-os rir.’ Parecia uma tortura. Essa não era a aula para mim.”

No meio de seu terceiro ano de escola de teatro em Londres, Alwyn assinou com um agente que o tinha visto em uma vitrine estudantil. Presumiu que aos poucos iria escalar para uma vida de pós-graduação de audições regulares e rezando por um papel em uma produção no Young Vic, o teatro experimental no South Bank de Londres. Antes que ele percebesse, porém, seu agente o informou que uma produtora estava procurando lançar o personagem-título de Long Halftime Walk, de Billy Lynn , baseado no romance de Ben Fountain e dirigido por Ang Lee. “Pedi ao meu pai para me filmar fazendo uma cena com alguns amigos durante o intervalo do almoço”, diz ele. Quatro dias depois, ele estava nos Estados Unidos pela primeira vez em sua vida.

Sua visita inicial aos EUA o colocou no quartel em um campo de treinamento de duas semanas ao lado de SEALs da Marinha dos EUA na Geórgia, onde ele e um punhado de atores interpretando soldados treinados antes de filmar.“Ele tem… a melhor cabeça em seus ombros”, diz Garrett Hedlund, sua co-estrela de Billy Lynn e um amigo próximo na indústria. Os dois, que foram par um do outro no Met Gala de 2016, trocam mensagens e conversam regularmente e se viram pela última vez pessoalmente no outono de 2020, quando se encontraram para uma batalha de tênis em Los Angeles (“Ele tem todos os truques”, diz Hedlund. das habilidades de seu oponente na quadra.)

Eles compartilham preocupações semelhantes sobre suas carreiras, como “não querer entrar em certos papéis apenas para fazê-los”, diz Hedlund. “Eu sei que Joe recusou roteiros e filmes confiáveis ​​com diretores de primeira viagem, sabendo que ele queria estar com alguém em quem pudesse confiar.”

Nos sete anos desde que ele gravou seu primeiro filme com Lee, Alwyn trabalhou ao lado de Jim Broadbent e Charlotte Rampling na adaptação cinematográfica do romance de Julian Barnes The Sense of an Ending e apareceu como um nobre descontroladamente rouge e peruca brincando com Emma Stone. em A Favorita de Yorgos Lanthimos . Alwyn mantém uma lista de diretores com quem gostaria de trabalhar. Os irmãos Coen e Luca Guadagnino estão no topo. Próximo da agenda: Ele estará na próxima comédia medieval de Lena Dunham, Catherine, Called Birdy , baseada em um livro infantil de mesmo nome, e no próximo drama da diretora francesa Claire Denis, The Stars at Noon (baseado no romance de Denis Johnson), que ele filmou em dezembro passado no Panamá ao lado de Margaret Qualley.

Não importa o quão requisitado seja um ator, ainda há muito tempo de inatividade não estruturado entre projetos, pandêmicos ou não. “Eu posso me estressar com coisas assim”, diz Alwyn. Estar em Londres nos últimos meses facilitou passar o tempo com amigos da escola e sua família. Ele também conta com livros para lhe fazer companhia. “Acabei de ler o novo Jonathan Franzen, que foi ótimo”, diz ele. A seguir: To Paradise , de Hanya Yanagihara, autora de A Little Life . Quanto aos seus gostos de streaming, “acabei de assistir ao documentário dos Beatles Get Back ”, ele compartilha. “Se você é uma das sete pessoas no mundo que não gostam dos Beatles, então não é para você. Mas eu não sou uma das sete pessoas, então adorei.”

Ele tenta manter sua vida privada privada. Raro é o jovem que pode namorar uma das superestrelas mais famosas do mundo e manter um perfil relativamente baixo. Alwyn diz que é o que acontece quando você não chama a atenção: “Vivemos em uma cultura em que as pessoas esperam muito que recebam. Então, se você não está postando o tempo todo sobre o que está fazendo, como está passando o dia ou como fez o café da manhã, isso faz de você um recluso?”Ele dá de ombros. “Eu também gostaria de me sentir um pouco menos cauteloso às vezes em entrevistas ou em qualquer tipo de interação, mas é apenas uma resposta automática à cultura em que vivemos.

E mesmo que você não dê a eles, os rumores de noivado serão abundantes. “Se eu ganhasse uma libra para cada vez que acho que me disseram que estou noivo, teria muitas moedas de libra”, diz ele. “Quero dizer, a verdade é que se a resposta fosse sim, eu não diria, e se a resposta fosse não, eu não diria.”

Fonte | Tradução e adaptação – Joe Alwyn Brasil 

Joe Alwyn e Alison Oliver deram inicio na divulgação de ‘Conversas entre Amigos’ e contaram para Elle Us  sobre o processo de produção da serie.

Talvez Alison Oliver e Joe Alwyn não pareçam ser amantes. Nos primeiros materiais de marketing para Conversas entre Amigos , a próxima série Hulu adaptada do romance de estreia da prodígio literária Sally Rooney, Alwyn, 31, parece quase pairar sobre Oliver, 24, enquanto ela se curva em um precipício rochoso ao longo da costa croata. Alwyn, bronzeado e de olhos azuis com o cabelo despenteado de uma escultura helenística, tem a aura de estrela de cinema, assim como o repertório florescente: você pode reconhecê-lo por sua atuação na peça de época vencedora do Oscar The Favourite , ou talvez como protagonista do drama militar Billy Lynn’s Long Halftime Walk. Enquanto isso, Oliver é uma recém-chegada a Hollywood, Com seu nariz fino e cabelos castanhos despojados, Oliver parece a curiosa jovem de vinte e poucos anos que ela interpreta em Conversas , embora com uma disposição muito mais ensolarada.

Juntos, Alwyn e Oliver criam uma química delicada. Oliver interpreta Frances, uma estudante do Trinity College de imensa inteligência, mas pouca autoestima, cuja ex-namorada, Bobbi (Sasha Lane), é agora sua parceira de performance platônica e melhor amiga. Quando os dois conhecem Melissa (Jemima Kirke) depois de uma de suas leituras de poesia, ela as convida para casa para conhecer o Nick de Alwyn, seu marido quieto e distante, que trabalha como ator da lista B. Enquanto Bobbi flerta descaradamente com Melissa, Frances se volta para Nick e, logo depois, os dois começam um caso. Como o casal clandestino, Oliver e Alwyn atingem uma cadência estranha, e as diferenças entre eles – idade, economia, social e outras – ficam em segundo plano. O desempenho de Oliver como Frances é bem enrolado, íntimo, mas opaco. Longe do papel, seus ombros rolam para trás; o sorriso que caracteriza Frances se dissolve em uma risada fácil e cativante. Ela não é famosa – ainda não -, mas o público verá o brilho nela, como fizeram com Mescal em 2020. Alwyn, enquanto isso, chega ao seu papel em circunstâncias marcadamente diferentes,  dado o fato de que ele está namorando Taylor Swift e Alwyn co-escreveu músicas no álbum da cantora Folklore e Evermore, sob o pseudônimo de William Bowery. No entanto, Swift e Alwyn optaram por falar apenas raramente sobre seu relacionamento. E quando perguntado se ele espera continuar escrevendo músicas, Alwyn simplesmente diz: “Não é um plano meu, não”.

Com isso em mente, pergunto sobre a tendência do público de estudar as escolhas criativas dos artistas – como, digamos, atuar em uma adaptação de um romance de Sally Rooney – para obter insights sobre suas vidas pessoais. Oliver admite que ainda não experimentou essa equação em sua carreira, mas Alwyn dá o que li como um olhar compreensivo. Ele já respondeu a um inquérito sobre se o poliamor de Nick reflete em seu relacionamento com Swift. (Não.) “Você escolhe projetos e o fio ali, claro que diz coisas sobre você, mas também precisa trabalhar”, diz o ator, gentil, mas cauteloso. Ainda assim, assistir ao par de Oliver e Alwyn – aberto, vulnerável, apaixonadamente apaixonado – pode parecer surreal, até voyeurístico.

Essa é a intriga complexa de Conversas entre Amigos . Tanto Alwyn quanto Oliver leram o livro antes de serem escalados em outubro de 2020, e ambos se apaixonaram pelas questões éticas em sua essência: quanto devemos um ao outro? O que significa ser visto? E podem coexistir múltiplas formas de amor no mesmo ecossistema? Abaixo, os atores discutem como abordaram esses papéis complicados, a construção de cenas de intimidade e o que aprenderam sobre relacionamentos no processo.

Quão familiarizados vocês dois estavam com este projeto antes de assinarem?

ALISON OLIVER: Eu conhecia o trabalho da Sally e o admirava muito. Adorei a adaptação de Normal People também. Então, quando ouvi que eles estavam fazendo isso, era algo que eu sonharia em fazer parte, porque é muito bom sentir que você está entrando na indústria fazendo parte de um mundo que você sente que entende, e um personagem que eu senti que entendi.

JOE ALWYN: Eu também li Conversations e Normal People , acho que porque minha mãe ou alguns amigos mencionaram um deles. Não estava ligado ao fato de que eu sabia que eles estavam fazendo shows com isso. Como todo mundo, eu apenas pensei que a escrita [de Rooney] era tão fenomenal. Mas lembro-me de pensar que esses tipos de empregos são tão poucos e distantes entre si. Eu ficaria feliz em fazer o teste, mas não acho que nada viria disso. Havia duas ou três cenas que eu gravei, e depois de, tipo, uma semana ou mais, recebi uma ligação.

Joe, do seu lado – Nick é um personagem complicado. Ele é passivo, embora não necessariamente fraco. Ele é apaixonado, mas não direto. Ele está apaixonado por duas mulheres diferentes. Há muito o que explorar lá. Como você fez isso?

JA: Deus, eu realmente não sei. Quero dizer, havia maneiras que eu poderia inicialmente me relacionar com ele. Não sou um irlandês casado de 32 anos tendo um caso, mas posso me identificar com algumas de suas ansiedades e altos e baixos – talvez contando com sua profissão, sendo ator. Sem transformar isso em uma sessão de terapia, eu poderia me relacionar com alguns de seus humores depressivos e lutas.

Pessoas que estão de fora em um sentido e não conseguem comunicar o que está por dentro, eu sempre gosto desses personagens. É uma qualidade em ambos que Frances é inicialmente atraída. É um comportamento que Bobbi rotula como chato no começo, e Melissa provavelmente acha que Nick poderia se esforçar um pouco. Mas para Frances, por qualquer motivo, ela é atraída por isso e intrigada por isso. Obviamente, isso é interessante e difícil de interpretar, e acho que o que pode parecer distante ou talvez frio ou cauteloso é que ele está apenas sendo… Ele é bastante frágil. Ele está apenas tentando segurar.

Na sua opinião, o que Frances e Nick encontram um no outro que não encontram em nenhum outro lugar?

AO: Eu sinto que começa com, inicialmente, uma intriga. Para Frances, para ele mostrar algum interesse por ela – porque ela tem uma opinião tão ruim de si mesma – é como, “Oh. Eu posso ser a pessoa que eu quero ser, ou a versão de mim que eu gosto quando estou com ele, porque todas as coisas que Bobbi sabe sobre mim, ele não sabe.” É uma oportunidade de se reinventar.

JA: Ao se afastarem das pessoas que estão acostumadas a estar ao lado e se unirem, elas fornecem um espaço para a outra pessoa crescer e se curar. Eles inicialmente não sabem que isso vai acontecer. Seja a capacidade de dar amor ou ser amado ou ter valor ou autoestima, coisas que talvez não tenham sido totalmente processadas com Melissa, é aproveitado com Frances.

AO: Eles estranhamente ajudam o outro a ser – tipo, o relacionamento com Frances ajuda o casamento de Nick, e então o relacionamento dela com Nick a abre para o fato de que ela ainda está apaixonada por Bobbi. Eu acho que é uma coisa tão interessante, como um amor pode abrir você para outro novamente.

Conte-me como foi trabalhar com seu coordenador de intimidade. Como você faz essas cenas parecerem tão reais quanto nos livros?

AO: Existe um sistema brilhante para isso, onde [a coordenadora de intimidade Ita O’Brien] virá para um ensaio conosco. Discutiremos a cena: Qual é a trajetória e qual é a qualidade da intimidade? E por que está acontecendo? É uma continuação do diálogo, em certo sentido. Apenas se torna físico. Então, desde o início, [cenas de sexo] foram apresentadas a nós como você faria uma acrobacia e coreografaria isso. Nós ensaiamos muito. Ita entrava e sugeria – Lenny sempre falava sobre eles como “formas”, fazendo diferentes “formas”. Ela experimentaria outros diferentes, e então nós a copiávamos.

JA: Lenny sempre falou sobre [cenas de sexo] como extensões de conversas. Eles não estavam lá apenas por causa disso. Obviamente, são coisas engraçadas e estranhas no começo. Mas uma vez que você supera isso e está trabalhando com pessoas em quem confia – e Lenny está na sala, e Lenny é hilário. Você iria querer ele no set em qualquer cena.

Alguns espectadores podem ver essa história como uma defesa do casamento aberto, embora eu não tenha certeza de que as lições de Conversas entre amigos sejam tão diretas. Com isso em mente, quais temas do romance de Rooney mais se destacaram para vocês dois?

AO: É definitivamente uma história muito complicada. Há tantas coisas que as pessoas podem obter com isso. É uma história de amadurecimento. É também uma história sobre um caso. É também uma história sobre amizade feminina. Descobri que – seja uma pessoa, duas pessoas, três pessoas – o amor sempre será complicado. E sempre haverá sacrifícios.

JA: Se formos capazes de [encontrar amor] fora das construções que criamos para nós mesmos de amizades, casamentos e relacionamentos convencionais, podemos encontrar a felicidade de maneiras menos convencionais? Talvez desafiando a ideia dessa forma arcaica de encontrar o amor ou a felicidade, foi isso que tirei dela. Uma das razões pelas quais eu acho que o livro foi tão discutido foi a recusa de Sally em amarrar as coisas perfeitamente no final de suas histórias. Ela não dá uma resposta.

Suas perspectivas sobre seus personagens mudaram desde que vocês leram o livro pela primeira vez? Houve algum momento em que vocês mudaram de ideia sobre eles?

AO: Frances, no livro, tem esse tipo de distanciamento, esse quase desapego, de modo que quando eu pensava nela na minha cabeça, ela [parecia] essa pessoa realmente capaz. Foi só vindo para interpretá-la que percebi o quão fora de sua profundidade ela é, quão jovem ela é, como ela realmente não sabe como lidar com isso [caso]. O caso a consome completamente. É tudo o que ela pensa. Isso a mantém acordada à noite.

E no livro, ela tem [Bobbi] em um pedestal. Em sua cabeça, ela vê Bobbi como intocável. Eu estava tipo, Oh, esse relacionamento é realmente algo que parecia diferente quando comecei a jogar. Aprendi muito sobre Bobbi.

JA: Eu acho que sempre tive empatia com Nick, mas conforme [as filmagens] foram acontecendo, eu encontrei mais empatia com ele. À medida que você vê de onde ele está vindo e o que ele passou, você espera que comecem a perceber que o que poderia parecer que ele estava distante era na verdade – ele provavelmente estava tentando. Não é até que ele junte as peças de volta em si mesmo e encontrum pouco de felicidade novamente que um pouco disso é curado.

HOME > PHOTOSHOOTS | ENSAIOS FOTOGRÁFICOS > 2022 > ELLE US

   

Fonte | Tradução e adaptação – Joe Alwyn Brasil

The cast and creators of Conversations with Friends have done an interview with Vanity Fair, talking about the show and the filming process. Read the interview below and check out some promotional photos of the cast: Joe Alwyn as Nick, Alison Oliver as Frances, Sasha Lane as Bobbi, and Jemima Kirke as Melissa. The show is set to premiere this Spring.

 

Conversations With Friends: Inside the Intimate, Intense TV Adaptation

Following the smash of Normal People, the next Sally Rooney adaptation is on the way. Be ready for something different.
It’s a scene that, on paper, doesn’t sound like much: One character saying hello to another, and offering to grab them a drink. But in Conversations With Friends—both the book and Hulu/BBC Three’s upcoming 12-episode adaptation—the smallest of interactions carry the most weight. They’re the whole point. So when it was time to shoot the moment where Melissa (Jemima Kirke) greets her new friends Frances (Alison Oliver) and Bobbi (Sasha Lane), director Lenny Abrahamson didn’t rush. “It took 10 hours,” Kirke reveals of filming the scene. “I was so impressed with that—that he gave a shit. There was something at stake here.”

You could say so. Conversations With Friends is the highly anticipated follow-up to Normal People, Abrahamson’s previous adaptation of a Sally Rooney best seller. That series introduced two stars in Daisy Edgar-Jones and Paul Mescal, captivated millions of viewers around the world, and earned major nominations at the Emmys and the BAFTAs.

Rooney actually published the Normal People novel after Conversations, though. At that point, the latter book was already in development as a feature with Element Pictures—the same company that’d later back the Normal People series. “The making of Normal People unlocked the proper way of adapting Conversations With Friends,” says Element cofounder Ed Guiney. “[The story was] better told in a longer form that allows you to properly live with the characters and understand their choices.”

Much of Normal People’s creative team has reunited for Conversations, hoping lightning will strike twice, just as it did for Rooney—if only in reverse order. Along with Element, Abrahamson is back as a director and executive producer, this time splitting helming duties with Leanne Welham. Alice Birch returns as writer after sharing scripts on the previous series with Rooney herself. (Rooney was involved in early planning stages, but not involved in the scripts or filming of Conversations With Friends.)

The two series share a certain focus on biting, naturalistic dialogue and performances. But where Normal People played out as an intimate romantic drama, Conversations revels in the messy dynamics between four complicated characters. “What we’ve ended up with is something that has a kind of aesthetic family resemblance to the other series,” says Abrahamson, “but is definitely its own thing.”

Conversations With Friends centers on Frances, a 21-year-old English major in Dublin, and her tenuous bond with former-girlfriend, now-best-friend Bobbi. One night out, they meet Melissa, an accomplished author in her 30s. Before long they’re thrust into an intricate study of intermingling couples—Bobbi bonding fiercely with Melissa, while Frances and Melissa’s husband, well-known actor Nick (Joe Alwyn), navigate their own heated sexual connection. Frances is our eyes and ears through boozy dinner parties, a spontaneous Croatia getaway, and a budding secret affair. “You have these various permutations within that quartet of relationships and power dynamics and attraction,” says Abrahamson. “But all of it revolves around Frances.”

The series is largely faithful to its source material, though it increasingly establishes itself independently in both plot and mood. One immediate point of departure: Bobbi is a Black American here, slowly picking up Irish phrases as she’s spent a few years away from home in New York. “Lenny and I had a lot of conversations about where she’s from, how much where she came from is spoken about,” Sasha Lane tells me. “We wanted to keep Bobbi even further from the rest of them. Letting her have an American accent kept her a bit more singled out.” Adds Abrahamson: “We saw brilliant people, but there was just something about Sasha. There are few people who capture that quality that Bobbi is described as having in the novel—this kind of extraordinariness, this impact.” He says that his team was also “keen to represent the diversity in modern Ireland.”

Unlike Normal People, Conversations is populated with well-known actors, from Lane (American Honey, Loki) to Kirke (Girls) and Alwyn (The Favourite, producer on his partner Taylor Swift’s Folklore). Each brings a certain charismatic familiarity to their roles. But in keeping with the theme of trying to build off Normal People’s success, casting a “name” for the lead character didn’t interest producers. Instead, they made another discovery.

Alison Oliver’s audition for Conversations With Friends felt more like a documentary. She’d recently read the Rooney novel—“my first lockdown book”—after zipping through Normal People. She was a student at the Lir Academy of Trinity College, the main setting for both of those books, and the same school where Paul Mescal studied before Normal People catapulted him to fame. She had zero onscreen credits. The world Rooney described in her stories—deciding who you want to be, navigating a fraught friendship, growing into adulthood—was Oliver’s. She knew it intimately; she was living it. “When it came to auditioning, it was so odd, because I felt like Frances was a real person,” Oliver says with a laugh. “I was like, Oh, how am I going to step inside this?”

Yet for Abrahamson and Guiney, Oliver emerged quickly as the one to beat. Her delicate, wrenching performance marks a major screen-acting debut. “She really is an incredible actor,” Guiney says.

Oliver read early, and the producers convinced her to hang around for a lengthy casting process. “She very patiently helped us with chemistry reads with other actors,” says Guiney. Through those grouped Zoom auditions, the rest of the ensemble filled out. “We had a few months just to get to know each other by Zoom before shooting,” Alwyn says. (Like Oliver, he had already read, and loved, Rooney’s first two novels before the project came his way.) Abrahamson would join these calls often, too, as they all explored the complexities of Frances’s relationships. Rooney was also significantly involved in the casting process before stepping away to work on her since-published third novel, Beautiful World, Where Are You.

By the time filming finally started in Belfast last spring, the quartet of actors had a base familiarity with one another. That casual awareness swiftly deepened. Belfast was under lockdown restrictions due to COVID-19, after all, and the actors didn’t really know anyone else in town. “The only people we could hang out with were each other,” Alwyn says with a chuckle. “We were lucky that we all got on really well.” Production lasted about six months altogether. As Belfast started opening up, the cast would go to the pub or venture out for a hike for fun—before doing the same things, in character, for the camera.

Something unusual happened there. “What became more and more apparent the more we shot was that we were all really well cast—it was almost like there was some sort of conspiracy that we weren’t aware of, and suddenly we found ourselves in, like, a Hitchcock movie in a room all together,” says Jemima Kirke. “It was almost like [the casting directors] had a sense of humor, or they just weren’t telling us everything. There was an essential piece about each of us as people that were shared with the character.”

On set, the group had constant conversations about how to approach character interactions—how Nick would look at Frances in one moment, how Bobbi would say something to Frances the next. “When we got together, it was a lot of, ‘Do you think they would say that when you did this? Or do you think I would look at you?’” recalls Sasha Lane. “It was also a bit of a struggle when you’re bouncing around episodes—I would just literally be like, Wait, do I like him yet? I don’t remember. Are we friends? I sometimes would forget where I was in the script. It’d be like, Wait, I’m supposed to be mad at you!”

Yet that also speaks to the singularity of Rooney’s prose—the way she can so realistically chart a change in mood, or dynamic, or feeling, with a single sentence. “When we had questions about things, we would always look back at what Sally had written, and move toward that,” Guiney says. The challenge, adds Abrahamson, “was constantly to make sure that the structure of the story was big enough to hold these two strong elements within Frances’ emotional life, and give them each their weight and their due, without allowing either to dominate.” For Oliver, this meant digging into as many nuanced aspects of Frances as she could: “I was seeing her in all these different lights and shades, and it felt like playing a different character sometimes.”

This required plenty of rethinking and back-and-forth—and still does, in fact, for Abrahamson in the editing room. There are expectations following the smash that was Normal People. “I don’t think anybody could have predicted, in our world of streamers, that it would’ve gone quite as brilliantly as it did in terms of people’s response, and it was really gratifying,” Abrahamson says. He and the team have stayed focused on making the best show they can, as opposed to topping what they did before. Says Guiney, “There’ll be a different response to Conversations With Friends, because it’s a different kind of show.”

Still, it’s all in the family.

Conversations With Friends premieres this spring on Hulu in the U.S. and BBC Three in the U.K.

SOURCE

 

 

 

 

The first trailers for The Last Letter from Your Lover from Netflix and StudioCanal have been released. Watch them below and check out screen captures of Joe as his character Laurence Stirling in our gallery!

The film, which is directed by Augustine Frizzell, also stars Shailene Woodley, Felicity Jones, Callum Turner, and Nabhaan Rizwan. It will be released on Netflix in select countries on July 23, and in theatres on August 6 in the UK and Ireland.

Joe participou do último dia do Festival de cinema de San Sebastian. O ator era um dos jurados e esteve presente na première do filme “El Olvido Que Seremos/Forgotten We’ll Be” indo em seguida para a cerimônia de encerramento onde apresentou o prêmio de Melhor Atriz. Confira:

Foram divulgados também portraits tirados para o festival:

Vídeos:

Photocall do Júri

Chegando na cerimônia de encerramento

Entregando o Prêmio de Melhor Atriz

Joe nos surpreendeu ao chegar na última quinta-feira (17) em Donostia na Espanha, para o Festival de Cinema de San Sebastián. O ator foi escolhido para compor o júri presidido por ninguém mais, ninguém menos que Luca Guadagnino (Me Chame pelo seu Nome). O festival teve início ontem (18) e terminará no dia 26. Joe compareceu a cerimônia de abertura e deve estar em outros eventos durante a semana, além da cerimônia de premiação.
.

O Festival de San Sebastián é o mais importante festival de cinema da Espanha, e é um dos mais prestigiados e famosos festivais de cinema do mundo, além de ser um dos mais antigos da Europa. Ao longo da história, o festival foi cenário de acontecimentos de importância e interesse de dimensão internacional, como a estreia de ‘Vertigo’ e a estreia mundial de ‘Intriga Internacional’, ambos de Alfred Hitchcock. Em meio século de existência, o SSIFF proporcionou o descobrimento de novos talentos do mundo do cinema, além de impulsionar a carreira dos diretores Francis Ford Coppola e Pedro Almodóvar.

Abaixo você pode conferir algumas fotos do Joe chegando ao seu Hotel, e durante a cerimônia de abertura.





Search

Site Status

Name: Joe Alwyn Online
Site url: joealwyn.online
Webmiss: Luara & Tracy
Contact: joealwynonline@gmail.com
Host: Flaunt

Our Tumblr

when did joe get a million followers on insta????

on November 25th!

Joe and Mason Lee were paired together during some of the BLLHW promo. Their Vogue Taiwan interview is a fun flashback. They were both so new at this but so earnest. Very happy for Mason for this new role.

omg the hold this interview had on me back in the early days of being a fan haha 🥹

but yeah, good for Mason for taking on what seems like a very challenging role!

Did you see this news? I really want Joe to work with Ang lee again and thinking about his Billy lynn photodump...

impressive that his son did so much training for the role. Would love for them to work together again!

what's your new insta account name?

joealwyn.online '

Noooo did he find you on IG again? 😭😭😭

yes 🥺 he’s the best!!!!! '-'-'-

Regular

therustdoor:

Joe Alwyn by Robbie Lawrence for Mr Porter.

Regular

therustdoor:

Joe Alwyn by Robbie Lawrence for Mr Porter.

Any new update on hamlet? Or when they will start filming?

a couple names have been added to the IMDb page but other than that no updates

Joe Alwyn Gotham Awards 2022

JOE ALWYN | Gotham Awards 2022

Joe Alwyn Gotham Awards In Nyc November 28 2022

Joe Alwyn | Gotham Awards in NYC, November 28 2022

Twitter
Disclaimer

Joe Alwyn Online is a non-profit fansite, made by a fan for fans of Joe. We are in no way affiliated with Joe Alwyn nor any of his family, friends and representative. We do not claim ownership of any photos in the gallery, all images are being used under Fair Copyright Law 107 and belong to their rightful owners. All other content and graphics are copyrighted to joealwyn.online unless otherwise stated. If you would like any media removed please contact us before taking legal action.

Sponsor Ads
Joe Alwyn Online All rights reserved