Sponsor Ads

All posts in Interviews


Joe Alwyn Is Almost Unrecognizable Playing ‘Favourite’ In Three New Movies

You didn’t forget about Joe Alwyn, did you? Yeah, we’re pretty sure you did. Well, get ready for a surprise as the 27-year-old Brit is set to appear in three highly anticipated releases over the next two months with roles in Yorgos Lanthimos’ “The Favourite,” Joel Edgerton’s “Boy Erased” and Josie Rourke’s “Mary Queen of Scots.” And if you’re so inclined you may be aware he’s currently dating none other than Taylor Swift which, well…sure. What’s most remarkable about Alwyn’s year is what a comeback it’s turning into after the disappointing response to his big screen debut, 2016’s “Billy Lynn’s Long Halftime Walk.”

Frankly, Ang Lee’s 4K HD experiment did no one any favors, but Alwyn’s upcoming slate (he also appeared in August’s “Operation Finale”) demonstrates what an unexpected chameleon he is an actor. In fact, you might not recognize Alwyn as the same actor in all three roles.

“I take that as a compliment, definitely,” Alwyn says during an interview last weekend. “I mean, you wanna try and sign different kinda parts and different kinda projects and be different people. It’s a good thing, I think.”

The only intriguing connective string in Alwyn’s upcoming work is that he’s playing two notable figures in the history of the Royal Court in two of the features. In “The Favourite” he portrays Samuel Masham and in “Mary Queen of Scots” he’s playing Robert Dudley. The North London native prefaces that it wasn’t a conscious decision to seek these type of period roles out.

“‘Mary Queen of Scots’ [can’t be] more different from ‘The Favourite’ in some respects,” Alwyn says. “Both from the kind of the rehearsal period to shooting it. Yorgos and Josie are completely different directors in terms of attacking that kind of material and Yorgos is obviously, well, I mean as was evident from the script, it was incredibly refreshing and unconventional in terms of period film. Whereas ‘Mary’ is more straitlaced in a way, I suppose.”

For Lanthimos’ critically acclaimed dramatic comedy, Alwyn describes Masham as an equerry who has a fair degree of rank (an equeery is an officer who assists the Royal Household). He elaborates, “He spots Emma’s character pretty early on and falls head over heels for her. And throughout the film we have this cat and mouse game between the two of them where he is wanting to catch her and she similarly wants to use him to climb rank.”

The Emma in question is Emma Stone who portrays Abigail Hill, a young woman of noble blood whose family has lost their fortune. While Alwyn’s Masham has fallen for her, Abigail is using her charms to work her way into the favor of Queen Anne (Olivia Colman). This starts a devilishly petty (and quite funny) game of favor between Abigail and Queen Anne’s current favorite, Sarah Churchill (Rachel Weisz). Masham, meanwhile, is naively unaware of how he’s become a pawn in the proceedings as he continues to take advice from the politically savvy Robert Harley (Nicholas Hoult).

Tradução

Joe Alwyn está quase irreconhecível Jogando ‘o favorito’ em três novos filmes

Você não esqueceu Joe Alwyn , não é? Sim, temos certeza que você fez. Bem, prepare-se para uma surpresa, já que o britânico de 27 anos deve aparecer em três lançamentos nos próximos dois meses com papéis em “The Favorite”, de Yorgos Lanthimos, “Boy Erased”, de Joel Edgerton, e “Mary Queen of Scots” de Josie Rourke.” E se você é atualizado, deve saber que ele está namorando ninguém menos que Taylor Swift , que, bem… claro. O que é mais notável no ano de Alwyn é o retorno que ele está ganhando após a decepcionante reação à sua estréia na tela grande, em “Billy Lynn’s Long Halftime Walk.”

Francamente, o experimento 4K HD de Ang Lee não fez nenhum favor a ninguém, mas os próximos filmes de Alwyn (ele também apareceu em “Operation Finale”) demonstram o quão um inesperado camaleão ele é como ator. Na verdade, você não pode reconhecer Alwyn como o mesmo ator em todos os três papéis.

“Eu tomo isso como um elogio, definitivamente”, Alwyn diz durante uma entrevista no último fim de semana. “Quero dizer, você quer tentar assinar diferentes tipos de peças e diferentes tipos de projetos e ser pessoas diferentes. É uma coisa boa, eu acho.

A única conexão intrigante nos próximos trabalhos de Alwyn é que ele está atuando como duas figuras notáveis ​​na história da corte real, em dois filmes. Em “The Favorite” ele retrata Samuel Masham e em “Mary Queen of Scots” ele está interpretando Robert Dudley. O nativo do norte de Londres comenta que não foi uma decisão consciente procurar esses tipos de papéis de época.

“’Mary Queen of Scots’ [não pode ser] mais diferente de ‘The Favorite’ em alguns aspectos”, diz Alwyn. “Tanto na época quanto nos ensaios antes de filmar. Yorgos e Josie são diretores completamente diferentes para trabalhar com esse material e Yorgos é, obviamente, bem, quero dizer, como ficou evidente no roteiro, foi incrivelmente refrescante e não convencional em termos de filmes de época. Considerando que ‘Mary’ é mais conservador de certa forma, eu suponho.”

Para a comédia dramática aclamada pela crítica de Lanthimos, Alwyn descreve Masham como um cavaleiro que tem uma posição alta (um equeery é um oficial que trabalha para um membro da família real, ajudando em seus deveres oficiais). Ele elabora: “Ele vê o personagem de Emma bem cedo e se apaixona por ela. E ao longo do filme temos esse jogo de gato e rato entre os dois, onde ele quer pegá-la e ela também quer usá-lo para subir na hierarquia ”.

A Emma em questão é Emma Stone, que retrata Abigail Hill , uma jovem de sangue nobre cuja família perdeu sua fortuna. Enquanto Masham de Alwyn se apaixonou por ela, Abigail está usando seus encantos para chegar até a rainha Anne ( Olivia Colman). Isso inicia um jogo de favores diabolicamente insignificante (e muito engraçado) entre Abigail e a atual favorita da rainha Anne, Sarah Churchill ( Rachel Weisz ). Masham, entretanto, é ingenuamente inconsciente de como ele se tornou um peão no processo, ele continua a seguir o conselho do politicamente experiente Robert Harley ( Nicholas Hoult ).

Fonte | Tradução e Adaptação – Equipe Joe Alwyn Online

‘The Favourite’: Emma Stone, Olivia Colman & Yorgos Lanthimos Talk “Bizarre” Rehearsals, CGI Rabbits & More [NYFF]

In his latest effort, Yorgos Lanthimos takes on 18th-century royalty with “The Favourite,” a dark comedy loosely based on the story of Queen Anne of England and her closest confidants: the Lady Sarah (Rachel Weisz) and newcomer Abigail (Emma Stone) who battle for the monarch’s love. In what could be considered one of the best roles of Stone’s career to date, Olivia Colman and Rachel Weisz stun in this unique period drama with contemporary flair. The entire cast came to the New York Film Festival this week to unveil the hotly anticipated film and following the screening the cast sat down to discuss the film as well as working with Yorgos Lanthimos. Suffice it to say Lanthimos, already boasting a spellbinding career, with past films like “The Lobster” and the “The Killing of a Sacred Deer,” continues to prove himself to be one of the world’s greatest directors. Following the roar of applause after the screening, the cast sat down to discuss what it was like making “The Favourite,” the strange acting exercises Lanthimos asked cast members to do and an exclusive look into how they got involved in this unique project.

Asked about what drew him to the film Lanthimos replied, “I guess when I immediately came across it, the fact that it was a story about three women who in this point in time [historically] had this kind of power, and how that affected a whole country – the fate of thousands or millions of people – it just felt like an interesting thing to explore.” The story of Queen Anne of England is a tragic one and yet Lanthimos, scriptwriter Tony McNamara, and the cast effortlessly and effectively inject this story with a darkly sharp sense of humor. On the comedic elements in the film, Lanthimos remarked that in part, it was an interesting way to approach the subject matter and humor is something that he “can’t get away from, no matter what.”

The rebellious spirit of the film is spearheaded by its contemporary elements. “We tried to add a few contemporary pieces to the film … some of it was the physicality of the characters and actors,” noted Lanthimos. “Sometimes we did it in subtle ways and in others not so much.”

Ultimately Colman said that the cast felt sad when it was all over, “I will admit I felt slightly bereft when we were done,” she lamented. Stone, Hoult and Joe Alwyn echoed the same sentiments.

Alwyn added, “Being able to work with such an amazing cast is so refreshing and to be part of a project so different from what I am accustomed to seeing is exciting.” Olivia Colman gushed, “I knew we’d be friends for life [after the shoot], and I know people always say that and I do think its bollocks a lot of the time but we really did have a genuinely lovely time making this film.”
Em seu último esforço, Yorgos Lanthimos assume a realeza do século 18 com “The Favorite”, uma comédia sombria baseada na história da rainha Ana da Inglaterra e seus confidentes mais próximos: Lady Sarah (Rachel Weisz) e a recém-chegada Abigail (Emma Stone) que lutam pelo amor do monarca.

Tradução

No que poderia ser considerado um dos melhores papéis da carreira de Stone até o momento, Olivia Colman e Rachel Weisz chocam neste drama de época único com um toque contemporâneo. Todo o elenco chegou ao New York Film Festival nesta semana, para revelar o filme muito aguardado e após a exibição, o elenco se sentou para discutir o filme, além de trabalhar com  Yorgos Lanthimos. Basta dizer que Lanthimos, já tendo uma carreira fascinante, com filmes como “ The Lobster ” e “ The Killing of a Sacred Deer ”, continua a provar ser um dos maiores diretores do mundo. Após os aplausos depois da exibição, o elenco se sentou para discutir como era fazer “The Favorite”, os estranhos exercícios de atuação que Lanthimos pedia para os membros do elenco fazerem e um olhar exclusivo sobre como eles se envolveram neste projeto único.

Perguntado sobre o que o atraiu ao filme, Lanthimos respondeu: “Eu acho que quando eu imediatamente deparei com isso, o fato de que era uma história sobre três mulheres que neste momento [historicamente] tinham esse tipo de poder, e como isso afetava um país inteiro – o destino de milhares ou milhões de pessoas – pareceu uma coisa interessante de se explorar. ”A história da rainha Anne da Inglaterra é trágica e ainda assim Lanthimos, o roteirista Tony McNamara , e o elenco sem esforço efetivamente injetam nesta história um senso de humor sombrio afiado. Sobre os elementos cômicos do filme, Lanthimos comentou que, em parte, era uma maneira interessante de abordar o assunto e o humor é algo que ele “não pode fugir, não importa o que aconteça”.

O espírito rebelde do filme é encabeçado pelos seus elementos contemporâneos. “Tentamos adicionar algumas peças contemporâneas ao filme… algumas delas eram a fisicalidade dos personagens e atores”, observou Lanthimos. “Às vezes fizemos de maneira sutil e em outras não tanto”.

Em última análise, Colman disse que o elenco ficou triste quando tudo acabou, “vou admitir que me senti um pouco desolada quando terminamos”, lamentou. Stone, Hoult e Joe Alwyn ecoaram os mesmos sentimentos.

Alwyn acrescentou: “Ser capaz de trabalhar com um elenco tão incrível é tão refrescante e fazer parte de um projeto tão diferente do que estou acostumado a ver é emocionante.” Olivia Colman jorrou: “Eu sabia que seríamos amigos para a vida [depois das filmagens], e eu sei que as pessoas sempre dizem isso e eu acho que é demais, mas nós realmente tivemos um ótimo momento fazendo esse filme. ”

Fonte | Tradução e Adaptação – Equipe Joe Alwyn Online

During the Venice Film Festival Joe and Nicholas gave Fred Film Radio an interview to talk about The Favorite. Check it out:

As part of Joe’s recent interview with British Vogue, which you can read here, Joe also did a video interview with the magazine where he shared his “firsts” such as his first audition, first pet, and more! You can watch the video here

Below is a transcript of Joe’s answers to each question:

First Audition
“First audition I’ve had would likely have been for a school play, when I was about 10, 9 or 10 at school. We had a school production of Tin Tin and I was the dog, Snowy. So I had to crawl around on the floor in cricket whites and I barked a lot. First film audition I had was by a brilliant casting director…who put me forward for a film; put me forward for Love Actually, and I obviously didn’t get the part but I remember reading some scenes with Hugh Grant when I was very young.”

First Job
“I don’t know if it counts as a job but at school, when I was a lot younger I used to burn CD’s and bring them in to sell them to people if they didn’t have them, or their parents wouldn’t let them buy them. So if you needed 50 Cent’s latest album and your parents wouldn’t let you get it then I was the person to come to.”

First Album
“First album I bought would have been, I think What’s The Story (Morning Glory) by Oasis”

First Crush
“First movie crush was, strangely, anyone who was French I liked and I think that just kind of fixated eventually on Marion Cotillard.”

First Pet
“Growing up I had so many pets and animals from tortoises to guinea pigs to mice, but I think the first pet I had was a fish which isn’t as glamorous and was called Rainbow Starr after Ringo Starr.”

First Film
“First film I really, really loved would be Zorro with Anthony Hopkins and Antonio Banderas and I was obsessed with it and I wanted to be Zorro, and I was obsessed with it and I used to go around the house scratching little Z’s like he does with the sword in the film, underneath a table or like a chair or back of radiators and it was actually because of that I took up fencing lessons when I was a lot younger and it was at the fencing lesson that this casting director came around and saw me and asked me to audition for Love Actually. It was because of her I kind of started having interest in doing that. So thank you Zorro.”

Tradução

Primeira audição

“A primeira audição que eu fiz foi para uma peça da escola, quando eu tinha uns nove ou dez anos. Nós tivemos uma produção escolar de As aventuras de Tintim, e eu era o cachorro Snowy (Milu). Então eu tive que rolar no chão e latir. A primeira audição de cinema que eu fiz foi com um grande diretor de elenco…para Love Actually, e eu não consegui o papel obviamente, mas me lembro de ter lido algumas cenas com Hugh Grant quando eu era mais novo.”

Primeiro emprego

“Eu não sei se isso conta como trabalho, mas quando eu era mais novo, eu costumava gravar CDs e vende-los para as pessoas na escola, se eles não os tivessem, ou seus pais não comprassem para eles.

Primeiro álbum

“O primeiro álbum que eu comprei foi, eu acho What’s The Story (Morning Glory) do Oasis”

Primeira crush

“A primeira paixão em filme foi, estranhamente, qualquer uma que fosse francesa que eu gostasse e acho que acabei me fixando na Marion Cotillard.”

Primeiro animal de estimação

“Na minha infância, eu tive muitos animais de estimação, de tartarugas, porquinhos-da-índia a ratos, mas acho que o primeiro foi um peixe, o que não é tão glamoroso e ele se chamava Rainbow Starr depois Ringo Starr.”

Primeiro filme

“O primeiro filme que eu realmente amei foi o Zorro com Anthony Hopkins e Antonio Banderas e eu era obcecado com isso e eu queria ser o Zorro, e eu costumava dar a volta na casa riscando o pequeno Z como ele fazia com a espada no filme, debaixo da mesa, nas cadeiras, na parte de trás do radiador, e foi por causa disso que eu fiz aula de esgrima, e foi na aula de esgrima que este diretor de elenco me viu e me pediu para fazer um teste para Love Actually. Foi por causa disso que eu comecei a ter interesse em atuar. Então obrigada, Zorro.

His first job was an ang lee blockbuster and he has four prestige films coming up, but joe alwyn is determined to remain down to earth. Total Film meets a resolutely un-starry actor who’s about to become a favourite

You’re going to see a lot more of Joe Alwyn. Between now and February — that key ‘awards corridor’ — he’s starring in a quartet of high-profile projects that are going to get him noticed a lot. It may mean his low-key solo chilling in Soho cafe, scrolling through his phone while absentmindedly messing with his mop of blond hair, gets more difficult to pull off. And that a move to La-La becomes inevitable. But for now, this 27-year-old north Londoner is keen to keep his eyes on the prize and his feet on the ground. He has a close-knit group of six friends he’s known since he was 12, he says while discussing his work in what he refers to as the “entertainment industry.” “I like that I have them. I feel like I know who I am. It’s not grounding, because I don’t feel like I’m floating off anywhere,” he shrugs, pauses a beat. “I think I’d know if I was floating off somewhere.”

Order a peppermint tea (“Because I just had a coffee!” he protests with a laugh, in apparent fear that TF may think he’s too Hollywood for caffeine), Alwyn is prettier than he appears on-screen — let’s not forget his girlfriend, Taylor Swift, wrote ‘Gorgeous’ about him — and comes across as pragmatic and refreshingly self-aware as he talks, long fingers carding though that hair and bracketing his face as he thinks. Maybe the healthy cynicism towards an industry that can burn even as it launches careers comes from his documentary filmmaker dad who provided piles of VHS movies on Christmases and birthdays that inspired Alwyn to go to drama school. Though he only applied after doing a degree in English and Drama at Bristol University because he knew he wouldn’t handled the intensity of drama school at 18. “I just wanted to get out of London for three years and have a different experience, have fun.”

Maybe it’s the reality check that the Royal Central School of Speech and Drama provided straight off the bat. “You’re sat, and they say, ‘Two or three of you might have a career, by which we mean as a working actor. It doesn’t mean you’ll land a big job. It just means you might steadily work,” he recalls. “I’m sure everyone else in the class had the same thought, but I’m thinking, ‘I’m going to make sure that’s me.'” Maybe it’s the disappointment that followed his acting debut as a PTSD war hero in Ang Lee’s hotly tipped but ultimately little-seen Billy Lynn’s Long Halftime Walk. Cast straight out of Central, it was Alwyn’s first gig, his first film and his first time in America. “It made me realize nothing is set in stone as to how anything’s going to do. I wish more people had seen the film, and I think it’s a shame they didn’t. But I learned so many different things in so many different ways and I feel so spoilt to have worked with someone like him for my first film. But it did leave me thinking… I want to find projects with great filmmakers, even if it’s in a smaller capacity, and build through that, rather than just jump into something big or bigger for the sake of it. Last year was kind of about trying to find things like that.”

The building blocks of last year are no small beer. He’s playing a royal equerry in Yorgos Lanthimos’ Venice Film Festival darling The Favourite, the Virgin Queen’s suitor in Mary Queen of Scots, a teen boy in Joel Edgerton’s starry gay conversion drama Boy Erased, and the complicated son of a real-life Nazi war criminal in Operation Finale. All are courting gongs buzz. “If the films do well, in whatever capacity, then that’s great,” Alwyn smiles. “It was just fun to be a part of very different projects. So much stuff you read isn’t that great, so it was just a nice rarity last year to read a number of things that I liked, and to be able to go for them and get them.”

Modesty aside, all four projects are savvy choices — working with noted filmmakers and esteemed casts on pertinent topics. Operation Finale charts the capture of SS Lieutenant Colonel Adolf Eichmann (Ben Kingsley) by Mossad agents in 1960 and explores the idea of extremism living next door — in Alwyn’s character’s case, in the form of a flaxen-haired, blue-eyed, apparently charming boy dating a Jewish girl. “At the time, I just thought it was an interesting story that I didn’t know about,” he says as we discuss events in Charlottesville making this period drama horribly relevant. “But decades later, there’s still the rise of right-wing nationalism, antisemitism and all kinds of divisions and oppressions. It’s a reminder that that still exists today, and is sadly relevant.”
Also relevant in a #TimesUp world are The Favourite and Mary Queen of Scots — led by women and telling stores of the female experience. The Favourite loosely follows the shenanigans of Queen Anne’s (Olivia Colman) 18th Century court as her right-hand woman, Lady Sarah (Rachel Weisz), and social-climbing servant, Abigail (Emma Stone), vie for power amid lobster racing and bawdiness. Alwyn is the object of Abigail’s manipulative affection.

Lanthimos had the cast rehearse for two weeks before shooting by “rolling around on the floor, switching characters, dancing around” like a return to drama school, with “no consideration of historical accuracy, or the characters and motivation and intention,” laughs Alwyn. “Which, obviously, everyone had turned up with their history books, ready for!” The results, he promises, are “funny, dark… a little twisted, a beautiful film.” And the three women are incredible — it’s great to see a female-driven, female-led film.”

Though similarities could be drawn between that and the 16th century drama of Elizabeth I’s (Margot Robbie) power struggle with her half-sister Mary (Saoirse Ronan) in Josie Rourke’s biopic, Alwyn insists they had very different approaches. Rehearsals weren’t rolling around on the floor for this one (“We were all doing table reads, pens and pencils out, marking the text, and talking about the history with a historian in the room”) and he deep-dived researched his character, Elizabeth’s lover and ‘Master of the Horse’ (“I learnt to ride a horse for The Favourite and Mary but you hardly see me on one in either!”), Robert Dudley. “It was interesting to me that they were childhood friends, and therefore had this bond before she became queen,” he muses. “So you get the sense that he knows the real her.”

It’s impossible to ignore the parallels between his own life and this role, TF suggests, given he knows personally what it’s like to date a globally famous and powerful woman who’s rewriting the rules within a man’s world. Alwyn smiles ruefully, and elegantly sidesteps with a shrug: “I understand people’s curiosity in the world we live in, about people’s private lives. Well, I don’t understand it, but I know it exists. But someone’s private life is private. For me, I just don’t feel it’s something I want to offer up to be picked apart by people who don’t know about it, and it’s just not theirs to have.”

This strict delineation of public and private personas seems to have served him well as the enigmatic Henry, a friend to a gay teen (Lucas Hedges) who is sent to conversion camp by his evangelical parents (Russell Crowe, and Nicole Kidman) in Joel Edgerton’s Boy Erased. It is, says Alwyn, “A very small part but a very important one. I’m reluctant to say too much about him, because I think it’ll be more impactful if people see it and don’t know his story.” And again, it’s a project that speaks to the times we live in, with ‘conversion treatment’ — in which gay people are supposedly ‘cured’ of their non-heterosexuality — remaining a political issue despite being discredited. “It’s so topical, which is terrifying,” adds Alwyn. “It’s an important, brilliant script — I wanted to be a part of this story with these people, whether it was doing one day or eight weeks.”

Wanting to be part of a story is something Alwyn refers to more than once, name-checking Phillip Seymour Hoffman as an actor he admires in his ability to create memorable, human characters from both supporting and lead roles. What he’s less interested in is the accompanying media circus and the fame that a growing body of work ultimately brings. “I know that’s a side to it all, and obviously, to a degree, I have experienced it… but honestly, I worry much more about finding the next thing to do,” he laughs. “And just paying the bills.” With a slate like this, it’s unlikely he’ll be worrying about either next year

Tradução

Seu primeiro trabalho foi em um blockbuster de ang Lee e ele tem quatro filmes de prestígio chegando, mas Joe Alwyn está determinado a permanecer na Terra. Total Film encontra um ator decididamente não-estrelado que está prestes a se tornar um favorito

Você vai ver muito mais de Joe Alwyn. Entre agora e fevereiro – na principal temporada de premiações – ele está estrelando em um quarteto de projetos de grande perfil que vão fazer com que ele seja muito notado. Isso pode significar que seu costume de ficar curtindo discretamente seu tempo no Soho Cafe, enquanto olha seu celular distraidamente e mexe no seu cabelo loiro, ficará mais difícil de acontecer. E que uma mudança para Los Angeles se torna inevitável. Mas por enquanto, o britânico, de 27 anos, quer manter o foco na carreira e os pés no chão. Ele tem um grupo bem unido de seis amigos que ele conhece desde os 12 anos, ele diz enquanto discute seu trabalho do que ele chama de “indústria do entretenimento”. “Eu gosto de manter essas amizades. Eu sinto que sei quem eu sou. Não é questão de manter os pés no chão, por que eu não me sinto flutuando para lugar algum”, ele dá de ombros, faz uma pausa. “Eu acho que eu saberia se eu estivesse flutuando para algum lugar.”

Peça um chá de hortelã (“Porque eu acabei de tomar um café!” Ele protesta com uma risada, aparentemente com medo de que eu possa pensar que ele é muito Hollywood para cafeína), Alwyn é mais bonito do que aparece na tela – não vamos esquecer que sua namorada, Taylor Swift, escreveu ‘Gorgeous’ sobre ele – e se mostra pragmático e refrescantemente autoconsciente enquanto fala, dedos longos penteando aquele cabelo e envolvendo seu rosto enquanto ele pensa. Talvez o cinismo saudável em direção a uma indústria onde a queda pode vir tão rápido quanto a ascensão de carreiras venha de seu pai documentarista, que forneceu pilhas de filmes em VHS no Natal e aniversários que inspiraram Alwyn a ir à escola de teatro. Embora ele só tenha se candidatado depois de se formar em literatura inglesa e teatro na Universidade de Bristol porque sabia que não lidaria com a intensidade da escola de teatro aos 18. “Eu só queria sair de Londres por três anos e ter uma experiência diferente, Divertida.”

Talvez seja o choque de realidade que a Royal Central School of Speech e Drama forneceu imediatamente. “Você está sentado, e eles dizem: “Dois ou três de vocês podem ter uma carreira, e com isso queremos dizer como um ator que trabalha regularmente. Isso não significa que você conseguirá um grande trabalho. Significa apenas que você pode trabalhar consistentemente”, lembra ele. “Tenho certeza de que todos os outros da turma tiveram o mesmo pensamento, mas eu estava pensando: ‘Vou me certificar de que seja eu'”. Talvez seja a decepção que se seguiu à sua estréia de ator como um herói de guerra em um filme de grande perfil de Ang Lee, Billy Lynn Long Halftime Walk mas que acabou sendo pouco visto. Direto da Royal Central School of Speech and Drama, foi o primeiro filme de Alwyn, e sua primeira vez na América. “Isso me fez perceber que nada está garantido sobre como um filme vai se sair. Eu gostaria que mais pessoas tivessem visto o filme, e eu acho que é uma pena que não. Mas eu aprendi tantas coisas diferentes de tantas maneiras diferentes e me sinto tão mimado por ter trabalhado com alguém como ele no meu primeiro filme. Mas isso me fez pensar … Eu quero encontrar projetos com grandes cineastas, mesmo que em papéis menores, e construir minha carreira através disso, ao invés de apenas pular em algo grande ou maior por causa do tamanho. O ano passado foi meio que tentar encontrar coisas assim.

Os seus trabalhos do ano passado não são realizações pequenas. Ele está interpretando em um filme de Yorgos Lanthimos que estreou no Festival de cinema de Veneza, A Favorita, é o pretendente da Rainha Virgem em Mary Queen of Scots, um garoto adolescente no filme dirigido e estrelado por Joel Edgerton, Boy Erased, e o complicado filho de um nazista da vida real em Operação Finale. Todos os filmes estão gerando buzz. “Se os filmes forem bem, em qualquer capacidade, então é ótimo”, Alwyn sorri. “Foi divertido fazer parte de projetos muito diferentes. Tantas coisas que você lê e não são tão boas, então foi uma raridade bacana no ano passado ler uma série de coisas que eu gostei, e poder ir atrás delas e consegui-las.”

Modéstia à parte, todos os quatro projetos são escolhas espertas – trabalhando com cineastas notáveis ​​e elencos estrelados em tópicos pertinentes. A Operação Final mostra a captura do Tenente Coronel Adolf Eichmann (Ben Kingsley) pelos agentes do Mossad em 1960 e explora a ideia de extremismo vivendo ao nosso lado – no caso do personagem de Alwyn, na forma de um garoto de cabelo loiro, olhos azuis, aparentemente charmoso, namorando uma menina judia. “Na época, eu achava que era uma história interessante que eu não conhecia”, ele diz enquanto discutimos os eventos em Charlottesville tornando esse drama de época horrivelmente relevante. “Mas, décadas depois, ainda há o aumento do nacionalismo de direita, anti-semitismo e todos os tipos de divisões e opressões. É um lembrete de que isso ainda existe hoje e é, infelizmente, relevante ”. Outros também relevantes em um mundo com #TimesUp são The Favorite e Mary Queen of Scots – liderados por mulheres e contando as experiências femininas. The Favorite segue levemente a história da corte da Rainha Anne no século XVIII (Olivia Colman) enquanto seu braço direito, Lady Sarah (Rachel Weisz), e a serva de escalada social, Abigail (Emma Stone) disputam o poder em meio a corridas de lagostas e atrevimentos. Alwyn é o interesse romântico da manipuladora Abigail.

Lanthimos mandou o elenco ensaiar por duas semanas antes de filmar “rolando pelo chão, trocando de personagem, dançando” como um retorno à escola de teatro, com “nenhuma consideração de precisão histórica, ou os personagens e motivação e intenção”, ri Alwyn. . “O que foi inesperado, obviamente todos apareceram com seus livros de história, prontos para o ensaio!” Os resultados, ele promete, são “engraçados, obscuros… um pouco distorcidos, um filme lindo”. E as três mulheres são incríveis – é ótimo ver um filme liderado por mulheres e protagonizado por mulheres. ”

Embora possam ser traçadas semelhanças entre isso e o drama do século 16 da luta de poder de Elizabeth I (Margot Robbie) com sua prima Mary (Saoirse Ronan) no filme biográfico de Josie Rourke, Alwyn insiste que eles tinham abordagens muito diferentes. Os ensaios para esse filme não foram tão inesperados (“Estávamos todos fazendo leituras de mesa, com canetas e lápis marcando o texto, e falando sobre a história com um historiador na sala”) e ele mergulhou profundamente pesquisando a história do seu personagem, amante de Elizabeth e “Mestre do Cavalo” (“aprendi a andar de cavalo para The Favorite e Mary, mas você mal me vê cavalgando em ambos os filmes!”), Robert Dudley. “Foi interessante para mim que eles eram amigos de infância e, portanto, tinham esse vínculo antes dela se tornar rainha”, ele reflete. “Então você tem a sensação de que ele conhece ela verdadeiramente.”

É impossível ignorar os paralelos entre sua própria vida e esse papel, já que ele conhece pessoalmente como é namorar uma mulher mundialmente famosa e poderosa que está reescrevendo as regras dentro de um mundo de homens. Alwyn sorri vagarozamente, e elegantemente evita dar de ombros: “Eu entendo a curiosidade das pessoas no mundo em que vivemos, sobre a vida pessoal das pessoas. Bem, eu não entendo, mas sei que existe. Mas a vida privada de alguém é privada. Para mim, não acho que seja algo que eu queira compartilhar para ser comentado por pessoas que não sabem nada sobre um assunto que não é deles. ”

Esse delineamento restrito de personalidades públicas e privadas parece tê-lo servido bem como o enigmático Henry, um amigo de um adolescente gay (Lucas Hedges) que é enviado para o campo de conversões por seus pais evangélicos (Russell Crowe e Nicole Kidman) dirigido por Joel Edgerton. Boy Erased.  Alwyn diz, “ É um papel muito pequeno, mas muito importante. Estou relutante em falar muito sobre ele, porque acho que será mais impactante se as pessoas o virem e não souberem a história dele. ”E novamente, é um projeto que fala sobre os tempos em que vivemos, com ‘ tratamento de conversão ‘- em que os gays são supostamente’ curados ‘de sua não-heterossexualidade – permanecendo uma questão política apesar de estarem desacreditados. “É tão atual, o que é assustador”, acrescenta Alwyn. “É um roteiro importante e brilhante – eu queria fazer parte dessa história com essas pessoas, seja por um dia ou oito semanas.”

Querer fazer parte de uma história é algo que Alwyn se refere mais de uma vez, citando Phillip Seymour Hoffman como um ator que admira por sua capacidade de criar personagens humanos memoráveis, tanto em papéis coadjuvantes quanto de protagonistas. O que ele está menos interessado é no circo da mídia que o acompanha e na fama que a ascensão do trabalho acaba trazendo. “Eu sei que é uma consequência, obviamente, até certo ponto, eu tenho experimentado isso … mas, sinceramente, eu me preocupo muito mais em encontrar meus próximos projetos”, ele ri. “E pagar minhas contas.” Com um currículo como esse, é improvável que ele tenha que se preocupar com o próximo ano.

Tradução e Adaptação – Equipe Joe Alwyn Online

Joe has a new interview in the October 2018 issue of British Vogue, where he discusses his upcoming movies and how he manages fame. Read the full interview below!

Joe Alwyn is very tall, very blond, and about to have a very good autumn. “Am I?” ponders the North Londoner, his prospective movie-star mouth curling into a self-deprecatingly British half-smile. We can dispense with the faux modesty. There is scarcely an Oscar-bait movie this Autumn that Alwyn does not have a juicy supporting role in. Add to this fact that he’s on his second round of duties fronting Prada’s menswear campaigns and you get the picture. Oh, and he’s Taylor Swift’s boyfriend.

For now, though, the 27-year-old remains largely un-tickled by fame, his 6ft 2in frame stooped elegantly over a flat white in an anonymous coffee shop in central London. Up close, in a plaid shirt and jeans, he looks like a cross between a young Leonardo DiCaprio and a golden retreiver, which has wooed Hollywood into providing him with a major moment. Over the next few months you’ll see him play Robert Dudley, counsellor and lover to Margot Robbie’s Elizabeth I, in Mary Queen of Scots (“he’s led by loyalty and true romantic love”); Emma Stone’s seducer at the court of Queen Anne in Yorgos Lanthimos’s historical romp The Favourite, (“there’s a lot of cat and mouse”); Ben Kingsley’s son in Nazi-hunter drama Operation Finale; and Lucas Hedges’s lover in the moving gay conversion therapy drama Boy Erased, with Russell Crowe and Nicole Kidman. Not bad for a man with a single previous film credit to his name (albeit the title role in Ang Lee’s 2016 post-Iraq War opus Billy Lynn’s Long Halftime Walk).

For all the exciting company he’s been keeping, there is one person everyone wants to hear about. He smiles. “I’m aware people want to know about that side of things,” he says of his relationship with the world’s most famous dater, who met in the wake of his initial success a couple years ago. “I think we have been successfully very private, and that has now sunk in for people.” As he leans back in his chair, you can see how on brand he is for Ms Swift: British (obviously), doe-eyed, a little bit fashion but with the air of an eternal undergrad student. The tabloids often dispense with his name and call him “Taylor bae” (does this sting? He wouldn’t like to say), but they’ve been living together on-and-off for a while now. Naturally, she’s written a song for him — “Gorgeous”.

“But I really prefer to talk about work,” he says. In truth, there’s something almost anachronistic about the smoothness of Alwyn’s rise: son of a middle-class documentary filmmaker father psychotherapist mother, his early years were spent as one of those children in cute private school uniform you see on the Tube, off to take up his scholarship at the City of London School. After a casting director talent-spotted him a local drama class, he auditioned to play the boy in Love Acturally (“obviously I didn’t get the part”), performed with the National Youth Theatre, then read English and Drama at Bristol, before heading to the Central School for Speech and Drama. A brilliant natural actor, especially gifted at quiet emotion, he was plucked by Lee to star in his PTSD war drama before he’d finished his final year. As breaks go, it was “life changing”.

Yet, as he awaits his follow-up moment, there is also a modern edge to Alwyn. In many ways, he is post-#metoo Hollywood’s answer to the ingenue conundrum in 2018. Pretty, talented and uncorrupted by fame, with a big debut under his belt, and now playing the love interest to the industry’s biggest names while going out with a very famous one in real life… it turns out that the most straightforward starlet for our times is a man. So what are his tips for navigating it? “You just try and be cool, which I’m terrible at, and not get caught up in the other fluffy stuff of things,” he says. “All the rubbish.”

Tradução

Joe foi entrevistado para a edição de outubro da Vogue britânica, onde discute seus próximos filmes e como ele gerencia a fama. Leia a entrevista completa abaixo:

Joe Alwyn é muito alto, muito loiro e está prestes a ter um outono muito bom. “Eu estou?”, Pondera o londrino, com a boca de potencial estrela de cinema se curvando em um meio sorriso britânico auto-depreciativo. Podemos dispensar a falsa modéstia. Não há praticamente nenhum filme [de Oscar] neste outono em que Alwyn não tenha um papel coadjuvante suculento. Acrescente  isso ao fato dele estar em sua segunda campanha de roupas masculinas da Prada e você vai entender. Ah, e ele é o namorado da Taylor Swift.

Por enquanto, porém, o rapaz de 27 anos continua em grande parte desinteressado pela fama, seus 1,85 m de altura inclinaram-se elegantemente sobre um Flat white em uma cafeteria anônima no centro de Londres. De perto, em uma camisa xadrez e jeans, ele parece um cruzamento entre um jovem Leonardo DiCaprio e um golden retreiver, que cortejou Hollywood para proporcionar-lhe um grande momento.

Nos próximos meses, você o verá como Robert Dudley, conselheiro e amante de Elizabeth I, Margot Robbie, em Mary Queen of Scots (“ele é liderado por lealdade e amor verdadeiro); o sedutor de Emma Stone na corte da Rainha Anne, na traquinagem histórica de Yorgos Lanthimos, The Favorite, (“há muito gato e rato”); O filho de Ben Kingsley no drama de caça nazista ‘Operation Finale’; e o amante de Lucas Hedges no comovente drama de terapia de conversão gay ‘Boy Erased’, com Russell Crowe e Nicole Kidman.

De todas as companhias empolgantes que ele mantém, há uma pessoa que todos querem ouvir sobre, “Estou ciente de que as pessoas querem saber sobre esse lado das coisas”, diz ele sobre seu relacionamento. Acho que fomos bem-sucedidos em manter isso privado e agora apareceu para as pessoas,”Mas eu realmente prefiro falar sobre o trabalho”, diz ele.

A ascensão de Alwyn: filho de um documentarista de classe média e de uma mãe psicoterapeuta, seus primeiros anos foram gastos como uma daquelas crianças em fofos uniformes de escolas particulares que você vê no metrô. Depois que um diretor de elenco o viu em uma aula de teatro local, ele fez um teste para interpretar o garoto em Love Actually (“obviamente eu não consegui o papel”), se apresentou no National Youth Theatre,  estudou literatura inglesa e drama na Universidade de Bristol, antes de ir para a Central School for Speech and Drama. Um ator naturalmente brilhante, especialmente dotado de uma emoção tranquila, ele foi escolhido por Lee para estrelar seu drama de guerra antes de terminar seu último ano. Com a oportunidade, houve “mudança de vida”.

No entanto, enquanto aguarda seu momento, há também uma vantagem moderna para Alwyn. De muitas maneiras, ele é pós-metoo. Bonito, talentoso e não corrompido pela fama, com uma grande estréia em sua carreira, e agora atuando como o interesse amoroso dos maiores nomes da indústria. Acontece que a nova estrela mais direta do momento é um homem. Então, quais são as dicas dele para lidar com isso? “Você tem que apenas tenta ser calmo, eu sou terrível nisso, e não se apegar em outras coisas superficiais”, diz ele. “E tudo que não vale a pena.”

Tradução e Adaptação – Equipe Joe Alwyn Online




Search

Site Status

Name: Joe Alwyn Online
Site url: joealwyn.online
Webmiss: Luara & Tracy
Contact: joealwynonline@gmail.com
Host: Flaunt

Our Tumblr
Twitter
Disclaimer

Joe Alwyn Online is a non-profit fansite, made by a fan for fans of Joe. We are in no way affiliated with Joe Alwyn nor any of his family, friends and representative. We do not claim ownership of any photos in the gallery, all images are being used under Fair Copyright Law 107 and belong to their rightful owners. All other content and graphics are copyrighted to joealwyn.online unless otherwise stated. If you would like any media removed please contact us before taking legal action.

Sponsor Ads
Joe Alwyn Online All rights reserved