Sponsor Ads

All posts in Boy Erased


Joe Alwyn was recently featured for a double cover of the Essential Homme Winter 2018 issue! In addition to the two covers, Joe gave an interview to the magazine where he discussed The Favourite, Mary Queen of Scots and Boy Erased. The full interview and a translation can be found below:

It’s one of the first brisk days of the season, and Joe Alwyn is dressed in a casual all-black athleisure ensemble, fit for someone constantly on the go. It’s the perfect, tall, dark, and handsome frame for his icy and striking features, which have landed him an international campaign for Prada. He yields the mighty albeit quiet confidence of a leading man, with a demeanor that can command a room while simultaneously remaining unobtrusive.

Yet Alwyn has been in the spotlight a few years now, letting his work speak for himself in an age where people are more interested in what goes on off-camera. He doesn’t post much on social media. He’s successfully kept his relationship with pop megastar Taylor Swift-who penned a song about him, sweetly titled “Gorgeous”-fairly private. But he’s not necessarily shy or secretive. “I just don’t have a tendency to overshare anything,” he shares. Being in such close and frequent proximity to fame and celebrity culture while choosing not to participate is refreshing and, at this point, almost radical. But audiences are clearly hungry for more of the actor, and with his involvement in four highly anticipated films, they’re going to get it.

The 27-year-old actor was raised in London, where he remains based in between his increasingly busy schedule. He attended the City of London School (which also counts Daniel Radcliffe as an alum) before studying English literature and Drama at the University of Bristol, and eventually earning a degree from the Royal Central School of Speech and Drama, where he was trained primarily in stage. A star student (no pun intended), Alwyn found himself in his first feature film – cast in the title role of 2016’s war drama Billy Lynn’s Long Halftime Walk – two weeks before he even graduated.

Two years later, Alwyn is set to take the world by an even bigger storm. He stars in Operation Finale – a historical film with Oscar Isaac and Ben Kingsley – as the son of a Nazi war criminal. He has a role in the biographical coming-of-age film about a pastor’s son who survives gay conversion therapy Boy Erased, alongside Lucas Hedges, Troye Sivan, and Xavier Dolan.

“I think it’s such an important story to be told and explored,” he says. “It was very eye-opening and relevant, especially here – in America, we have a vice president, Mike Pence, who has spoken on the record about believing in the power of conversion therapy. I think it’s crazy, and when people feel like they can’t be themselves and they grow up in cultures or families that don’t allow them to feel comfortable or able to be who they are, then that’s always a relevant topic.”

Alwyn’s presence in the film is brief but powerful, demonstrating his inclination to pursue dark and more challenging roles that set him apart from his contemporaries, and distance himself from the perils of being typecast as simply a heartthrob.

He also appears in The Favourite and Mary Queen of Scots, two high-brow period pieces. Though, “I’m not seeking out period films,” he clarifies. “I just want to work with interesting, great film directors and filmmakers.”

Directed by Greek auteur Yorgos Lanthimos and co-starring Emma Stone and Rachel Weisz, The Favourite is an uproarious and subversive affair under the guise of a decadent 18th-century drama. Alwyn portrays Stone’s love interest, and while there are a lot of love triangles and twists, his performance keeps the film firmly grounded and everyone is going off the rails.

“Yorgos Lanthimos is a favourite director of mine. I read that script back in 2015, and it was one of my favourite things that I’ve read. It was so refreshing and different, especially in terms of period films. It had a special twist to it that I could only imagine through his slightly skewed mind. Having seen his previous films, I just wanted to be a part of it – it was such a great script with a great cast attached. It was just brilliant.”

The film shines with its rich and complex characters, and motives that shift around in intention and sincerity. “He [Lanthimos] had absolutely no interest in making a film in the sense of it being a documentary or trying to capture a moment in time perfectly,” he says. There’s a tremendous amount of chemistry that permeates through the film, reflected in the cast’s ability to successfully bounce of each other, a result that Lanthimos set to accomplish early in the film’s production.

“He didn’t want to talk about the period or the history – he just wanted us to jump in and have as much fun as possible and be willing to look stupid in front of each other. So for the two-week rehearsal we had, we would switch roles, be rolling around on the floor, singing, dancing; we would be doing all these exercises and almost be performing it as a play, so when we got to shooting, we’d humiliated ourselves so much that we had no reservations about jumping in and doing what he wanted.”

The Josie Rourke-directed Mary Queen of Scots, which also features Saoirse Ronan and Margot Robbie, takes a more serious approach. “We had two weeks’ rehearsal with Josie Rourke, who has a theatre-based background, and there was a table read, talking with a historian in the room, talking about the characters, and the period it’s in. I guess in some sense a more conventional film from what you might expect from that time and that story.” Alwyn stars as Robert Dudley, the favourite of Robbie’s Queen Elizabeth –  there’s a little irony there.

Alwyn frequently expresses gratitude and appreciation for his co-stars and the directors he’s worked with, citing their guidance as invaluable. He remains humble with a drive to excel in his field as a great actor, with a fierce curiosity and fortunate abilities to learn from the best. And while he has a slew of period pieces coming out – he’s also been linked to a biopic about civil rights activist Harriet Tubman out next year – it’s clear that his time is now.


Recentemente Joe estrelou duas capas da revista Essential Homme em sua edição de Inverno. Além das duas capas, Joe concedeu uma entrevista, onde ele discutiu os filmes A favorita, Mary Queen of Scots e Boy Erased. Confira a entrevista completa abaixo:

É um dos primeiros dias animados da temporada, e Joe Alwyn está vestido com uma roupa casual totalmente preta, adequada para alguém em constante movimento. É perfeitamente alto, escuro e bonito para suas características geladas e marcantes, que lhe renderam uma campanha internacional para a Prada. Ele tem a poderosa confiança, embora tranquila, de um lider, com um comportamento que pode comandar uma sala enquanto simultaneamente permanece discreto.

No entanto, Alwyn está no centro das atenções há algum tempo, deixando seu trabalho falar por si mesmo em uma época em que as pessoas estão mais interessadas no que acontece fora da câmera. Ele não publica muito nas redes sociais. Ele manteve com sucesso seu relacionamento com a pop-star Taylor Swift, que escreveu uma música sobre ele, docemente intitulada “Gorgeous” – totalmente privado. Mas ele não é necessariamente tímido ou reservado. “Eu simplesmente não tenho a tendência de compartilhar demais”, ele diz. Estar tão próximo da fama e da cultura das celebridades, enquanto escolhe não participar, é refrescante e, neste ponto, quase radical. Mas o público está claramente com fome por mais do ator, e com o envolvimento dele em quatro filmes muito esperados, eles vão conseguir.

O ator de 27 anos foi criado em Londres, onde ele permanece mesmo com sua agenda cada vez mais ocupada. Ele frequentou a City of London School (que também conta com Daniel Radcliffe como ex aluno) antes de estudar literatura inglesa e teatro na Universidade de Bristol, e acabou se formando na Royal Central School of Speech and Drama, onde foi treinado principalmente em palco. Um estudante estrela (sem trocadilhos), Alwyn se viu em seu primeiro longa-metragem – escalado para o papel principal de Billy Lynn’s Long Halftime Walk, duas semanas antes de se formar.

Dois anos depois, Alwyn está pronto para conquistar o mundo com uma tempestade ainda maior. Ele estrela o filme Operação Final – um filme histórico com Oscar Isaac e Ben Kingsley – como filho de um criminoso de guerra nazista. Ele tem um papel no filme biográfico sobre o filho de um pastor que sobrevive à terapia de conversão gay, Boy Erased, ao lado de Lucas Hedges, Troye Sivan e Xavier Dolan.

“Eu acho que é uma história tão importante para ser contada e explorada”, diz ele. “Foi muito revelador e relevante, especialmente aqui – nos Estados Unidos, temos um vice-presidente, Mike Pence, que falou no registro sobre acreditar no poder da terapia de conversão. Eu acho que é loucura, e quando as pessoas sentem que não podem ser elas mesmas e elas crescem em culturas ou famílias que não permitem que se sintam confortáveis ou capazes de ser quem são, então isso é sempre um tópico relevante. ”

A presença de Alwyn no filme é breve, mas poderosa, demonstrando sua inclinação para buscar papéis sombrios e mais desafiadores que o diferenciam de seus contemporâneos, e se distancia dos perigos de ser rotulado como simplesmente um galã.

Ele também aparece em The Favourite e Mary Queen of Scots, dois filmes de época. No entanto, “eu não estou procurando filmes de época”, ele esclarece. “Eu só quero trabalhar com grandes diretores e cineastas interessantes.”

Dirigido pelo autor grego Yorgos Lanthimos e co-estrelado por Emma Stone e Rachel Weisz, The Favourite é um assunto polêmico e subversivo, sob o disfarce de um drama decadente do século XVIII. Alwyn retrata o interesse amoroso de Stone, e apesar de existirem muitos triângulos e reviravoltas amorosas, sua performance mantém o filme firmemente enraizado e todo mundo está saindo dos trilhos.

“Yorgos Lanthimos é um dos meus diretores favoritos. Eu li esse script em 2015, e foi uma das coisas favoritas que li. Foi tão refrescante e diferente, especialmente em termos de filmes de época. Tinha um toque especial que eu só podia imaginar através de sua mente levemente inclinada. Tendo visto seus filmes anteriores, eu só queria fazer parte disso – era um ótimo roteiro com um grande elenco anexado. Foi simplesmente brilhante.

O filme brilha com seus personagens ricos e complexos e motivos que mudam de intenção e sinceridade. “Ele [Lanthimos] não tinha absolutamente nenhum interesse em fazer um filme no sentido de ser um documentário ou tentar capturar um momento no tempo perfeitamente”, diz ele. Há uma tremenda quantidade de química que permeia o filme, refletida na capacidade do elenco de se destacar, um resultado que lanthimos estabeleceu no início da produção do filme.

“Ele não queria falar sobre o período ou a história – ele só queria que entrássemos e nos divertíssemos o máximo possível e estivéssemos dispostos a parecer estúpidos um na frente do outro. Então, para o ensaio de duas semanas que tivemos, trocaríamos de papéis, estaríamos rolando no chão, cantando, dançando; estaríamos fazendo todos esses exercícios e quase realizando isso como uma peça, então quando começamos a filmar, nós nos humilhamos tanto que não tínhamos reservas em entrar e fazer o que ele queria”.

Mary Queen of Scots dirigido por Josie Rourke, que também conta com Saoirse Ronan e Margot Robbie, tem uma abordagem mais séria. “Nós tivemos um ensaio de duas semanas com Josie Rourke, que tem uma formação baseada em teatro, e houve uma mesa de leitura, conversamos com um historiador na sala, falando sobre os personagens, e o período em que se passa o filme. Eu acho que nesse sentido, foi um filme mais convencional, algo que você esperaria daquele tempo e dessa história. ”Alwyn estrela como Robert Dudley, o favorito da rainha Elizabeth de Robbie – há um pouco de ironia ali.

Alwyn freqüentemente expressa gratidão e apreço por seus colegas de elenco e diretores com os quais ele trabalhou, citando sua orientação como inestimável. Ele continua sendo humilde com um esforço para se destacar em seu meio como um grande ator, com uma curiosidade feroz e oportunidades de aprender com os melhores. E enquanto ele tem uma série de filmes de época saindo – ele também foi ligado a um filme biográfico sobre a ativista de direitos civis Harriet Tubman que estreia no ano que vem – está claro que sua hora é agora.

ESSENTIAL HOMME

 

Fonte | Tradução e Adaptação – Equipe Joe Alwyn Online

Salon talks to the “Billy Lynn” star about his roles in “The Favourite,” “Mary Queen of Scots” and “Boy Erased”

Actor Joe Alywn’s film debut was in the title role of “Billy Lynn’s Long Halftime Walk,” Ang Lee’s groundbreaking feature, which was screened in a 120 frames per second format. It was supposed to catapult the actor to leading man status. However, the film — which is great — fizzled at the box office. While Alwyn showed considerable promise as Billy Lynn, the young Brit since has been cast in supporting roles. Three of these films are now being released for Oscar consideration. (He also appeared in “Operation Finale” earlier this year).

In “Boy Erased,” which is currently in theaters, Alwyn plays Henry, a college student whose friendship with Jared (Lucas Hedges) gets rather intense.

In “The Favourite,” which opens in New York and Los Angeles this weekend (and wider in the coming weeks), Alwyn plays Masham, a handsome young man in Queen Anne’s (Olivia Colman) court who is smitten with Abigail (Emma Stone). However, in this story of court intrigue and power plays, Abigail may be more than Masham can handle.

And in “Mary Queen of Scots,” which is out December 7, Alwyn is Robert Dudley, a young man who loves Queen Elizabeth (Margot Robie). However, she schemes for power by suggesting Dudley marry her rival Mary Stuart (Saoirse Ronan).

Alwyn distinguishes himself in each role as a young man whose passions sometimes get the best of him. He spoke with Salon about his three new films, being positioned as a sex symbol, and his dance moves — but not about his girlfriend, Taylor Swift.

How do you see your characters in “Boy Erased,” “The Favourite,” and “Mary Queen of Scots”? They are driven by romantic desires and passions.

They are all very different characters and with different agendas. Masham, in “The Favourite,” is not the brightest person; he’s a bit of an airhead who lusts after Abigail. He enjoys the chase of it, and she sees him as a way for her to climb ranks. There’s a power play between the two of them, which was fun in Yorgos Lanthimos’s larger than life take on it.

In “Boy Erased,” Henry’s interesting because he is obviously not a good person and does not do good things. The act he commits is horrific and in excusable and unforgivable. But if you zoom out of the character and if you look at the world he lives in, and why he acts the way he does, he’s full of self-loathing. He’s from a religion and culture that doesn’t let him be who he is — that’s where his violent act comes from. I don’t have empathy for him, but the film shows the dangers of why he is the way he is.

Dudley is interesting in “Mary” because in light of the other male characters, he sustains the idea of true romantic love because he acts on loyalty and his love for Elizabeth while the other men in the film act on rules of hierarchy.

Masham in “The Favourite” chases Abigail, and Henry in “Boy Erased” has designs on Jared. In contrast, Robert Dudley in “Mary” is an allegiant puppet to his scheming queen. What observations do you have about how your characters plot and plan or are pawns?

Mahsam sees this young shiny thing [Abigail] and chases her to get her. Henry has a guise of being All-American good guy, but it’s cracked. Masham and Henry are more plotting and more strategic. If what they plan doesn’t work, then, Plan B. Dudley doesn’t have an agenda like other men.

Do you scheme in your career?

I don’t. I just try to work with interesting, great filmmakers and try to build on that. I’m lucky to work with the directors I have so far.

What about romance? Do you scheme romantically?

No, not really.

You are desirable in different ways in all three of these films. What observations do you have about being turned into/positioned as a sex symbol?

[Laughs]. I have never really thought about it. I’ll take that as a compliment.

You have two very different sex scenes in “The Favourite” and “Boy Erased.” One is comic, the other dramatic. It’s best not to describe them. What can you disclose about those scenes, both of which must have had their difficulties?

In “The Favourite,” the scene was funny and we’re trying not to laugh while shooting it. A lot of people were trying to hold it together. “Boy Erased” was heavy. It’s choreographed well. Joel [Edgerton] made Lucas [Hedges] and I feel safe, and not uncomfortable.

“The Favourite” has an absurdist sense of humor, but your other recent roles seem to rely heavily on drama. Are you witty or serious?

[Laughs]. I like doing comedy, and darker things as well.

What can you say about wrestling with Emma Stone? She knees you in the balls, dude!

That scene was a lot of fun, it was physical, and absurd, and over the top. We had bruises and scratches at the end of day.

In contrast, your dance scene in “The Favourite” is hilarious…

Yorgos is pretty obsessed with dance. There’s a dance scene in every one of his films. When I read the script it said, “The characters dance.” None of us had any idea that that scene in the film would come out of it. We worked with an amazing choreographer. And they helped us shape these ridiculous modern moves. Those are my go-to moves now!

Both “The Favourite” and “Mary Queen of Scots” have you in 16th and 18th century costumes. I particularly admired the cape you sported in “Mary.” Do the clothes make the man?

Costume is a huge part of a film and helps get into character. The costumes and wigs help you be in the world you want to be in. Especially for something like “The Favourite.” Standing in heels, with a wig on your head and blush on your face — 50 percent of the work is done for you.

How do you think you would have fared in the 18th century? Do these periods appeal to you or do you crave your creature comforts?

I would enjoy it for only a couple of days.


Salon fala com a estrela de “Billy Lynn” sobre seus papéis em “The Favourite”, “Mary Queen of Scots” e “Boy Erased”

A estreia no cinema para o ator Joe Alywn aconteceu no filme “Billy Lynn’s Long Halftime Walk” de Ang Lee, que foi exibido em um formato de 120 quadros por segundo. Deveria lançar o ator para o status de galã. No entanto, o filme – que é ótimo – fracassou nas bilheterias. Embora Alwyn tenha mostrado ser uma promessa considerável como Billy Lynn, o jovem britânico só foi escalado para papéis de coadjuvante. Três desses filmes estão sendo liberados para consideração do Oscar. (Ele também apareceu em “Operation Finale” no início deste ano).

Em “Boy Erased “, que atualmente está nos cinemas, Alwyn interpreta Henry, um estudante universitário cuja amizade com Jared (Lucas Hedges) fica bastante intensa.

Em “The Favourite”, que estreia em Nova York e Los Angeles neste final de semana (e mais nas próximas semanas), Alwyn interpreta Masham, um jovem bonito na corte da Rainha Anne (Olivia Colman) que está apaixonado por Abigail (Emma Stone). No entanto, nesta história de intrigas da corte e jogos de poder, Abigail pode ser mais do que Masham pode lidar.

E em “Mary Queen of Scots”, que sai em 7 de dezembro, Alwyn é Robert Dudley, um jovem que ama a rainha Elizabeth (Margot Robie). No entanto, ela monta um plano de poder sugerindo que Dudley se case com sua rival Mary Stuart (Saoirse Ronan).

Alwyn se distingue em cada papel como um jovem cujas paixões às vezes tiram o melhor dele. Ele falou com Salon sobre seus três novos filmes, posicionando-se como um símbolo sexual e seus movimentos de dança – mas não sobre sua namorada, Taylor Swift.

Como você vê seus personagens em “Boy Erased”, “The Favourite” e “Mary Queen of Scots”? Eles são movidos por desejo e romance.

Eles são todos personagens muito diferentes. Masham, em “The Favourite”, não é a pessoa mais brilhante; ele é um cabeça-de-vento que cobiça Abigail. Ele gosta da perseguição, e ela o vê como um meio de chegar aonde quer. Há um jogo de poder entre os dois.

Em “Boy Erased”, Henry é interessante porque obviamente não é uma pessoa boa e não faz coisas boas. O ato que ele comete é horrível, inaceitável e imperdoável. Mas se você se afastar do personagem e se você olhar para o mundo em que ele vive, e por que ele age da maneira que ele faz, vai ver que ele está cheio de auto-aversão. Ele é de uma religião e cultura que não o deixa ser quem ele é – é daí que vem seu ato violento. Eu não tenho empatia por ele, mas o filme mostra os perigos do porquê ele é do jeito que é.

Dudley é interessante em “Mary” porque, à luz, diferente dos outros personagens masculinos, ele sustenta a ideia do verdadeiro amor, ele age com lealdade e por amor à Elizabeth, enquanto os outros homens no filme agem pelas regras da hierarquia.

Masham em “The Favourite” persegue Abigail, e Henry em “Boy Erased” tem planos para Jared. Em contraste, Robert Dudley em “Mary” é um fantoche fiel para sua rainha intrigante. Quais observações você tem sobre como seus personagens são estrategistas ou submissos ?

Mahsam vê esta jovem brilhante [Abigail] e persegue-a para pegá-la. Henry tem o pretexto de ser um bom americano, mas está quebrado. Masham e Henry são mais conspiradores e mais estratégicos. Se o que eles planejam não funcionar, então, há o Plano B. Dudley não tem uma estratégia como os outros homens.

Você se organiza em sua carreira?

Não. Eu apenas tento trabalhar com grandes e interessantes cineastas e construir uma carreira com isso. Tenho sorte de trabalhar com os diretores que tenho trabalhado até agora.

E o romance? Você se planeja romanticamente?

Não, na verdade não.

Você é desejável de maneiras diferentes em todos esses três filmes. Que observações você tem sobre ser transformado em / posicionado como um símbolo sexual?

[Risos] Eu nunca realmente pensei sobre isso. Vou aceitar isso como um elogio.

Você tem duas cenas de sexo muito diferentes em “The Favourite” e “Boy Erased”. Uma é cômica, a outra dramática. É melhor não descrevê-las. O que você pode revelar sobre essas cenas, as quais devem ter tido suas dificuldades?

Em “The Favourite”, a cena foi engraçada e estamos tentando não rir enquanto filmamos. Muitas pessoas estavam tentando junto. “Boy Erased” era pesado. É bem coreografado. Joel [Edgerton] fez Lucas [Hedges] e eu nos sentirmos confortáveis.

“The Favourite” tem um senso de humor absurdo, mas seus outros papéis recentes parecem depender muito do drama. Você é espirituoso ou sério?

[Risos] Eu gosto de fazer comédia e de coisas mais sombrias também.

O que você pode dizer sobre lutar com Emma Stone, ela te chuta nas bolas, cara!

Aquela cena foi muito divertida, física, absurda e exagerada. Tínhamos hematomas e arranhões no final do dia.

Em contraste, sua cena de dança em “The Favourite” é hilária…

Yorgos é muito obcecado com a dança. Há uma cena de dança em todos os seus filmes. Quando li o roteiro, dizia: “Os personagens dançam”. Nenhum de nós fazia ideia de que aquela cena do filme sairia dele. Nós trabalhamos com um coreógrafo incrível. E eles nos ajudaram a moldar esses movimentos modernos e ridículos. Esses são meus movimentos agora!

Tanto em “A Favorita” quanto “Mary Queen of Scots” você está vestido em trajes do século 16 e 18. Eu particularmente admiro a capa que você ostenta em “Mary”. As roupas fazem o homem?

Figurino é uma grande parte de um filme e ajuda a entrar no personagem. Os trajes e perucas ajudam você a estar no mundo que você quer estar. Especialmente para algo como “The Favourite”. De salto, com uma peruca na cabeça e blush no rosto – 50 por cento do trabalho é feito por você.

Como você acha que teria se saído no século 18? Será que esses períodos te atraem ou você almeja o conforto da sua criatura?

Eu gostaria de aproveitar por apenas alguns dias.

Fonte | Tradução e Adaptação – Equipe Joe Alwyn Online

Joe recently gave an interview with Jackal Magazine, for their Winter 2018 Issue, where he discusses The Favourite, social media, and life when he isn’t working. Read the full interview below:

On screen, Joe Alwyn has been Ben Kingsley’s son, Margot Robbie’s trusted ally and, in New Year Oscar-bait The Favourite as Emma Stone’s husband. In real life, he’s balancing a high profile love interest and tabloid scrutiny with playing football and going to the pub.

Joe Alwyn is smiling. But it’s not the megawatt Hollywood smile you might expect from someone who’s been gracing red carpets and appearing in breathless gossip columns lately. Walking into the hip North London coffee shop where we meet, he wears something more like a nervous grin, along with dark jeans and a charcoal grey hoodie. Despite his movie-star bone structure, he manages to blend into the everyday bustle of the cafe.

If Alwyn’s name doesn’t ring a bell yet, it will soon. The 27-year-old London-born actor is in the middle of an impressive run of form. He’s Sir Ben Kingsley’s son in Operation Finale, a Netflix dramatisation of the capture of Nazi war criminal Adolf Eichmann. In January, he’ll be in a brace of punchy period dramas; first as Emma Stone’s husband in The Favourite, a darkly funny tale of rivalry in Queen Anne’s 18th-century court, with Olivia Colman as the neurotic monarch. Directed by Yorgos Lanthimos, whose previous offbeat successes include The Lobster(with Rachel Weisz and Colin Ferrall), it’s already being tipped for award-season success. That’s followed up by a role that sees Alwyn sandwiched between Margot Robbie and Saoirse Ronan as nobleman Robert Dudley, in Mary Queen of Scots.

To fans of Taylor Swift, however, he is already a familiar figure. Just a couple days before we meet, headlines about Alwyn’s two-year relationship with the singer were splashed across the internet after he spoke publicly about it for the first time. In reality, all he did was explain that they’ve been a private couple and are staying private for the foreseeable. “I think it’s more interesting to talk about work,” he says, quite reasonably, when I raise the subject. It’s a line I recognize from other interviews he’s given in the past. But he does elaborate, sipping his coffee, with the air of a man who has gone over the same ground at least as often as he’d care to. “A personal life is by definition personal. It’s not for anyone else, and when it gets handed over to other people, like tabloid journalists who have no idea who you are or what your life is like, things get distorted.”

What’s been distorted? He doesn’t say exactly, but it is true that one tabloid newspaper claimed earlier this year that Swift was house-hunting in North London to find a pied-à-terre in Alwyn’s neighborhood. A few days later, an ‘insider’ from Swift’s camp debunked the story, which prompted yet another round of reaction, gossip, and speculation.

Throughout our interview, Alwyn is warm and friendly, but if he also comes across as a little guarded, perhaps this is the reason why. One of the things he finds strange about interviews, he says, “is the idea that you’re going to be cemented in a narrative having only just met someone for the first time. Not often, but occasionally, I’ve sat down with journalists who seem to already know what they want to write, and who come with a series of questions like options on the menu they want to tick off.” He adds that he finds those interviews “reductive,“ but is quick to say that it’s not the case this time: present company excepted.

Talking about work is more fertile ground. The Favourite is “a completely unconventional period film,” he says. “It’s twisted and dark and bawdy. We all turned up to rehearsals with our history books, expecting to have discussions about our characters, and the period, but it was like going back to drama school. Yorgos [Lanthimos, the director] had us playing games, changing parts and rolling around on the floor. By the end of two weeks we had no problem looking like idiots in front of each other – and when we got on set we were fine jumping into each scene and going for it. He was ingenious.”

In the past, Alwyn has referred to himself as “introverted,” but today he explains that he believes most people’s personalities defy such simple descriptions. “Yes, perhaps I’m more introverted than extroverted. But I think everyone changes around different people.” Work is an important part of his life, though, “it’s not all consuming. There’s no sky-diving or anything, but in my free time I do what I’ve always done – spend time with mates, play football, and go to the pub. I do what most people do.”

Like most people, he’s also on social media, but tries not to think too much about his growing public profile. “It’s a tool to talk about projects I’m proud of – it’s not about showing people what my favourite coffee is. I’m focused on what I’ve always wanted to do. I just want to work with good filmmakers on interesting stories. I don’t want to get caught up in something that might not feel ‘real’.”

For actors, the question of how much of that real self should be revealed to the movie-going public is tricky. Not enough and you might struggle to build the kind of profile that lands the juiciest roles; too much and you run the risk of obscuring the characters you play on screen. In the past, actors in Alwyn’s position have come unstuck.

As our allocated 45 minutes draw to a close, Alwyn says he has to go. True to form, he doesn’t say where but as we stand and shake hands, he leans in a little. Earnest and direct, he offers some parting words: “I want to be known for my work, and I want to be seen as human.” And, really, who could argue with that?


Na tela, Joe Alwyn tem sido o filho de Ben Kingsley, o aliado de confiança de Margot Robbie e marido de Emma Stone no Oscar-Bait ‘The Favourite’. Na vida real, ele está equilibrando o interesse amoroso e o escrutínio dos tabloides com jogar futebol e ir ao pub.

Joe Alwyn está sorrindo. Mas não é o megawatt sorriso de Hollywood que você esperaria de alguém que está enfeitando tapetes vermelhos e aparecendo em colunas de fofocas ultimamente. Entrando na cafeteria do norte de Londres, onde nos encontramos, ele usa algo mais como um sorriso nervoso, junto com jeans escuros e um capuz cinza-carvão. Apesar da estrutura óssea de estrela de cinema, ele consegue se misturar à agitação cotidiana do café.

Se o nome de Alwyn ainda não é conhecido, será em breve. O ator de 27 anos, nascido em Londres, está no meio de uma corrida impressionante. Ele é filho de Sir Ben Kingsley em Operação Final, um drama da Netflix sobre a captura do criminoso de guerra nazista Adolf Eichmann. Em janeiro, ele estará em vários dramas de época de grande impacto; primeiro como marido de Emma Stone em The Favourite, um conto sombrio de rivalidade na corte da Rainha Anne, com Olivia Colman como a monarca neurótica. Dirigido por Yorgos Lanthimos, cujos sucessos anteriores incluem The Lobster (com Rachel Weisz e Colin Ferrall), que já está sendo cotado para o sucesso das premiações. Isso é seguido por um papel onde Alwyn é imprensado entre Margot Robbie e Saoirse Ronan como o nobre Robert Dudley, em Mary Queen of Scots.

Para os fãs de Taylor Swift, no entanto, ele já é uma figura familiar. Apenas alguns dias antes de nos encontrarmos, as manchetes sobre o relacionamento de dois anos de Alwyn com a cantora foram divulgadas pela internet depois que ele falou publicamente sobre isso pela primeira vez. Na realidade, tudo o que ele fez foi explicar que eles foram um casal particular e estão ficando privados pelo previsível. “Eu acho mais interessante falar sobre o trabalho“, ele diz, muito razoavelmente, quando eu comento o assunto. É uma linha que reconheço de outras entrevistas que ele deu no passado. Mas ele elabora, tomando seu café, com o ar de um homem que passou pelo mesmo chão pelo menos com a frequência que gostaria. “Uma vida pessoal é por definição pessoal. Não é para mais ninguém, e quando é entregue a outras pessoas, como jornalistas de tabloides que não têm ideia de quem você é ou como é sua vida, as coisas ficam distorcidas.”

O que foi distorcido? Ele não diz exatamente, mas é verdade que um jornal sensacionalista afirmou no início do ano que Swift estava procurando casas no norte de Londres para encontrar um pied-à-terre no bairro de Alwyn. Poucos dias depois, um “insider” da equipe de Swift desmascarou a história, o que levou a mais uma rodada de reações, fofocas e especulações.

Ao longo de nossa entrevista, Alwyn é caloroso e amigável, mas se ele também parecer um pouco cauteloso, talvez seja essa a razão. Uma das coisas que ele acha estranho sobre as entrevistas, ele diz, “é a ideia de que você vai ser cimentado em uma narrativa, tendo acabado de conhecer alguém pela primeira vez. Não frequentemente, mas ocasionalmente, eu me sentei com jornalistas que parecem já saber o que eles querem escrever, e que vêm com uma série de perguntas como opções no cardápio que eles querem assinalar.” Ele acrescenta que acha aquelas entrevistas “redutoras”, mas é rápido em dizer que não é o caso desta vez: exceção da empresa atual.

Falar de trabalho é um terreno mais fértil. A favorita é “um filme de época completamente não convencional“, diz ele. “É distorcido, escuro e obsceno. Todos nós comparecemos aos ensaios com nossos livros de história, esperando ter discussões sobre nossos personagens e a época, mas foi como voltar à escola de teatro. Yorgos [Lanthimos, o diretor] nos fez brincar, trocando peças e rolando pelo chão. Ao final de duas semanas, não tivemos nenhum problema em parecer idiotas na frente um do outro – e quando chegamos no set estávamos bem pulando em cada cena e indo em frente. Ele era engenhoso.”

No passado, Alwyn se referiu a si mesmo como “introvertido”, mas hoje ele explica que acredita que a maioria das personalidades das pessoas desafia tais descrições simples. “Sim, talvez eu seja mais introvertido do que extrovertido. Mas eu acho que todo mundo muda em torno de pessoas diferentes. “O trabalho é uma parte importante de sua vida, no entanto, não é tudo que o consome. Não há paraquedismo nem nada, mas no meu tempo livre eu faço o que sempre fiz – passo tempo com os amigos, jogo futebol e vou ao pub. Eu faço o que a maioria das pessoas fazem.

Como a maioria das pessoas, ele também está nas redes sociais, mas tenta não pensar muito sobre seu crescente perfil público. “É uma ferramenta para falar sobre projetos dos quais tenho orgulho – não é pra mostrar às pessoas qual é o meu café favorito.” Estou focado no que sempre quis fazer. Eu só quero trabalhar com bons cineastas em histórias interessantes. Eu não quero me envolver em algo que pode não parecer “real”.

Para os atores, a questão do quanto desse “eu” verdadeiro deve ser revelado ao público que vai ao cinema é complicado. Não é o suficiente e você pode lutar para construir o tipo de perfil que pega os papéis mais suculentos; e você corre o risco de obscurecer os personagens que você interpreta na tela. No passado, os atores na posição de Alwyn se desataram.

Quando os nossos 45 minutos chegam ao fim, Alwyn diz que tem que ir. Fiel à forma, ele não diz onde mas quando estamos de pé e apertamos as mãos, ele se inclina um pouco. Sincero e direto, ele oferece algumas palavras de despedida: “Eu quero ser conhecido pelo meu trabalho, e quero ser visto como humano.” E, realmente, quem poderia argumentar com isso?

JACKAL MAGAZINE

Boy Erased has been nominated for 7 awards at this years Australian Academy of Cinema and Television Arts Awards! The ceremony takes place December 2 in Sydney, Australia

  1. Best Film
  2. Best Direction
  3. Best Lead Actor — Lucas Hedges
  4. Best Supporting Actor — Joel Edgerton
  5. Best Supporting Actor — Russell Crowe
  6. Best Supporting Actress — Nicole Kidman
  7. Best Adapted Screenplay

see the full list of nominations here 




Search

Site Status

Name: Joe Alwyn Online
Site url: joealwyn.online
Webmiss: Luara & Tracy
Contact: joealwynonline@gmail.com
Host: Flaunt

Our Tumblr

Is Joe going to NYFF?

We don't know yet, would be cool if he did!

Joe Bought A Gucci Bag For His Conversations With

Joe bought a Gucci bag for his Conversations with Friends make-up artist when she wrapped filming😻

bestie have you seen Shawn Mendes being asked about Joe during his lie detector interview😭 It’s hilarious how scared he looks jengkekmcl

https://path-of-my-childhood.tumblr.com/post/662870353027252224/yeah-we-have-remained-friends-ever-since-touring

LOL 🤣but also this supports how Joe can be the nicest human on earth yet play all these horrible people on screen and be believable -- like he does have pretty intense eyes and he knows when to play into that haha

why does he have to be so gorgeous? NO I MEAN WHY SO HANDSOME? I hope we get a photo dump soon.

this is from a week ago ~ you totally manifested Joe’s insta post yesterday! 😻

What’s the set date for cwf airing?

hasn’t been announced yet, sometime next year

Joe Alwyn Via Instagram September 19 2021

Joe Alwyn via instagram | September 19, 2021

Just wanted to come here and say IM SO SO EXCITED FOR CWF WHY CANT IT COME QUICKER

SAME!

but we *only* have like 9 months minimum maybe to wait lol

Do we know how long they’ll be filming in Croatia for?

about a month!

I was having a bad day and I instantly smiled seeing Joe’s smile in the new pic. It’s so infectious and precious even through a screen 🥺♥️

awww joe’s smile can definitely have that effect! ❤️

Joe With A Fan Recently In Belfast X

Joe with a fan recently in Belfast x

Twitter
Disclaimer

Joe Alwyn Online is a non-profit fansite, made by a fan for fans of Joe. We are in no way affiliated with Joe Alwyn nor any of his family, friends and representative. We do not claim ownership of any photos in the gallery, all images are being used under Fair Copyright Law 107 and belong to their rightful owners. All other content and graphics are copyrighted to joealwyn.online unless otherwise stated. If you would like any media removed please contact us before taking legal action.

Sponsor Ads
Joe Alwyn Online All rights reserved