Sponsor Ads

All posts in Interviews


Joe was recently interviewed by Eileen Shapiro in New York, where he discussed his experiences making the The Favourite and working with director Yorgos Lanthimos. Read the full interview:

 

Eileen Shapiro: How did “The Favourite” differ from everything else that you’ve done this year?

Joe Alwyn: Everything was different with “The Favourite”. “The Favourite” is different. Yorgos is just such an interesting, singular, unique director. He has such a different vision from anyone else making films I think. That alone kind of set it apart. It was the script that I actually read a while ago, I think in 2015. It’s just very refreshing and unlike anything I read particularly in terms of period films. It had this kind of irreverent twist to it, almost modern and I knew that he was attached to it when I read it. I could see it in his very skewed mind. I just wanted to be a part of it.

Eileen Shapiro: How do you think Britain will react to it?

Joe Alwyn: I don’t know. I mean I’m British. I think they will just enjoy it. I don’t think people will be too caught up in how it portrays the Royal family. I kind of hope they will enjoy it as a different, weird, special kind of film. I don’t know how people who love the royal family will take it, but we will find out very soon.

Eileen Shapiro: Did you research your role?

Joe Alwyn: I started to and then Yorgos was like, “what are you doing”. We had a two week rehearsal. And I think people turned up expecting to talk in the rehearsal about the period, the history and the characters. But he didn’t want to do that at all. He was very clear about that. He clearly wasn’t trying to capture a moment in time perfectly. He wasn’t making a documentary. He just wanted to explore these kind of crazy characters and crazy relationships. So instead of looking at the usual things you might look at as an actor, the character and the etiquette of the time and the intentions, he constructed a series of exercises over the two weeks that meant we got to know each other very well and completely humiliate ourselves in front of each other. So that when we were shooting we were willing to just jump in and give it a go and not look silly in front of each other. So it was more about that than studying.

Eileen Shapiro: Can you talk about the scene where you were fighting with Emma?

Joe Alwyn: It was a lot of fun. Was the kind of thing that we thought we would try to rehearse for and try to kind of plot and block in a room a few weeks before. But then when you turn up in a forest with trees there is only so much you can do in a room. Yorgos had sent us some clips from other films. An old Greek film with a chase scene in it on the beach and the two people on the beach were just realistically chasing each other. They were diving after each other and being as scrappy as possible. I think he just wanted us to do that so we did. We definitely got some bruises, but it was fun.

Eileen Shapiro: Can you expand on those humiliating activities during rehearsal?

Joe Alwyn: They were unconventional. We would be switching parts, so I would be reading Abigail for example, and Olivia would read Nick’s part and we would be changing roles and we would be reading it almost like a play. Having us doing that he would have all these exercises of us dancing or doing these weird physical activities like linking our bodies together, with music on. Just like this strange construct to not make ourselves not get caught up in what we were doing. They sort of physically and literally brought us closer together so that we didn’t have any issues about anything on the set. I don’t think people knew why we were doing it or what he was going for. Maybe we still don’t.

Eileen Shapiro: Obviously Yorgos has a brilliant but demented mind when it comes to filming. How familiar were you with his work?

Joe Alwyn: I was pretty familiar. I’ve seen all of his films and I really, really loved them. I was interested about this as well because I guess it’s the first film of his which is based on a true story, and it’s a period film. In his other projects he constructed kind of these strange realities for the stories, so I wondered how it would translate in a real setting. With that said the script was so different but there still seems plenty of room for him to still have his hallmark stamp on it. Once we got into it, the film seems very clear and it’s still very much fits within his world, even though it’s a departure to a degree.

Eileen Shapiro: Was there a favorite part of the movie for you?

Joe Alwyn: It’s always interesting seeing bits that you’re not in. It’s that you’re not in, that you read or see in a rehearsal of, it’s always interesting to see how they turn out. There were moments I loved. Seeing Olivia descend into her state of madness like when she was crying through the halls and holding the baby. That whole side of it, the tragic side of it, with the miscarriages, to actually see it and realize it through her performance and through the way that he told the story, I liked those moments.

Eileen Shapiro: Were you familiar with this time in history before the film?

Joe Alwyn: No, not me.

Eileen Shapiro: You’ve been working on stuff for two years, how did they all happen to come together now?

Joe Alwyn: There were four films. I did them all last year. “The Favourite” was the first, then there was “Mary Queen of Scots”, and then “Boy Erased” and “Operation Finale” I did together. I just feel fortunate to be in films that people feel excited to be seeing. It’s nice that people are looking forward to see them especially with “The Favourite” film because everyone’s enjoying seeing it. I hope and I think so. To be a part of that it’s just great. I mean those kind of scripts don’t come around very often. Especially for someone so early in their career, the opportunity to work with someone like Yorgos who is unlike anyone else, to work with and a cast like that, so I’m just very fortunate.

Eileen Shapiro: What did you enjoy most about his directing?

Joe Alwyn: I like the fact that he didn’t let us get too caught up in the academic side of trying to approach acting. He was liberating in the sense that he does not give much direction and so once you give yourself over to that you hopefully don’t get too stuck in your mind what to do and you just go with it. I thought that was great.

Eileen Shapiro: What are you looking forward to in terms of when general audiences experience this especially for the first time watchers of this director?

Joe Alwyn: I do think that it’s maybe more accessible in a way then some of his past films. I think that his other films are brilliant and are accessible in a different way. But I think in “The Favourite” you can latch onto the characters. There is maybe more emotion to hold onto. I just think it’s a really different, unique film. I think it’s funny, and also dark, and a little violent, and sexy, and weird. It’s just something that people aren’t used to seeing, I hope.

Eileen Shapiro: Did you walk away from this experience with anything that you’re going to hold onto for life?

Joe Alwyn: Yeah, the whole experience. I’m sure many things. Every time you make something especially when you’re working with someone for a long period of time you enter this little bubble, this little world with these people and it feels like a really special one.

Eileen Shapiro: You are all over the place, did you ever expect that your career was going to blow up like this?

Joe Alwyn: I didn’t really have any pre-conceptions of what would happen. I felt spoiled. My first job was unbelievable and I would jump to work with someone like that in any size part, in anything. So I felt lucky for that to have happened. Going forward I just wanted to try and find filmmakers who knew what they wanted to make and had a really clear vision of what they wanted to make, and that interested and excited me like Yorgos. In the beginning you were just building your career and I wanted to be in interesting projects. If there was a huge job that really came around, I would take it, but with these four projects, really exciting projects don’t come around often. I just wanted to be a part of those kind of things.

Eileen Shapiro: Was Emma fun to work with?

Joe Alwyn: Oh yeah, so fun. She’s not only ridiculously talented but such a down to earth, generous, funny person.

Eileen Shapiro: Your rise to fame has been so quick. How do you react when people come up to you, is it weird to you or are you assimilating?

Joe Alwyn: It doesn’t happen that often. It’s not something I really think about. I don’t feel any different as a person. I don’t feel like any sizable shift. The thing that feels different is people saying, “how do you feel”. It’s what people kind of project onto it, that’s the thing that changed rather than me changing I feel.

Eileen Shapiro: What do you look forward to in the future, because you’re working with so many different directors now, are you getting the directing bug in you at all?

Joe Alwyn: Not at the moment. It’s really interesting seeing how people work differently. Maybe some time down the line I’d like to try it but at the moment my acting is the most important.

Eileen Shapiro: You’ve done two films regarding royalty. This one and “Mary Queen of Scots”, how do you feel about the subject?

Joe Alwyn: People are just fascinated by it I guess. It’s kind of an unreachable, mysterious family and life. So there were so many stories in it that are real and also fictitious. People sort of have an unexhaustible interest in the Royal family. But “The Favourite” and “Mary Queen of Scots” could not be more further apart, as far as stories about the Royal family and the way they are told. I didn’t feel like I was just doing the same thing again.


Joe foi recentemente entrevistado por Eileen Shapiro em Nova York, onde ele discutiu suas experiências fazendo The Favourite e trabalhando com o diretor Yorgos Lanthimos. Leia a entrevista completa:

 

Eileen Shapiro: Como “The Favourite” se diferenciou dos outros projetos que você fez este ano?

Joe Alwyn: Tudo foi diferente com “The Favorite”. “A favorita” é incomum. Yorgos é um diretor tão interessante, singular e único. Ele tem uma visão muito diferente de qualquer outra pessoa que faça filmes, eu acho. Isso meio que o separou. Foi um roteiro que eu li há algum tempo, acho que em 2015. É muito refrescante e destinto de tudo que eu li particularmente em termos de filmes de época. Ele tinha esse tipo de reviravolta irreverente, quase moderno e eu sabia que ele estava ligado a ele enquanto eu o lia. Eu podia ver isso em sua mente muito distorcida. Eu só queria fazer parte disso.

Eileen Shapiro: Como você acha que a Grã-Bretanha vai reagir a isso?

Joe Alwyn: Eu não sei. Quer dizer, eu sou britânico. Eu acho que eles só vão se divertir. Eu não acho que as pessoas ficarão muito preocupadas em retratar a família real. Eu meio que espero que eles gostem como um filme estranho e especial. Não sei como as pessoas que amam a família real aceitarão, mas descobriremos em breve.

Eileen Shapiro: Você pesquisou seu papel?

Joe Alwyn: Eu comecei e depois o Yorgos falou “o que você está fazendo”. Nós tivemos um ensaio de duas semanas. E eu acho que as pessoas apareceram esperando falar sobre a época, a história e os personagens no ensaio. Mas ele não queria fazer isso. Ele foi muito claro sobre isso. Ele claramente não estava tentando capturar um momento no tempo perfeitamente. Ele não estava fazendo um documentário. Ele só queria explorar esses personagens e relacionamentos malucos. Então, ao invés de olhar para as coisas usuais que você pode ver como ator, o personagem e a etiqueta usada na época e suas intenções, ele construiu uma série de exercícios durante as duas semanas, o que significa que nos conhecemos muito bem e nos humilhamos completamente um na frente do outro. Então, quando estávamos filmando, estávamos dispostos a simplesmente entrar e dar uma chance e não parecermos tolos na frente um do outro. Então foi mais sobre isso do que estudar.

Eileen Shapiro: Você pode falar sobre a cena em que você estava lutando com Emma?

Joe Alwyn: Foi muito divertido. Era o tipo de coisa que nós pensamos que nós tentaríamos ensaiar e tentar planejar e bloquear em uma sala algumas semanas antes. Mas quando você aparece em uma floresta com árvores, há muito o que você pode fazer em um espaço. Yorgos nos enviou alguns clipes de outros filmes. Um velho filme grego com uma cena de perseguição na praia e as duas pessoas na praia estavam apenas realisticamente se perseguindo. Eles estavam mergulhando um no outro e sendo tão desconfortáveis quanto possível. Eu acho que ele só queria que fizéssemos isso, então nós fizemos. Nós definitivamente tivemos algumas contusões, mas foi divertido.

Eileen Shapiro: Você pode explicar quais eram essas atividades humilhantes durante o ensaio?

Joe Alwyn: Elas não eram convencionais. Nós estaríamos trocando textos, então eu estaria lendo a fala de Abigail por exemplo, e Olivia leria a parte de Nick, mudando de papéis e lendo quase como uma peça. Fazendo isso, ele teria todos esses exercícios de nós dançando ou fazendo essas atividades físicas estranhas, como ligar nossos corpos juntos, com música. Assim como esta estranha construção para não nos deixarmos levar pelo que estávamos fazendo. Eles meio que fisicamente e literalmente nos aproximaram, então não tivemos nenhum problema sobre qualquer coisa no set. Eu acho que as pessoas não sabiam por que estávamos fazendo aquilo ou pelo que ele estava indo. Talvez ainda não o façamos.

Eileen Shapiro: Obviamente Yorgos tem uma mente brilhante, mas louca, quando se trata de filmar. Quão familiar você estava com o trabalho dele?

Joe Alwyn: Eu era bem familiar. Eu vi todos os seus filmes e eu realmente os amei de verdade. Eu também me interessei por isso, porque acho que é o primeiro filme dele que é baseado em uma história real, e é um filme de época. Em seus outros projetos, ele construiu essas estranhas realidades para as histórias, então me perguntei como isso se traduziria em um cenário real. Com isso dito, o roteiro era tão diferente, mas ainda parecia haver muito espaço para que ele pudesse ter sua marca. Uma vez dentro, o filme parece muito claro e ainda se encaixa muito dentro do mundo dele.

Eileen Shapiro: Houve uma parte favorita do filme para você?

Joe Alwyn: É sempre interessante ver coisas em que você não está. É quando você não está, que você lê ou vê em um ensaio, é sempre interessante ver como eles se saem. Houve momentos que amei. Ver Olivia chegar em seu estado de loucura como quando ela estava chorando pelos corredores e segurando o bebê. Aquele lado todo dela, o lado trágico disso, com os abortos espontâneos, para realmente vê-la e percebe-la através da sua performance e através da forma como ela contou a história, eu gostei daqueles momentos.

Eileen Shapiro: Você estava familiarizado com esse momento da história antes do filme?

Joe Alwyn: Não, eu não.

Eileen Shapiro: Você tem trabalhado em coisas por dois anos, como tudo aconteceu?

Joe Alwyn: Foram quatro filmes. Eu fiz todos eles no ano passado. “The Favourite” foi o primeiro, depois houve “Mary Queen of Scots”, e em seguida “Boy Erased” e “Operation Finale” que fiz ao mesmo tempo. Eu me sinto sortudo por estar em filmes que as pessoas se sentem animadas em ver. É bom que as pessoas estejam ansiosas para vê-los, especialmente com o filme “A favorita”, porque todos estão gostando. Eu espero e acho que sim. E fazer parte disso, é ótimo. Quero dizer, esse tipo de roteiro não aparece com muita frequência. Especialmente para alguém tão novo em sua carreira, a oportunidade de trabalhar com alguém como Yorgos que é diferente de qualquer outra pessoa, e um elenco como esse, então eu sou muito sortudo.

Eileen Shapiro: O que você mais gostou da direção dele?

Joe Alwyn: Eu gosto do fato de que ele não nos deixou ficar muito presos no lado acadêmico de tentar abordar a atuação. Ele foi libertador, no sentido de que ele não dá muita direção e assim, uma vez que você se entrega a isso, você não ficará preso em sua mente e o que fazer e você apenas seguirá com isso. Eu achei isso ótimo.

Eileen Shapiro: No que você está ansioso, em termos de quando o público em geral experimentar isso especialmente pela primeira vez que os espectadores desse diretor?

Joe Alwyn: Eu acho que talvez seja mais acessível do que alguns dos seus filmes anteriores. Eu acho que seus outros trabalhos são brilhantes e acessíveis de uma maneira diferente. Mas eu acho que em “The Favourite” você pode se prender aos personagens. Talvez haja mais emoção para segurar. Acho que é um filme realmente diferente e único. Eu acho engraçado, e também escuro, um pouco violento, sexy e estranho. É algo que as pessoas não estão acostumadas a ver, espero.

Eileen Shapiro: Você passou por essa experiência com alguma coisa que você vai levar para a vida?

Joe Alwyn: Sim, toda a experiência. Tenho certeza de muitas coisas. Toda vez que você faz algo especialmente quando está trabalhando com alguém por um longo tempo, você entra nessa pequena bolha, nesse pequeno mundo com essas pessoas e parece realmente especial.

Eileen Shapiro: Você está em todo lugar, você esperava que sua carreira fosse explodir assim?

Joe Alwyn: Eu não tinha ideia do que aconteceria. Eu me sinto mimado. Meu primeiro trabalho foi inacreditável e eu pularia para trabalhar com alguém assim em um papel de qualquer tamanho, em qualquer coisa. Então eu me sinto sortudo por isso ter acontecido. Indo adiante, eu só queria tentar encontrar cineastas que soubessem o que eles queriam fazer e tivessem uma visão clara do que eles queriam fazer, que me interessasse e me animasse como o Yorgos. No começo eu estava apenas construindo minha carreira e eu queria estar em projetos interessantes. Se houvesse um trabalho enorme que realmente acontecesse, eu aceitaria, mas como esses quatro projetos, projetos muito interessantes não acontecem com frequência. Eu só queria fazer parte desse tipo de coisa.

Eileen Shapiro: Foi divertido trabalhar com Emma?

Joe Alwyn: Oh sim, muito divertido. Ela não é apenas ridiculamente talentosa, mas uma pessoa tão generosa e engraçada.

Eileen Shapiro: Sua ascensão à fama foi tão rápida. Como você reage quando as pessoas vêm até você, é estranho para você ou você está assimilando?

Joe Alwyn: Isso não acontece com frequência. Não é algo que eu penso realmente. Não me sinto diferente como pessoa. Eu não me sinto tendo uma mudança considerável. O que parece diferente é que as pessoas dizem “como você se sente”. É o que as pessoas projetam sobre isso, isso é o que mudou em vez de eu mudar, eu acho.

Eileen Shapiro: O que você espera do futuro, porque você está trabalhando com tantos diretores diferentes agora, você está recebendo o bug de direção em você?

Joe Alwyn: Não no momento. É interessante ver como as pessoas trabalham de maneira diferente. Talvez, daqui algum tempo, eu gostaria de tentar, mas no momento atuar é mais importante.

Eileen Shapiro: Você fez dois filmes sobre realeza. Este e “Mary Queen of Scots”, como você se sente sobre o assunto?

Joe Alwyn: As pessoas são apenas fascinadas por isso, eu acho. É uma espécie de família e vida inacessíveis e misteriosas. Então, tem tantas histórias que são reais e também fictícias. As pessoas têm um interesse inesgotável na família real. Mas “The Favourite” e “Mary Queen of Scots” não poderiam estar mais distantes, tanto quanto as histórias sobre a família real e a maneira como são contadas. Eu não senti como se estivesse fazendo a mesma coisa novamente.

Joe recently gave an interview with Jackal Magazine, for their Winter 2018 Issue, where he discusses The Favourite, social media, and life when he isn’t working. Read the full interview below:

On screen, Joe Alwyn has been Ben Kingsley’s son, Margot Robbie’s trusted ally and, in New Year Oscar-bait The Favourite as Emma Stone’s husband. In real life, he’s balancing a high profile love interest and tabloid scrutiny with playing football and going to the pub.

Joe Alwyn is smiling. But it’s not the megawatt Hollywood smile you might expect from someone who’s been gracing red carpets and appearing in breathless gossip columns lately. Walking into the hip North London coffee shop where we meet, he wears something more like a nervous grin, along with dark jeans and a charcoal grey hoodie. Despite his movie-star bone structure, he manages to blend into the everyday bustle of the cafe.

If Alwyn’s name doesn’t ring a bell yet, it will soon. The 27-year-old London-born actor is in the middle of an impressive run of form. He’s Sir Ben Kingsley’s son in Operation Finale, a Netflix dramatisation of the capture of Nazi war criminal Adolf Eichmann. In January, he’ll be in a brace of punchy period dramas; first as Emma Stone’s husband in The Favourite, a darkly funny tale of rivalry in Queen Anne’s 18th-century court, with Olivia Colman as the neurotic monarch. Directed by Yorgos Lanthimos, whose previous offbeat successes include The Lobster(with Rachel Weisz and Colin Ferrall), it’s already being tipped for award-season success. That’s followed up by a role that sees Alwyn sandwiched between Margot Robbie and Saoirse Ronan as nobleman Robert Dudley, in Mary Queen of Scots.

To fans of Taylor Swift, however, he is already a familiar figure. Just a couple days before we meet, headlines about Alwyn’s two-year relationship with the singer were splashed across the internet after he spoke publicly about it for the first time. In reality, all he did was explain that they’ve been a private couple and are staying private for the foreseeable. “I think it’s more interesting to talk about work,” he says, quite reasonably, when I raise the subject. It’s a line I recognize from other interviews he’s given in the past. But he does elaborate, sipping his coffee, with the air of a man who has gone over the same ground at least as often as he’d care to. “A personal life is by definition personal. It’s not for anyone else, and when it gets handed over to other people, like tabloid journalists who have no idea who you are or what your life is like, things get distorted.”

What’s been distorted? He doesn’t say exactly, but it is true that one tabloid newspaper claimed earlier this year that Swift was house-hunting in North London to find a pied-à-terre in Alwyn’s neighborhood. A few days later, an ‘insider’ from Swift’s camp debunked the story, which prompted yet another round of reaction, gossip, and speculation.

Throughout our interview, Alwyn is warm and friendly, but if he also comes across as a little guarded, perhaps this is the reason why. One of the things he finds strange about interviews, he says, “is the idea that you’re going to be cemented in a narrative having only just met someone for the first time. Not often, but occasionally, I’ve sat down with journalists who seem to already know what they want to write, and who come with a series of questions like options on the menu they want to tick off.” He adds that he finds those interviews “reductive,“ but is quick to say that it’s not the case this time: present company excepted.

Talking about work is more fertile ground. The Favourite is “a completely unconventional period film,” he says. “It’s twisted and dark and bawdy. We all turned up to rehearsals with our history books, expecting to have discussions about our characters, and the period, but it was like going back to drama school. Yorgos [Lanthimos, the director] had us playing games, changing parts and rolling around on the floor. By the end of two weeks we had no problem looking like idiots in front of each other – and when we got on set we were fine jumping into each scene and going for it. He was ingenious.”

In the past, Alwyn has referred to himself as “introverted,” but today he explains that he believes most people’s personalities defy such simple descriptions. “Yes, perhaps I’m more introverted than extroverted. But I think everyone changes around different people.” Work is an important part of his life, though, “it’s not all consuming. There’s no sky-diving or anything, but in my free time I do what I’ve always done – spend time with mates, play football, and go to the pub. I do what most people do.”

Like most people, he’s also on social media, but tries not to think too much about his growing public profile. “It’s a tool to talk about projects I’m proud of – it’s not about showing people what my favourite coffee is. I’m focused on what I’ve always wanted to do. I just want to work with good filmmakers on interesting stories. I don’t want to get caught up in something that might not feel ‘real’.”

For actors, the question of how much of that real self should be revealed to the movie-going public is tricky. Not enough and you might struggle to build the kind of profile that lands the juiciest roles; too much and you run the risk of obscuring the characters you play on screen. In the past, actors in Alwyn’s position have come unstuck.

As our allocated 45 minutes draw to a close, Alwyn says he has to go. True to form, he doesn’t say where but as we stand and shake hands, he leans in a little. Earnest and direct, he offers some parting words: “I want to be known for my work, and I want to be seen as human.” And, really, who could argue with that?


Na tela, Joe Alwyn tem sido o filho de Ben Kingsley, o aliado de confiança de Margot Robbie e marido de Emma Stone no Oscar-Bait ‘The Favourite’. Na vida real, ele está equilibrando o interesse amoroso e o escrutínio dos tabloides com jogar futebol e ir ao pub.

Joe Alwyn está sorrindo. Mas não é o megawatt sorriso de Hollywood que você esperaria de alguém que está enfeitando tapetes vermelhos e aparecendo em colunas de fofocas ultimamente. Entrando na cafeteria do norte de Londres, onde nos encontramos, ele usa algo mais como um sorriso nervoso, junto com jeans escuros e um capuz cinza-carvão. Apesar da estrutura óssea de estrela de cinema, ele consegue se misturar à agitação cotidiana do café.

Se o nome de Alwyn ainda não é conhecido, será em breve. O ator de 27 anos, nascido em Londres, está no meio de uma corrida impressionante. Ele é filho de Sir Ben Kingsley em Operação Final, um drama da Netflix sobre a captura do criminoso de guerra nazista Adolf Eichmann. Em janeiro, ele estará em vários dramas de época de grande impacto; primeiro como marido de Emma Stone em The Favourite, um conto sombrio de rivalidade na corte da Rainha Anne, com Olivia Colman como a monarca neurótica. Dirigido por Yorgos Lanthimos, cujos sucessos anteriores incluem The Lobster (com Rachel Weisz e Colin Ferrall), que já está sendo cotado para o sucesso das premiações. Isso é seguido por um papel onde Alwyn é imprensado entre Margot Robbie e Saoirse Ronan como o nobre Robert Dudley, em Mary Queen of Scots.

Para os fãs de Taylor Swift, no entanto, ele já é uma figura familiar. Apenas alguns dias antes de nos encontrarmos, as manchetes sobre o relacionamento de dois anos de Alwyn com a cantora foram divulgadas pela internet depois que ele falou publicamente sobre isso pela primeira vez. Na realidade, tudo o que ele fez foi explicar que eles foram um casal particular e estão ficando privados pelo previsível. “Eu acho mais interessante falar sobre o trabalho“, ele diz, muito razoavelmente, quando eu comento o assunto. É uma linha que reconheço de outras entrevistas que ele deu no passado. Mas ele elabora, tomando seu café, com o ar de um homem que passou pelo mesmo chão pelo menos com a frequência que gostaria. “Uma vida pessoal é por definição pessoal. Não é para mais ninguém, e quando é entregue a outras pessoas, como jornalistas de tabloides que não têm ideia de quem você é ou como é sua vida, as coisas ficam distorcidas.”

O que foi distorcido? Ele não diz exatamente, mas é verdade que um jornal sensacionalista afirmou no início do ano que Swift estava procurando casas no norte de Londres para encontrar um pied-à-terre no bairro de Alwyn. Poucos dias depois, um “insider” da equipe de Swift desmascarou a história, o que levou a mais uma rodada de reações, fofocas e especulações.

Ao longo de nossa entrevista, Alwyn é caloroso e amigável, mas se ele também parecer um pouco cauteloso, talvez seja essa a razão. Uma das coisas que ele acha estranho sobre as entrevistas, ele diz, “é a ideia de que você vai ser cimentado em uma narrativa, tendo acabado de conhecer alguém pela primeira vez. Não frequentemente, mas ocasionalmente, eu me sentei com jornalistas que parecem já saber o que eles querem escrever, e que vêm com uma série de perguntas como opções no cardápio que eles querem assinalar.” Ele acrescenta que acha aquelas entrevistas “redutoras”, mas é rápido em dizer que não é o caso desta vez: exceção da empresa atual.

Falar de trabalho é um terreno mais fértil. A favorita é “um filme de época completamente não convencional“, diz ele. “É distorcido, escuro e obsceno. Todos nós comparecemos aos ensaios com nossos livros de história, esperando ter discussões sobre nossos personagens e a época, mas foi como voltar à escola de teatro. Yorgos [Lanthimos, o diretor] nos fez brincar, trocando peças e rolando pelo chão. Ao final de duas semanas, não tivemos nenhum problema em parecer idiotas na frente um do outro – e quando chegamos no set estávamos bem pulando em cada cena e indo em frente. Ele era engenhoso.”

No passado, Alwyn se referiu a si mesmo como “introvertido”, mas hoje ele explica que acredita que a maioria das personalidades das pessoas desafia tais descrições simples. “Sim, talvez eu seja mais introvertido do que extrovertido. Mas eu acho que todo mundo muda em torno de pessoas diferentes. “O trabalho é uma parte importante de sua vida, no entanto, não é tudo que o consome. Não há paraquedismo nem nada, mas no meu tempo livre eu faço o que sempre fiz – passo tempo com os amigos, jogo futebol e vou ao pub. Eu faço o que a maioria das pessoas fazem.

Como a maioria das pessoas, ele também está nas redes sociais, mas tenta não pensar muito sobre seu crescente perfil público. “É uma ferramenta para falar sobre projetos dos quais tenho orgulho – não é pra mostrar às pessoas qual é o meu café favorito.” Estou focado no que sempre quis fazer. Eu só quero trabalhar com bons cineastas em histórias interessantes. Eu não quero me envolver em algo que pode não parecer “real”.

Para os atores, a questão do quanto desse “eu” verdadeiro deve ser revelado ao público que vai ao cinema é complicado. Não é o suficiente e você pode lutar para construir o tipo de perfil que pega os papéis mais suculentos; e você corre o risco de obscurecer os personagens que você interpreta na tela. No passado, os atores na posição de Alwyn se desataram.

Quando os nossos 45 minutos chegam ao fim, Alwyn diz que tem que ir. Fiel à forma, ele não diz onde mas quando estamos de pé e apertamos as mãos, ele se inclina um pouco. Sincero e direto, ele oferece algumas palavras de despedida: “Eu quero ser conhecido pelo meu trabalho, e quero ser visto como humano.” E, realmente, quem poderia argumentar com isso?

JACKAL MAGAZINE

Joe has given an interview to Vogue US to talk about his upcoming projects, check it out:

When Joe Alwyn was nine, he became obsessed with the swashbuckling Antonio Banderas movie, The Mask of Zorro and began “scratching little zeds” into the furniture of his London home. His parents – documentarian father; psychotherapist mother — sent him to the local community center for fencing lessons, where he caught the eye of a casting director and ended up auditioning to play Liam Neeson’s stepson in Love Actually. “I didn’t know anything about anyone,” the actor, now 27, remembers. The part went to someone else, but a seed—an interest in “the process, the idea of playing”—was planted.

It bore fruit when Alwyn was 23 and was plucked from London’s Royal Central School of Speech & Drama in his third year to play the title role in Ang Lee’s 2016 Iraq War film Billy Lynn’s Long Halftime Walk. “Pick wisely and don’t feel like you have to be always be working” was Lee’s parting advice. The actor took it to heart. Since his debut, Alwyn has charted a wisely humble course, opting for supporting but memorable parts in prestigious projects. (Among his costars: Sir Ben Kingsley, Oscar Isaac, Olivia Colman, Rachel Weisz, Russell Crowe, Nicole Kidman, Emma Stone.) “It’s definitely a conscious decision,” he says. “I don’t want to jump into something big for the sake of it. It’s far more interesting to work with great filmmakers.”

This winter he plays one “decent, loyal” guy—a consort to Margot Robbie’s Queen Elizabeth I in Mary Queen of Scots—while in other recent work, he plays a trio of problematic ones. First, in Chris Weitz’s post-Holocaust heist movie, Operation Finale, Alwyn is the anti-Semitic son of Nazi war criminal Adolf Eichmann (Kingsley). Next, in Joel Edgerton’s Boy Erased, about gay-conversion therapy, he’s a villainous Christian college student. And finally, in Yorgos Lanthimos’s rollicking dark comedy The Favourite, he’s a debauched aristocrat in the eighteenth-century court of Queen Anne (Colman). Alwyn’s character is a pawn of Stone’s scheming for the queen’s favor, but in the process he gets some of the film’s most absurdly funny interludes: a hilarious anachronistic waltz with Weisz, a flirtatious brawl with Stone, a very, very unsexy sex scene. (Working with Lanthimos was “ridiculous fun. There was never any discussion about social etiquette, history, character, intention. For two weeks’ rehearsal, we just rolled around on the floor playing games.”)

In person, Alwyn is angelically handsome—like a Pre-Raphaelite knight—but boyish and wholesome-seeming, from his normcore outfit (shorts, Champion T-shirt, gray running shoes) to his drink order (peppermint tea) and his unfailingly polite manner (he asks as many questions as he answers). Until recently, he lived with his parents and fifteen-year-old brother in North London. At home, he hangs out with the half-dozen friends he’s had since was a kid playing footie in the streets of Tufnell Park and climbing trees in nearby Hampstead Heath. In between parts, he tries to keep his freelancer’s anxiety at bay by imposing structure on sometimes aimless days: exercise in the morning; an hour reading (he’s been on an A.M. Homes kick: “So funny, but also hits you in the gut”); a walk or a gallery visit; a trip to the pub with a buddy. “I don’t feel like I’ve changed,” he reflects.

But one thing in his life has undeniably changed: For more than a year, Alwyn has been in a tightly guarded relationship with Taylor Swift, and this can mean straddling worlds. When I first lay eyes on him, during a post-screening Q&A for Operation Finale at Manhattan’s 92nd Street Y, it’s clear that the mostly gray-haired crowd regards him as the guy onstage who isn’t Sir Ben Kingsley. But as Swift’s boyfriend, he’s half of an intensely scrutinized celebrity couple. Alwyn visibly tenses when asked about this duality. His relationship is “not for public consumption,” he insists. “I like being in a screening where 99 percent of the people have no idea,” he says about the oblivious 92nd Street Y crowd. “Show them who you are through what you do.”

Tradução

Quando Joe Alwyn tinha nove anos, ele ficou obcecado com o filme de Antonio Banderas, A Máscara do Zorro, e começou a “riscar pequenos zs” nos móveis de sua casa em Londres. Seus pais – um documentarista; e sua mãe psicoterapeuta – o enviaram para o centro comunitário local para aulas de esgrima, onde ele chamou a atenção de um diretor de elenco e acabou fazendo um teste para interpretar o enteado de Liam Neeson em Love Actually. “Eu não sabia nada sobre ninguém”, lembra o ator, agora com 27 anos. O papel foi para outra pessoa, mas uma semente – um interesse pelo “processo, a ideia de brincar” – foi plantada.

E deu frutos quando Alwyn tinha 23 anos e foi arrancado da Royal Central School of Speech & Drama, de Londres, em seu terceiro ano, para interpretar o protagonista na Billy Lynn’s Long Halftime Walk, de 2016, sobre a guerra no Iraque, do diretor Ang Lee. “Escolha com sabedoria e não sinta que precisa estar sempre trabalhando” foi o conselho de despedida de Lee. O ator levou isso ao coração. Desde sua estréia, Alwyn fez um curso sensato e modesto, optando por papeis de apoio, mas memoráveis, em projetos de prestígio. (Entre seus colegas: Sir Ben Kingsley, Oscar Isaac, Olivia Colman, Rachel Weisz, Russell Crowe, Nicole Kidman e Emma Stone.) “É definitivamente uma decisão consciente”, diz ele. “Eu não quero pular em algo grande por causa disso. É muito mais interessante trabalhar com grandes cineastas.”

Neste inverno, ele interpreta um cara “decente e leal” – um consorte para a rainha Elizabeth I, Margot Robbie, em Mary Queen of Scots – enquanto, em outros trabalhos recentes, ele interpreta um trio de pessoas problemáticas. Em primeiro lugar, no filme pós-Holocausto de Chris Weitz, Operação Final, Alwyn é o filho anti-semita do criminoso de guerra nazista Adolf Eichmann (Kingsley). Em seguida, em Boy Erased, de Joel Edgerton, sobre a terapia de conversão gay, ele é um estudante universitário cristão e vilão. E finalmente, na divertida comédia de humor negro de Yorgos Lanthimos, The Favorite, ele é um aristocrata debochado na corte do século XVIII da rainha Anne (Colman). O personagem de Alwyn é um peão no plano de Stone para ser a favorita da rainha, mas no processo ele recebe alguns dos interlúdios mais absurdamente engraçados do filme: uma hilária valsa anacrônica com Weisz, uma briga de flertes com Stone, uma cena de sexo muito despretensiosa. (Trabalhar com Lanthimos foi “ridícularmente divertido. Nunca houve qualquer discussão sobre etiqueta social, história, caráter, intenção. Durante duas semanas de ensaio, nós apenas rolamos no chão jogando jogos.”)

Pessoalmente, Alwyn é angelicamente bonito – como um cavaleiro pré-rafaelita -, mas de aparência infantil e saudável, de sua roupa normal (shorts, camisa champion, tênis cinza) à sua bebida (chá de hortelã) e sua infalível educação (ele faz tantas perguntas quanto ele responde). Até recentemente, ele morava com os pais e um irmão de quinze anos no norte de Londres. Em casa, ele sai com meia dúzia de amigos que ele tem desde que era criança, jogando futebol nas ruas de Tufnell Park e subindo em árvores na vizinha Hampstead Heath. Entre partes, ele tenta manter a ansiedade de seu freelancer á distância, impondo estrutura em dias às vezes sem objetivo: exercício pela manhã; uma hora de leitura (ele está lendo  A.M. Homes kick: “Tão engraçado, mas também atinge você no intestino”); uma caminhada ou uma visita à galeria; uma viagem ao pub com um amigo. “Eu não sinto que mudei”, reflete ele.

Mas uma coisa em sua vida mudou inegavelmente: por mais de um ano, Alwyn esteve em um relacionamento bem discreto com Taylor Swift, e isso pode significar mundos desmesurados. Quando eu coloquei os olhos nele pela primeira vez, durante uma sessão de perguntas e respostas pós-projeção para a Operação Finale na 92nd Street Y de Manhattan, fica claro que a maioria das pessoas grisalhas o considera o cara no palco que não é Sir Ben Kingsley. Mas como namorado da Swift, ele é metade de um casal de celebridades intensamente examinado. Alwyn visivelmente fica tenso sobre essa dualidade. Seu relacionamento “não é para consumo público”, ele insiste. “Eu gosto de estar em uma exibição em que 99% das pessoas não têm ideia”, ele diz sobre a multidão alheia à 92nd Street Y. “Mostre a eles quem você é através do que você faz.”

NOVEMBER | VOGUE US

Joe has a new interview with L’Uomo Vogue in their November 2018 issue, where he discusses The Favourite, Boy Erased, and how his life has been since Billy Lynn’s Long Halftime Walk. Read everything he discussed with the magazine below:

How would you describe working with Ang Lee?
It was definitely surreal, overwhelming and strange at times. I’d never been to America, I’d never been in front of a camera and these were people I grew up watching, so there was definitely a surreal element to it. With him being at the helm I couldn’t have felt safer: he’s such an incredible, special and kind person. I really owe him everything.

One minute you were in school, the next you’re a lead in a Hollywood movie. How did your classmates react?
Everyone, including my schoolmates was really proud and happy — even I didn’t really compute what was going on. Which in some ways was good, because I didn’t have time to get nervous. I was thrown in so hard and fast that it didn’t really have time to sink in.

What’s like been like since then?
I don’t feel any different as a person really — it hasn’t changed who I am. Every job is still a surreal experience and a learning curve. When you’re auditioning for the things you really want, it’s rare to find something that really suits you or that you really love. I give it everything I can when I’m auditioning for those roles.

Your upcoming movie, The Favourite, was directed by Palme d’Or winning director Yorgos Lanthimos. What was it like working with him? And your co-star Nicholas Hoult?
I’d met [Nicholas] a couple times before actually, and he’s great. He’s so much fun, a lovely person, and he’s so funny in the film. Yorgos is not the same as Ang but he’s a visionary too. He has such a singular, unique, individual mind — his films are so special and unusual, so to get to work of one of those was incredible. I play a guy called colonel Samuel Masham — he’s relatively high status in the court of Queen Anne, and there’s this young servant character who is looking to climb the ranks. She spots him and they lust after each other: particularly him towards her, and she quickly cottons on to the fact that she can climb the ranks if she were to marry or become romantically involved with him. Every scene between them is a cat and mouse power play.

I can imagine working on a Yorgos set is pretty surreal…
It’s not as crazy as you’d think it would be. Although we had a two-week rehearsal period and that was the crazy bit. We ended up just rolling around on the floor and plays lots of different games, and then when he turned up to set — which is a very clam, controlled set — very little is said in terms of direction. And again, there’s no talk of character or motivation. He builds such a descriptive set with the lighting and costume, it’s already don’t for you. He’ll just say “louder” or “quieter” or “faster” or “slower” — he’s very minimal in that way.

Boy Erased is also due to come out later this year. The film follows the son of a Baptist preacher who is forced to partake in church-supported gay conversion programmes. A lot of your roles have an element of social commentary — is this intentional?
The script was such a shocking and moving story, especially in light of what’s going on today. The heart of the film explored gay conversion therapy which is especially disturbing during a time when we have an American vice-president who has spoken on the record about leading gay conversion therapy — so it seems like an appropriate time to look at how mad and terrifying those places are. When reading something, I know pretty quickly if I like something or not. By and large, the things I’ve wanted to be involved in I’ve fought for.

Tradução

Joe estrelou uma das cinco capas da edição de Novembro da L’Uomo Vogue, onde ele fala sobre The Favourite, Boy Erased e como sua vida mudou desde Billy Lynn’s Long Halftime Walk. Leia abaixo tudo o que ele falou com a revista:

Como você descreveria trabalhar com Ang Lee?
Foi definitivamente surreal, avassalador e estranho às vezes. Eu nunca estive na América, eu nunca tinha estado na frente de uma câmera e essas eram pessoas que eu cresci assistindo, então definitivamente havia um elemento surreal nisso. Com ele no comando, eu não poderia ter me sentido mais seguro: ele é uma pessoa tão incrível, especial e gentil. Eu realmente devo tudo a ele.

Em um minuto você estava na escola, no outro você é o protagonista de um filme de Hollywood. Como seus colegas de classe reagiram?
Todos, inclusive meus colegas de escola, estavam muito orgulhosos e felizes – até eu não calculava o que estava acontecendo. O que de certa forma foi bom, porque eu não tive tempo para ficar nervoso. Eu fui jogado com tanta força e rapidez que não tive tempo de afundar.

Como tem sido desde então?
Eu não me sinto diferente como pessoa realmente – isso não mudou quem eu sou. Todo trabalho ainda é uma experiência surreal e uma curva de aprendizado. Quando você está fazendo testes para as coisas que realmente quer, é raro encontrar algo que combina com você ou que você ama. Eu dou tudo o que posso quando estou fazendo audições para esses papéis.

Seu próximo filme, The Favorite, foi dirigido pelo diretor vencedor da Palme d’Or, Yorgos Lanthimos. como era trabalhar com ele? E sua co-estrela Nicholas Hoult?
Eu conheci o Nicholas algumas vezes antes, e ele é ótimo. Ele é muito divertido, uma pessoa adorável, e ele é muito engraçado no filme. Yorgos não é igual ao Ang, mas ele é um visionário também. Ele tem uma mente individual tão singular e única – seus filmes são tão especiais e incomuns, então começar a trabalhar em um deles foi incrível. Eu interpreto um cara chamado Samuel Masham – ele tem um status relativamente alto na corte da Rainha Anne, e há esse jovem criada que quer aumentar sua posição social. Ela o vê e eles cobiçam um ao outro: particularmente ele em relação a ela, e ela rapidamente percebe que ela pode subir de posição se ela se casar ou se envolver romanticamente com ele. Cada cena entre eles é um jogo de poder de gato e rato.

Eu imagino que trabalhar em um set com Yorgos é bem surreal…
Não é tão louco como você acha que seria. Embora tivéssemos um período de ensaio de duas semanas e essa era a parte louca. Nós acabamos rolando no chão e jogamos muitos jogos diferentes, e então quando ele chegava ao set, que era um set controlado – muito pouco era dito em termos de direção. E novamente, não há conversa de caráter ou motivação. Ele constrói um conjunto tão descritivo com a iluminação e o figurino, que já não é para você. Ele diz apenas “mais alto” ou “mais silencioso” ou “mais rápido” ou “mais lento” – ele é muito minucioso nesse sentido.

Boy Erased também deve sair ainda este ano. O filme segue o filho de um pastor batista que é forçado a participar de programas de conversão gay apoiados pela igreja. Muitos dos seus papéis têm um elemento de crítica social – isso é intencional?
O roteiro foi uma história tão chocante e comovente, especialmente com o que está acontecendo hoje. O coração do filme explorou a terapia de conversão gay que é especialmente perturbadora durante um tempo em que temos um vice-presidente americano falando sobre o registro da principal terapia de conversão gay. – Então, parece um momento apropriado para ver como esses lugares são loucos e aterrorizantes. Ao ler algo, eu sei rapidamente se eu gosto de algo ou não. De um modo geral, as coisas nas quais eu queria estar envolvido, eu lutei para estar.

NOVEMBER | L’UOMO VOGUE

L’UOMO VOGUE

Joe Alwyn could be forgiven for having a glide in his stride. It is, after all, a good time to be him. The 27-year-old British actor, who was the breakout lead in Ang Lee’s 2016 satire, Billy Lynn’s Long Halftime Walk, and who later starred alongside Charlotte Rampling in Ritesh Batra’s The Sense of an Ending, kicked off the summer by winning the Chopard Trophy for emerging talent at the Cannes Film Festival, a nod previously awarded to the likes of Marion Cotillard and Gael García Bernal. But when Alwyn arrives for our interview in a restaurant in Manhattan’s TriBeCa, his gait is more furtive lurk than leading-man swagger. His understated outfit of a cobalt crewneck sweater, blue jeans, and black Puma sneakers also appears calibrated to not impose his presence on the room.
Try as he might, it’s soon going to be hard for Alwyn to go unnoticed, and not just because he is recognizable to tabloid readers as a costar in the ongoing drama that is his girlfriend Taylor Swift’s life—there they are on vacation in Turks and Caicos!…out on the town in London! There is also the matter of his acting chops, which are on full display in four new movies sure to propel him away from the ranks of best supporting boyfriend.

The London-born actor plays the son of the Nazi war criminal Adolf Eichmann in Operation Finale, directed by Chris Weitz, alongside Mélanie Laurent and Oscar Isaac. He also portrays the love interest of Emma Stone’s character in The Favourite, a riotous period film by Yorgos Lanthimos, also starring Olivia ­Colman and Rachel Weisz. He appears, all valorous and lovestruck, alongside Saoirse Ronan and Margot Robbie in Mary Queen of Scots, the first feature film directed by Josie Rourke, the formidable English theater director. And, despite his relatively short time onscreen, he practically steals Boy Erased, the Joel Edgerton–directed drama starring Nicole Kidman, Russell Crowe, and Lucas Hedges, about a pastor’s son forced to undergo gay-conversion therapy.

“It’s really up to him to choose what kind of actor he wants to be,” Edgerton says, “because he has it all. He has a short chapter in our story, but he completes a very interesting arc, from affable, friendly, and almost benign to self-absorbed and diabolical. He reminds me a bit of Brad Pitt, in that he could easily play sweet romantic leads, but he actively seeks roles with a darker quality.” Ang Lee, who cast Alwyn in Billy Lynn’s Long Halftime Walk despite the reservations of executives, who wanted a bigger name, echoes that view. “I’m surprised he hasn’t become a star yet,” Lee says. “He can carry a movie on his shoulders—he has the height, the looks, obviously, the voice, the ability with accents; he is versatile.”

I share the hosannas with Alwyn, and he responds with a “Who, me?” expression. “What can I say?” he asks, in his trademark deep voice that belies his youthful appearance. “I’m very fortunate to have been exposed from the beginning to learning from actors and directors at the top of their game. It’s pretty unusual.”
It’s certainly a contrast to what he paints as an unremarkable middle-class upbringing in north London. The son of a documentary filmmaker father, whose work often took him to gritty, far-flung locations for months at a time, and a psychotherapist mother, Alwyn says he doesn’t remember ever being particularly interested in acting as a kid. “But I guess I did drama early on, because my mom recently discovered some incriminating evidence in the cellar—a home movie of me in a production of Bugsy Malone when I was 6. I definitely wasn’t playing Bugsy. I’m just staring at my brother, trying to stick close to him, and at one point I just trip and fall over in a sea of people.”

In addition to the video debriefings of his father’s excursions to Uganda, South Sudan, and Russia (“All the holiday hot spots,” Alwyn jokes), he recalls watching a lot of old movies and going on frequent trips to the theater with his mother. One such outing, when he was about 13, to see Ben Whishaw starring in a production of Hamlet at the Old Vic, definitely piqued his interest. “I remember being so impressed with how great he was. It’s ridiculous to think that I fully got Hamlet at that age, but I always felt like theater was something I could do without necessarily telling people about it. I was quite open about my love for film without saying that I wanted to be an actor.”
After majoring in English literature and drama at the University of Bristol, he studied acting at the Royal Central School of Speech and Drama, and graduated in 2015. Like most acting schools, the training was largely limited to the stage, with work in front of the camera confined to only one week. “It was basically me and a bunch of mates choosing a scene from a well-known show and then filming ourselves and sending it round to agents, hoping that they would pick us up,” he says. “I did a scene from Orange Is the New Black, but I had never seen the series, so I had no context whatsoever. We all did British accents, too, but somehow it worked.”

Before long, he was being flown to New York to meet with Lee, who was late in the process of casting the lead for Billy Lynn’s Long Halftime Walk, his movie based on Ben Fountain’s novel about an Iraq War veteran who, on his return home, is trotted out for a “victory tour” that includes a halftime performance at the Super Bowl by Destiny’s Child. Despite Alwyn’s instinctive ease in front of the camera and its profound appreciation of him (“The camera sees everything with him—his innermost thoughts, right down to the temperature of his blood,” Lee gushes), the novice had plenty of questions for the cast and crew.
His costar and friend Garrett Hedlund, who was out drinking with Alwyn the night before we meet, recalls the two-week boot camp that Lee put them through as a bonding exercise. “We stayed in barracks,” Hedlund explains, “and he was constantly grilling me about my career and the choices I had made. It was very sweet. He listens and wants to learn, and is as dedicated as can be—though now that he has a multitude of great films coming out, I don’t think he is going to be asking me too many more questions.”

Alwyn is not so sure. “In this business, if you stop asking questions, you’re cheating yourself,” he offers, as sage as a seasoned veteran. He’s also clearly adept at answering personal questions, disclosing everything and revealing nothing at the same time. When we’re close to wrapping up our interview, Alwyn checks the time, revealing an elegant, small-faced Patek Philippe watch that’s been concealed under his left sleeve. A present to himself or from someone special, I can’t help but ask, hoping against hope that he will share that it was from Swift. “It was a present,” he says with a wicked grin. Then he’s off, with the quiet assuredness of someone who’s right on time for his appointment with fame.

Tradução

Joe Alwyn poderia ser perdoado por ter um deslize no seu ritmo. Afinal, é um bom momento para ser ele. O ator britânico de 27 anos, que liderou a sátira de Ang Lee em 2016, Billy Lynn’s Long Halftime Walk, e que mais tarde estrelou ao lado de Charlotte Rampling em The Sense of an Ending, de Ritesh Batra, começou o verão vencendo o Troféu Chopard, para talentos em ascensão no Festival de Cinema de Cannes, uma homenagem anteriormente concedida a nomes como Marion Cotillard e Gael García Bernal. Mas quando Alwyn chega para a nossa entrevista em um restaurante em TriBeCa, Manhattan, sua postura é mais furtiva do que de um arrogante galã. Sua roupa discreta, um suéter de gola alta de cobalto, jeans e tênis Puma pretos também parece adequado para não impor sua presença na sala.

Por mais que tente, logo será difícil para Alwyn passar despercebido, e não apenas porque ele é reconhecível pelos leitores de tabloides como um co-star no drama em curso que é a vida de sua namorada Taylor Swift – lá estão eles de férias em Turks e Caicos! … na cidade de Londres! Há também a questão de suas habilidades de atuação, que estão em plena exibição em quatro novos filmes, com certeza para afastá-lo da posição de melhor namorado.

O ator londrino interpreta o filho do criminoso de guerra, o nazista Adolf Eichmann em Operação Final, dirigido por Chris Weitz, ao lado de Mélanie Laurent e Oscar Isaac. Ele também retrata o par romântico da personagem de Emma Stone em The Favourite, um filme empolgante de Yorgos Lanthimos, também estrelado por Olivia Colman e Rachel Weisz. Ele aparece, todos valente e apaixonado, ao lado de Saoirse Ronan e Margot Robbie em Mary Queen of Scots, o primeiro longa-metragem dirigido por Josie Rourke, a formidável diretora inglesa de teatro. E, apesar de seu relativamente pouco tempo de tela, ele praticamente rouba Boy Erased, o drama dirigido por Joel Edgerton, estrelado por Nicole Kidman, Russell Crowe e Lucas Hedges, sobre o filho de um pastor, forçado a se submeter à terapia de conversão gay.

“Cabe a ele escolher o tipo de ator que ele quer ser”, diz Edgerton, “porque ele tem tudo. Ele tem uma parte curta em nossa história, mas ele completa um arco muito interessante, de afável, amigável e quase benigno a egoísta e diabólico. Ele me lembra um pouco Brad Pitt, por que ele poderia facilmente fazer doces protagonistas românticos, mas ele ativamente procura papéis com características mais obscuras. ”
Ang Lee, que lançou Alwyn em Billy Lynn’s Long Halftime Walk, apesar das reservas dos executivos, que queriam um nome mais conhecido, ecoa essa visão. “Estou surpreso que ele ainda não tenha se tornado uma estrela”, diz Lee. “Ele pode carregar um filme em seus ombros – ele tem a altura, a aparência, obviamente, a voz, a habilidade com sotaques; ele é versátil ”.

Compartilho as palavras com Alwyn e ele responde com uma expressão de “quem, eu?”. “O que eu posso dizer?”, Ele pergunta, em sua voz marcante e profunda que desmente sua aparência jovem. “Estou muito feliz por ter sido exposto desde o início ao aprendizado com atores e diretores que estão no topo do jogo. É bem incomum.
É certamente um contraste com o que ele pinta como uma criação de classe média nada notável no norte de Londres. Filho de um pai documentarista, cujo trabalho muitas vezes o leva a lugares exuberantes por meses a fio, e uma mãe psicoterapeuta, Alwyn diz que não se lembra de ter se interessado por atuação quando criança. “Mas eu acho que fiz drama desde o início, porque minha mãe recentemente descobriu algumas evidências incriminatórias no porão – um filme caseiro meu em uma produção de Bugsy Malone quando eu tinha 6 anos. Eu definitivamente não estava tocando Bugsy. Eu só estou olhando para o meu irmão, tentando ficar perto dele, e em um ponto eu apenas tropeço e caio em um mar de pessoas.”

Além dos depoimentos em vídeo das excursões de seu pai a Uganda, Sudão do Sul e Rússia (“Todos locais de férias”, Alwyn brinca), ele se lembra de ter assistido a muitos filmes antigos e de frequentar o teatro com sua mãe. Um desses passeios, quando ele tinha cerca de 13 anos, ao ver Ben Whishaw estrelando uma produção de Hamlet no Old Vic, definitivamente despertou seu interesse. “Eu me lembro de estar tão impressionado com o quão bom ele era. É ridículo pensar que consegui assistir Hamlet nessa idade, mas sempre achei que o teatro era algo que eu poderia fazer sem necessariamente contar às pessoas sobre isso. Eu era bastante aberto sobre o meu amor pelo cinema sem dizer que queria ser ator ”.
Depois de se formar em Literatura Inglesa e Drama na Universidade de Bristol, ele estudou atuação na Royal Central School of Speech and Drama, e se formou em 2015. Como a maioria das escolas de atuação, o treinamento foi em grande parte limitado ao palco, com trabalho em frente a câmera, por apenas uma semana. “Era basicamente eu e um monte de colegas escolhendo uma cena de um programa bem conhecido e depois filmando a nós mesmos e mandando para os agentes, esperando que eles nos pegassem”, ele diz. “Eu fiz uma cena do Orange Is the New Black, mas nunca tinha visto a série, então não tive nenhum contexto. Todos nós também fizemos sotaques britânicos, mas de alguma forma funcionou ”.

Em pouco tempo, ele estava sendo levado para Nova York para se encontrar com Lee, que estava atrasado no processo de escalar o protagonista para Billy Lynn’s Long Halftime Walk, seu filme baseado no romance de Ben Fountain sobre um veterano da Guerra do Iraque, que retornou para casa, e é exibido em uma “turnê da vitória” que inclui uma performance no intervalo do Super Bowl com Destiny’s Child. Apesar da facilidade instintiva de Alwyn em frente à câmera e seu profundo apreço por ele (“A câmera vê tudo com ele – seus pensamentos mais íntimos, até a temperatura de seu sangue”, diz Lee), o novato tinha muitas perguntas para o elenco e equipe.
Seu colega e amigo Garrett Hedlund, que estava bebendo com Alwyn na noite anterior à nossa reunião, recorda o acampamento de duas semanas que Lee montou para eles fazerem um exercício de união. “Ficamos no quartel”, explica Hedlund, “e ele estava constantemente me perguntando sobre minha carreira e as escolhas que eu fiz. Foi muito fofo. Ele ouve e quer aprender, e é tão dedicado quanto pode ser – embora agora que ele tenha uma infinidade de ótimos filmes saindo, eu não acho que ele vai me fazer muitas perguntas mais.”

Alwyn não tem tanta certeza. “Neste negócio, se você parar de fazer perguntas, você está se enganando”, ele diz, tão sábio quanto um veterano experiente. Ele também é claramente perito em responder perguntas pessoais, revelando tudo e não revelando nada ao mesmo tempo. Quando estamos perto de encerrar nossa entrevista, Alwyn verifica a hora, revelando um elegante relógio Patek Philippe de pequena face que foi escondido sob sua manga esquerda. Um presente para si mesmo ou de alguém especial, não posso deixar de perguntar, esperando que ele compartilhe que foi da Swift. “Foi um presente”, diz ele com um sorriso malicioso. Então ele está fora, com a segurança tranquila de alguém que está na hora certa para o seu encontro com a fama.

Fonte | Tradução e Adaptação – Joe Alwyn Online

With The Favorite and Boy Erased premiering soon, Joe has been giving several interviews to talk about his current and future projects; this time he talked with British GQ. Check out the full interview in English and Portuguese below:

Joe Alwyn’s dream scenario was that just maybe after drama school he’d land a small theatre role at the Young Vic, or at best The Old Vic. Yet before he finished the course, and only a few weeks after getting an agent, he got the chance to audition for the lead role in Ang Lee’s latest film, Billy Lynn’s Long Halftime Walk, about a heroic US marine reliving past trauma in Iraq. His co-stars were Kristen Stewart, Vin Diesel and Steve Martin. Before his audition tape was seen, he got a call: Lee would instead like to meet him in New York. It was the first time Alwyn had even been to America. “I literally left school and they put me on a plane.”

He wore every possible layer of clothing – partly due to the cold (it was snowing) and partly to bulk up his skinny frame to look more like a marine. It didn’t quite work: at the end of the audition they asked to see him in just his T-shirt. “You know, I was, like, skinny, long-haired, British…”

Yet two nights in the States turned into ten days. He flew to Atlanta to audition on set – the first he’d ever set foot on – and spent his 24th birthday there. They got him a cake, then Lee gave him the part. “It was… definitely unusual.”

Perhaps just as ridiculous, for the now 27-year-old, is that since Billy Lynn in 2016, Alwyn has appeared in five major films, four of which are out in the next few months. Oh, and did we mention he’s the current Mr Taylor Swift?

Not long after Billy Lynn and his role alongside Jim Broadbent and Emily Mortimer in The Sense Of An Ending, he landed The Favourite, a costume drama from the surrealist director of The Lobster, in which he says lines such as, “I should have you stripped and whipped!” to Emma Stone (Stone: “I’m waiting”). Then he plays Queen Elizabeth I’s lover in Mary Queen Of Scots – the Queen is played by Margot Robbie – written by the creator of Netflix’s House Of Cards. Next is Boy Erased with Nicole Kidman and Russell Crowe playing a couple who send their son to gay conversion therapy (“Something I didn’t know a lot about and you have Mike Pence believing those insane, crazy places”) and in which Alwyn plays the son’s friend. Then Operation Finale, as the son of Sir Ben Kingsley’s Adolf Eichmann, the Nazi who masterminded the Holocaust.

All of which isn’t bad for someone whose sole acting experience before Billy Lynn was, as a child, auditioning for the part of Liam Neeson’s son in Love Actually (“I remember reading some scenes with Hugh Grant and Richard Curtis”).

Working with Kingsley, he says, was a particularly interesting experience, in that he didn’t speak to him.

“I’ve never been on set with someone who didn’t make contact with anyone else and just wanted to stay in their own mental headspace and in their own zone. It was interesting to watch… and also slightly intimidating. But it suited the film. Eichmann’s son loves him but is fearful of him, so it played into that.”

Google Alwyn’s name and you’ll fall into a Taylor Swift-shaped internet vortex, with fan theories rivalling the complexity of Roswell and QAnon picking the relationship apart. The most accepted theories floating around in the Swiftverse being: they first met at the 2016 Met Gala (fans think the track “Dress”, referring to “your buzzed cut” hair, is about his solider-short trim at the time); Emma Stone later set them up; that last year’s “Ready For It” video refers to their years of birth (the “89” and “91” spray-painted on a wall at the start); and that from her “Delicate” video earlier this year, she spells out “Joe” via dancing.

So, for the sake of internet fansites, some fresh meat: his favourite TV show (“The Bridge, but not all-time favourite”); film (“On The Waterfront… or Boogie Nights. I like Paul Thomas Anderson a lot”); and music (“I like rap music. Lykke Li I like a lot”). At school he was sporty – tennis, athletics, football, rugby – loving the latter until he ripped his shoulder muscles (“They never recovered”). He used to support Chelsea, but “I don’t care much about football any more. I’ve gone off it.”

Most telling is his choice of actor – he loves Mark Rylance and Marlon Brando, but his favourite is Ben Whishaw, who, at 37, is only ten years his senior.

“I think it’s tied to the fact I saw him on stage when he was just out of Rada,” he says. “I remember seeing him be Hamlet – I was 14 and thought, ‘I want to do that…’”

Talking of his much-noted private life, he says, “Someone’s private life is, by definition, private. No one is obliged to share their personal life”, which, of course, is fair enough.

But what, I ask, of the dual Instagram shots – on both his and Swift’s accounts of the same desert cactus at the same time? Wasn’t that sending a message?

“No. I didn’t even think of that until I was in New York and someone else mentioned it.” So it wasn’t on purpose? “No, no! It wasn’t purposeful at all!”

The Swift-centered gossip sites will tell you Alwyn still lives at home, with his parents in Tufnell Park, North London. This, he says, is no longer the case (“I mean, I still go there”). But when I ask if this means he has his own place, he demurs, simply saying his parents’ house is “not his base”. Swift, according to reports, has rented a house in the area. Does he still live in North London? “I mean, obviously I’m not going to say exactly where, but yeah.”

The attention has led, naturally, to tabloid scrutiny, with a former classmate describing Alwyn to the Daily Mail as “a quintessential panty-dropper”. What did he think when he read that?

He smiles wanly. “All I will say is that he called me after that, apologising, not realised he’d been tricked by the tabloids.”

Before I depart, I ask a final question. Favourite Swift song?

He laughs. “I’m just not even going to go into that side of the world.” That night, they’ll be snapped hand in hand on a date – fair to say, he already is.

Tradução

Com The Favourite e Boy Erased próximos da estreia, Joe tem concedido diversas entrevistas para falar sobre seus projetos atuais e futuros, desta vez ele falou sobre isso com a British GQ. Confira a entrevista completa:

O cenário dos sonhos para Joe Alwyn era que talvez depois da escola de teatro ele tivesse um pequeno papel no teatro no Young Vic, ou na melhor das hipóteses, no The Old Vic. No entanto, antes de terminar o curso, e apenas algumas semanas depois de conseguir um agente, ele teve a chance de fazer um teste para o papel principal no filme mais recente de Ang Lee, Billy Lynn’s Long Halftime Walk. Seus colegas eram Kristen Stewart, Vin Diesel e Steve Martin. Antes de sua fita de audição ser vista, ele recebeu uma ligação: Lee preferia encontrá-lo em Nova York. Foi a primeira vez que Alwyn esteve nos Estados Unidos. “Eu literalmente saí da escola e eles me colocaram em um avião.”

Ele usava todas as camadas possíveis de roupas – em parte devido ao frio (estava nevando) e em parte para aumentar o tamanho de sua estrutura para parecer mais um fuzileiro naval. Não funcionou bem: no final da audição, eles pediram para vê-lo apenas em sua camiseta. “Você sabe, eu era, tipo, magro, de cabelos compridos, britânico …”

No entanto, duas noites nos Estados Unidos se transformaram em dez dias. Ele voou para Atlanta para fazer um teste no set – o primeiro em que ele pusera os pés – e passou seu aniversário de 24 anos lá. Eles lhe deram um bolo, então Lee deu a ele o papel. “Foi … definitivamente incomum.”

Talvez tão ridículo, para os atuais 27 anos, seja que desde Billy Lynn em 2016, Alwyn apareceu em cinco grandes filmes, dos quais quatro serão lançados nos próximos meses.

Não muito depois de ‘Billy Lynn’ e seu papel ao lado de Jim Broadbent e Emily Mortimer em ‘O Sentido de Um Final’, ele conseguiu The Favorite, um drama de fantasia do diretor surrealista de The Lobster, no qual ele diz frases como: “Eu deveria te despir e te chicotear! ”para Emma Stone (Stone:“ Estou à espera ”). Em seguida, ele interpreta o amante da Rainha Elizabeth I em Mary Queen Of Scots – a Rainha é interpretada por Margot Robbie – escrita pelo criador do House Of Cards da Netflix. Em seguida Boy Erased com Nicole Kidman e Russell Crowe interpretando um casal que envia seu filho para terapia de conversão gay (“Algo sobre o qual eu não sabia muito e você tem Mike Pence acreditando nesses lugares insanos e loucos”) e em que Alwyn interpreta o amigo do filho. Depois, Operação Final, como o filho de Adolf Eichmann, interpretado por Sir Ben Kingsley, o nazista que planejou o Holocausto.

Tudo isso não é ruim para alguém cuja única experiência de atuação antes de Billy Lynn era, quando criança, fazer um teste para o filho de Liam Neeson em Love Actually (“Eu me lembro de ler algumas cenas com Hugh Grant e Richard Curtis”).

Trabalhar com Kingsley, diz ele, foi uma experiência particularmente interessante, pois ele não falou com ele.

“Eu nunca estive no set com alguém que não fez contato com mais ninguém e só queria ficar em seu próprio espaço mental e em sua própria zona. Foi interessante assistir… e também um pouco intimidante. Mas convinha ao filme. O filho de Eichmann o ama, mas tem medo dele. ”

digite o nome de Alwyn no google e você vai cair em um vórtice da internet em forma de Taylor Swift, com teorias de fãs rivalizando com a complexidade de Roswell e QAnon escolhendo relacionamentos à parte.

Então, para os fansites da internet, um pouco de carne fresca: seu programa de TV favorito (“The Bridge, mas não o favorito de todos os tempos”); filme (“On The Waterfront … ou Boogie Nights. Eu gosto muito de Paul Thomas Anderson”); e música (“eu gosto de música rap. Lykke Li eu gosto muito”). Na escola, ele era esportivo – tênis, atletismo, futebol, rugby – amava o último até rasgar os músculos do ombro (“Eles nunca se recuperaram”). Ele costumava apoiar o Chelsea, mas “eu não me importo muito com futebol. Eu saí disso.

O mais revelador é a escolha de atores – ele ama Mark Rylance e Marlon Brando, mas seu favorito é Ben Whishaw, que aos 37 anos é apenas dez anos mais velho que ele.

“Eu acho que está ligado ao fato de eu tê-lo visto no palco quando ele acabou de sair de Rada”, diz ele. “Eu me lembro de vê-lo ser Hamlet – eu tinha 14 anos e pensei: ‘Eu quero fazer isso …'”

Falando de sua vida privada muito conhecida, ele diz: “A vida privada de alguém é, por definição, privada. Ninguém é obrigado a compartilhar sua vida pessoal ”, o que, claro, é justo.

Mas o que, eu pergunto, das fotos duplas do Instagram – nas contas dele e Swift do mesmo cacto do deserto ao mesmo tempo? Isso não estava enviando uma mensagem?

“Não. Eu nem sequer pensei nisso até estar em Nova York e outra pessoa mencionar isso. ”Então não foi de propósito? “Não não! Não foi proposital de jeito nenhum! ”

Os sites de fofocas dirão que Alwyn ainda mora em casa, com os pais em Tufnell Park, no norte de Londres. Isso, ele diz, não é mais o caso (“quero dizer, eu ainda vou lá”). Mas quando eu pergunto se isso significa que ele tem seu próprio lugar, ele adia, dizendo simplesmente que a casa de seus pais “não é seu lar”. Ele ainda mora no norte de Londres? “Quero dizer, obviamente eu não vou dizer exatamente onde, mas sim.”

A atenção levou, naturalmente, ao escrutínio dos tabloides, com um ex-colega de classe descrevendo Alwyn para o Daily Mail como “uma meia-calça por excelência”. O que ele achou quando leu isso?

Ele sorri discretamente. “Tudo o que eu vou dizer é que ele me ligou depois disso, se desculpando, sem perceber que ele tinha sido enganado pelos tabloides.”

Antes de partir, faço uma pergunta final. Canção Favorita da Swift?

Ele ri. “Eu não vou mesmo entrar nesse lado do mundo.” Naquela noite, eles serão vistos de mãos dadas em um data especial- justo dizer, ele já está.

Fonte | Tradução e Adaptação – Equipe Joe Alwyn Online




Search

Site Status

Name: Joe Alwyn Online
Site url: joealwyn.online
Webmiss: Luara & Tracy
Contact: joealwynonline@gmail.com
Host: Flaunt

Our Tumblr
Twitter
Disclaimer

Joe Alwyn Online is a non-profit fansite, made by a fan for fans of Joe. We are in no way affiliated with Joe Alwyn nor any of his family, friends and representative. We do not claim ownership of any photos in the gallery, all images are being used under Fair Copyright Law 107 and belong to their rightful owners. All other content and graphics are copyrighted to joealwyn.online unless otherwise stated. If you would like any media removed please contact us before taking legal action.

Sponsor Ads
Joe Alwyn Online All rights reserved