Sponsor Ads

All posts in Interviews


Prepare to See Joe Alwyn in, Well, Everything

The British actor appeared in four films this year—including Oscar hopefuls The Favourite and Mary, Queen of Scots. And he’s only just getting started.

In 2017, British actor Joe Alwyn shot four films across three continents in less than twelve months, and the resulting projects, all of which hit theatres in the latter half of this year, reveal his impressive range in a series of small but critical roles. First came Operation Finale, about the hunt for Nazi officer Adolf Eichmann (Ben Kingsley), with Alwyn as Eichmann’s son. Then there was Boy Erased, a film about gay-conversion therapy, in which Alwyn, alongside a cast including Nicole Kidman, Russell Crowe, and Lucas Hedges, played a closeted predator. The Favourite soon followed, a riotous period piece with Alwyn, as a besotted courtier, revealing a knack for physical comedy opposite Emma Stone.

this month, the twenty-seven-year-old appears in a very different kind of period film, Mary Queen of Scots (December 7). Directed by Josie Rourke, it tells the true story of two young queens who are cousins and rivals for the English crown, with a fierce and brilliant Saoirse Ronan in the role of Mary and Margot Robbie as a powerful yet vulnerable Elizabeth I. Alwyn plays Robert Dudley, Elizabeth’s right hand. “He isn’t driven by politics and ambition and power in the same way as the other male characters,” says Alwyn. “The others try to circle the women and use them for their own advantage. That’s not to say that my character is incapable of doing that, but he has higher priorities or higher feelings—his love and loyalty to Elizabeth.”

Alwyn’s big break came in a shot-out-of-a-cannon moment when Ang Lee cast him, at age twenty-four and fresh out of school, as the lead in the highly anticipated wartime drama Billy Lynn’s Long Halftime Walk. The film stumbled at the box office, but Alwyn remains grateful: “It’s still the most amazing experience I’ve ever had.” Landing a starring role so soon could’ve turned his head, but the young actor stayed focused on his work and re-grouped by taking a number of smaller parts. “Since that film, I’ve tried to make a conscious effort to find projects where, if there were supporting roles where I could learn and be surrounded by a great cast of actors and filmmakers and crew, then that was what I wanted to do.”

That approach led Alwyn to not only create a diverse resume, but also to work with a diverse group of directors. He’s currently shooting Harriet, about abolitionist Harriet Tubman, directed by Kasi Lemmons (Eve’s Bayou). Throughout, Alwyn has retained an apprentice-like humility. “I still find it’s a strange readjustment when you go back to set,” he says. “To do your work in a way where you don’t feel anxious and completely consumed by anxiety, it takes experience and practice.”

His levelheadedness has also helped him navigate the incessant curiosity about his relationship with superstar Taylor Swift. Asked whether anyone gave him guidance, Alwyn says he kept his own counsel. “I didn’t seek out advice on that. Because I know what I feel about it. I think there’s a very clear line as to what somebody should share, or feel like they have to share, and what they don’t want to and shouldn’t have to.”


Prepare-se para ver Joe Alwyn, bem, em tudo

O ator britânico apareceu em quatro filmes este ano – incluindo os esperançosos para o Oscar, The Favourite e Mary, Queen of Scots. E ele está apenas começando.

Em 2017, o ator britânico Joe Alwyn filmou quatro filmes em três continentes em menos de doze meses, e os projetos resultantes, que chegaram aos cinemas no segundo semestre deste ano, revelam seu impressionante alcance em uma série de papéis pequenos, porém exigentes. Primeiro veio Operação Final, sobre a caçada ao oficial nazista Adolf Eichmann (Ben Kingsley), com Alwyn como filho de Eichmann. Depois, houve Boy Erased, um filme sobre a terapia de conversão gay, no qual Alwyn, ao lado de um elenco que incluía Nicole Kidman, Russell Crowe e Lucas Hedges, interpretou um estuprador. A Favorita veio logo em seguida, um filme de época turbulento com Alwyn, como um cortesão indecente, revelando um talento para comédia contracenando com Emma Stone.

Neste mês, o jovem de 27 anos aparece em um filme de época muito diferente, Mary Queen of Scots (7 de dezembro). Dirigido por Josie Rourke, conta a história real de duas jovens rainhas que são primas e rivais da coroa inglesa, com uma feroz e brilhante Saoirse Ronan no papel de Mary e Margot Robbie como uma poderosa e vulnerável Elizabeth I. Alwyn interpreta Robert Dudley, o braço direito de Elizabeth. “Ele não é movido pela política, ambição e poder da mesma forma que os outros personagens masculinos”, diz Alwyn. “Os outros tentam circular as mulheres e usá-las para sua própria vantagem. Isso não quer dizer que meu personagem é incapaz de fazer isso, mas ele tem prioridades mais altas ou sentimentos mais altos – seu amor e lealdade a Elizabeth.

A grande oportunidade de Alwyn veio em um momento de arremesso de canhão, quando Ang Lee o escalou, aos 24 anos e recém-saído da escola, como o protagonista do muito esperado drama de guerra Billy Lynn’s Long Halftime Walk. O filme fracassou nas bilheterias, mas Alwyn continua agradecido: “Ainda é a experiência mais incrível que já tive.” Conseguir um papel de protagonista tão cedo poderia ter virado sua cabeça, mas o jovem ator permaneceu focado em seu trabalho e conseguiu vários papéis coadjuvantes. “Desde o filme, eu tentei fazer um esforço consciente para encontrar projetos onde, se houvesse papéis de apoio onde eu pudesse aprender e estar cercado por um grande elenco de atores, diretores e equipe, então era isso que eu queria fazer.

Essa abordagem levou a Alwyn a não apenas criar um currículo diversificado, mas também a trabalhar com um grupo diversificado de diretores. Atualmente, ele está filmando Harriet, sobre a abolicionista Harriet Tubman, dirigida por Kasi Lemmons (Eve’s Bayou). Todo o tempo, Alwyn manteve uma humildade de aprendiz. “Eu ainda acho que é uma readaptação estranha quando você volta para o set”, diz ele. “Para fazer o seu trabalho de uma forma que não se sinta completamente consumido pela ansiedade, é preciso experiência e prática”.

ESQUIRE MAGAZINE

Fonte | Tradução e Adaptação – Equipe Joe Alwyn Online

Joe Alwyn was recently featured for a double cover of the Essential Homme Winter 2018 issue! In addition to the two covers, Joe gave an interview to the magazine where he discussed The Favourite, Mary Queen of Scots and Boy Erased. The full interview and a translation can be found below:

It’s one of the first brisk days of the season, and Joe Alwyn is dressed in a casual all-black athleisure ensemble, fit for someone constantly on the go. It’s the perfect, tall, dark, and handsome frame for his icy and striking features, which have landed him an international campaign for Prada. He yields the mighty albeit quiet confidence of a leading man, with a demeanor that can command a room while simultaneously remaining unobtrusive.

Yet Alwyn has been in the spotlight a few years now, letting his work speak for himself in an age where people are more interested in what goes on off-camera. He doesn’t post much on social media. He’s successfully kept his relationship with pop megastar Taylor Swift-who penned a song about him, sweetly titled “Gorgeous”-fairly private. But he’s not necessarily shy or secretive. “I just don’t have a tendency to overshare anything,” he shares. Being in such close and frequent proximity to fame and celebrity culture while choosing not to participate is refreshing and, at this point, almost radical. But audiences are clearly hungry for more of the actor, and with his involvement in four highly anticipated films, they’re going to get it.

The 27-year-old actor was raised in London, where he remains based in between his increasingly busy schedule. He attended the City of London School (which also counts Daniel Radcliffe as an alum) before studying English literature and Drama at the University of Bristol, and eventually earning a degree from the Royal Central School of Speech and Drama, where he was trained primarily in stage. A star student (no pun intended), Alwyn found himself in his first feature film – cast in the title role of 2016’s war drama Billy Lynn’s Long Halftime Walk – two weeks before he even graduated.

Two years later, Alwyn is set to take the world by an even bigger storm. He stars in Operation Finale – a historical film with Oscar Isaac and Ben Kingsley – as the son of a Nazi war criminal. He has a role in the biographical coming-of-age film about a pastor’s son who survives gay conversion therapy Boy Erased, alongside Lucas Hedges, Troye Sivan, and Xavier Dolan.

“I think it’s such an important story to be told and explored,” he says. “It was very eye-opening and relevant, especially here – in America, we have a vice president, Mike Pence, who has spoken on the record about believing in the power of conversion therapy. I think it’s crazy, and when people feel like they can’t be themselves and they grow up in cultures or families that don’t allow them to feel comfortable or able to be who they are, then that’s always a relevant topic.”

Alwyn’s presence in the film is brief but powerful, demonstrating his inclination to pursue dark and more challenging roles that set him apart from his contemporaries, and distance himself from the perils of being typecast as simply a heartthrob.

He also appears in The Favourite and Mary Queen of Scots, two high-brow period pieces. Though, “I’m not seeking out period films,” he clarifies. “I just want to work with interesting, great film directors and filmmakers.”

Directed by Greek auteur Yorgos Lanthimos and co-starring Emma Stone and Rachel Weisz, The Favourite is an uproarious and subversive affair under the guise of a decadent 18th-century drama. Alwyn portrays Stone’s love interest, and while there are a lot of love triangles and twists, his performance keeps the film firmly grounded and everyone is going off the rails.

“Yorgos Lanthimos is a favourite director of mine. I read that script back in 2015, and it was one of my favourite things that I’ve read. It was so refreshing and different, especially in terms of period films. It had a special twist to it that I could only imagine through his slightly skewed mind. Having seen his previous films, I just wanted to be a part of it – it was such a great script with a great cast attached. It was just brilliant.”

The film shines with its rich and complex characters, and motives that shift around in intention and sincerity. “He [Lanthimos] had absolutely no interest in making a film in the sense of it being a documentary or trying to capture a moment in time perfectly,” he says. There’s a tremendous amount of chemistry that permeates through the film, reflected in the cast’s ability to successfully bounce of each other, a result that Lanthimos set to accomplish early in the film’s production.

“He didn’t want to talk about the period or the history – he just wanted us to jump in and have as much fun as possible and be willing to look stupid in front of each other. So for the two-week rehearsal we had, we would switch roles, be rolling around on the floor, singing, dancing; we would be doing all these exercises and almost be performing it as a play, so when we got to shooting, we’d humiliated ourselves so much that we had no reservations about jumping in and doing what he wanted.”

The Josie Rourke-directed Mary Queen of Scots, which also features Saoirse Ronan and Margot Robbie, takes a more serious approach. “We had two weeks’ rehearsal with Josie Rourke, who has a theatre-based background, and there was a table read, talking with a historian in the room, talking about the characters, and the period it’s in. I guess in some sense a more conventional film from what you might expect from that time and that story.” Alwyn stars as Robert Dudley, the favourite of Robbie’s Queen Elizabeth –  there’s a little irony there.

Alwyn frequently expresses gratitude and appreciation for his co-stars and the directors he’s worked with, citing their guidance as invaluable. He remains humble with a drive to excel in his field as a great actor, with a fierce curiosity and fortunate abilities to learn from the best. And while he has a slew of period pieces coming out – he’s also been linked to a biopic about civil rights activist Harriet Tubman out next year – it’s clear that his time is now.


Recentemente Joe estrelou duas capas da revista Essential Homme em sua edição de Inverno. Além das duas capas, Joe concedeu uma entrevista, onde ele discutiu os filmes A favorita, Mary Queen of Scots e Boy Erased. Confira a entrevista completa abaixo:

É um dos primeiros dias animados da temporada, e Joe Alwyn está vestido com uma roupa casual totalmente preta, adequada para alguém em constante movimento. É perfeitamente alto, escuro e bonito para suas características geladas e marcantes, que lhe renderam uma campanha internacional para a Prada. Ele tem a poderosa confiança, embora tranquila, de um lider, com um comportamento que pode comandar uma sala enquanto simultaneamente permanece discreto.

No entanto, Alwyn está no centro das atenções há algum tempo, deixando seu trabalho falar por si mesmo em uma época em que as pessoas estão mais interessadas no que acontece fora da câmera. Ele não publica muito nas redes sociais. Ele manteve com sucesso seu relacionamento com a pop-star Taylor Swift, que escreveu uma música sobre ele, docemente intitulada “Gorgeous” – totalmente privado. Mas ele não é necessariamente tímido ou reservado. “Eu simplesmente não tenho a tendência de compartilhar demais”, ele diz. Estar tão próximo da fama e da cultura das celebridades, enquanto escolhe não participar, é refrescante e, neste ponto, quase radical. Mas o público está claramente com fome por mais do ator, e com o envolvimento dele em quatro filmes muito esperados, eles vão conseguir.

O ator de 27 anos foi criado em Londres, onde ele permanece mesmo com sua agenda cada vez mais ocupada. Ele frequentou a City of London School (que também conta com Daniel Radcliffe como ex aluno) antes de estudar literatura inglesa e teatro na Universidade de Bristol, e acabou se formando na Royal Central School of Speech and Drama, onde foi treinado principalmente em palco. Um estudante estrela (sem trocadilhos), Alwyn se viu em seu primeiro longa-metragem – escalado para o papel principal de Billy Lynn’s Long Halftime Walk, duas semanas antes de se formar.

Dois anos depois, Alwyn está pronto para conquistar o mundo com uma tempestade ainda maior. Ele estrela o filme Operação Final – um filme histórico com Oscar Isaac e Ben Kingsley – como filho de um criminoso de guerra nazista. Ele tem um papel no filme biográfico sobre o filho de um pastor que sobrevive à terapia de conversão gay, Boy Erased, ao lado de Lucas Hedges, Troye Sivan e Xavier Dolan.

“Eu acho que é uma história tão importante para ser contada e explorada”, diz ele. “Foi muito revelador e relevante, especialmente aqui – nos Estados Unidos, temos um vice-presidente, Mike Pence, que falou no registro sobre acreditar no poder da terapia de conversão. Eu acho que é loucura, e quando as pessoas sentem que não podem ser elas mesmas e elas crescem em culturas ou famílias que não permitem que se sintam confortáveis ou capazes de ser quem são, então isso é sempre um tópico relevante. ”

A presença de Alwyn no filme é breve, mas poderosa, demonstrando sua inclinação para buscar papéis sombrios e mais desafiadores que o diferenciam de seus contemporâneos, e se distancia dos perigos de ser rotulado como simplesmente um galã.

Ele também aparece em The Favourite e Mary Queen of Scots, dois filmes de época. No entanto, “eu não estou procurando filmes de época”, ele esclarece. “Eu só quero trabalhar com grandes diretores e cineastas interessantes.”

Dirigido pelo autor grego Yorgos Lanthimos e co-estrelado por Emma Stone e Rachel Weisz, The Favourite é um assunto polêmico e subversivo, sob o disfarce de um drama decadente do século XVIII. Alwyn retrata o interesse amoroso de Stone, e apesar de existirem muitos triângulos e reviravoltas amorosas, sua performance mantém o filme firmemente enraizado e todo mundo está saindo dos trilhos.

“Yorgos Lanthimos é um dos meus diretores favoritos. Eu li esse script em 2015, e foi uma das coisas favoritas que li. Foi tão refrescante e diferente, especialmente em termos de filmes de época. Tinha um toque especial que eu só podia imaginar através de sua mente levemente inclinada. Tendo visto seus filmes anteriores, eu só queria fazer parte disso – era um ótimo roteiro com um grande elenco anexado. Foi simplesmente brilhante.

O filme brilha com seus personagens ricos e complexos e motivos que mudam de intenção e sinceridade. “Ele [Lanthimos] não tinha absolutamente nenhum interesse em fazer um filme no sentido de ser um documentário ou tentar capturar um momento no tempo perfeitamente”, diz ele. Há uma tremenda quantidade de química que permeia o filme, refletida na capacidade do elenco de se destacar, um resultado que lanthimos estabeleceu no início da produção do filme.

“Ele não queria falar sobre o período ou a história – ele só queria que entrássemos e nos divertíssemos o máximo possível e estivéssemos dispostos a parecer estúpidos um na frente do outro. Então, para o ensaio de duas semanas que tivemos, trocaríamos de papéis, estaríamos rolando no chão, cantando, dançando; estaríamos fazendo todos esses exercícios e quase realizando isso como uma peça, então quando começamos a filmar, nós nos humilhamos tanto que não tínhamos reservas em entrar e fazer o que ele queria”.

Mary Queen of Scots dirigido por Josie Rourke, que também conta com Saoirse Ronan e Margot Robbie, tem uma abordagem mais séria. “Nós tivemos um ensaio de duas semanas com Josie Rourke, que tem uma formação baseada em teatro, e houve uma mesa de leitura, conversamos com um historiador na sala, falando sobre os personagens, e o período em que se passa o filme. Eu acho que nesse sentido, foi um filme mais convencional, algo que você esperaria daquele tempo e dessa história. ”Alwyn estrela como Robert Dudley, o favorito da rainha Elizabeth de Robbie – há um pouco de ironia ali.

Alwyn freqüentemente expressa gratidão e apreço por seus colegas de elenco e diretores com os quais ele trabalhou, citando sua orientação como inestimável. Ele continua sendo humilde com um esforço para se destacar em seu meio como um grande ator, com uma curiosidade feroz e oportunidades de aprender com os melhores. E enquanto ele tem uma série de filmes de época saindo – ele também foi ligado a um filme biográfico sobre a ativista de direitos civis Harriet Tubman que estreia no ano que vem – está claro que sua hora é agora.

ESSENTIAL HOMME

 

Fonte | Tradução e Adaptação – Equipe Joe Alwyn Online

Salon talks to the “Billy Lynn” star about his roles in “The Favourite,” “Mary Queen of Scots” and “Boy Erased”

Actor Joe Alywn’s film debut was in the title role of “Billy Lynn’s Long Halftime Walk,” Ang Lee’s groundbreaking feature, which was screened in a 120 frames per second format. It was supposed to catapult the actor to leading man status. However, the film — which is great — fizzled at the box office. While Alwyn showed considerable promise as Billy Lynn, the young Brit since has been cast in supporting roles. Three of these films are now being released for Oscar consideration. (He also appeared in “Operation Finale” earlier this year).

In “Boy Erased,” which is currently in theaters, Alwyn plays Henry, a college student whose friendship with Jared (Lucas Hedges) gets rather intense.

In “The Favourite,” which opens in New York and Los Angeles this weekend (and wider in the coming weeks), Alwyn plays Masham, a handsome young man in Queen Anne’s (Olivia Colman) court who is smitten with Abigail (Emma Stone). However, in this story of court intrigue and power plays, Abigail may be more than Masham can handle.

And in “Mary Queen of Scots,” which is out December 7, Alwyn is Robert Dudley, a young man who loves Queen Elizabeth (Margot Robie). However, she schemes for power by suggesting Dudley marry her rival Mary Stuart (Saoirse Ronan).

Alwyn distinguishes himself in each role as a young man whose passions sometimes get the best of him. He spoke with Salon about his three new films, being positioned as a sex symbol, and his dance moves — but not about his girlfriend, Taylor Swift.

How do you see your characters in “Boy Erased,” “The Favourite,” and “Mary Queen of Scots”? They are driven by romantic desires and passions.

They are all very different characters and with different agendas. Masham, in “The Favourite,” is not the brightest person; he’s a bit of an airhead who lusts after Abigail. He enjoys the chase of it, and she sees him as a way for her to climb ranks. There’s a power play between the two of them, which was fun in Yorgos Lanthimos’s larger than life take on it.

In “Boy Erased,” Henry’s interesting because he is obviously not a good person and does not do good things. The act he commits is horrific and in excusable and unforgivable. But if you zoom out of the character and if you look at the world he lives in, and why he acts the way he does, he’s full of self-loathing. He’s from a religion and culture that doesn’t let him be who he is — that’s where his violent act comes from. I don’t have empathy for him, but the film shows the dangers of why he is the way he is.

Dudley is interesting in “Mary” because in light of the other male characters, he sustains the idea of true romantic love because he acts on loyalty and his love for Elizabeth while the other men in the film act on rules of hierarchy.

Masham in “The Favourite” chases Abigail, and Henry in “Boy Erased” has designs on Jared. In contrast, Robert Dudley in “Mary” is an allegiant puppet to his scheming queen. What observations do you have about how your characters plot and plan or are pawns?

Mahsam sees this young shiny thing [Abigail] and chases her to get her. Henry has a guise of being All-American good guy, but it’s cracked. Masham and Henry are more plotting and more strategic. If what they plan doesn’t work, then, Plan B. Dudley doesn’t have an agenda like other men.

Do you scheme in your career?

I don’t. I just try to work with interesting, great filmmakers and try to build on that. I’m lucky to work with the directors I have so far.

What about romance? Do you scheme romantically?

No, not really.

You are desirable in different ways in all three of these films. What observations do you have about being turned into/positioned as a sex symbol?

[Laughs]. I have never really thought about it. I’ll take that as a compliment.

You have two very different sex scenes in “The Favourite” and “Boy Erased.” One is comic, the other dramatic. It’s best not to describe them. What can you disclose about those scenes, both of which must have had their difficulties?

In “The Favourite,” the scene was funny and we’re trying not to laugh while shooting it. A lot of people were trying to hold it together. “Boy Erased” was heavy. It’s choreographed well. Joel [Edgerton] made Lucas [Hedges] and I feel safe, and not uncomfortable.

“The Favourite” has an absurdist sense of humor, but your other recent roles seem to rely heavily on drama. Are you witty or serious?

[Laughs]. I like doing comedy, and darker things as well.

What can you say about wrestling with Emma Stone? She knees you in the balls, dude!

That scene was a lot of fun, it was physical, and absurd, and over the top. We had bruises and scratches at the end of day.

In contrast, your dance scene in “The Favourite” is hilarious…

Yorgos is pretty obsessed with dance. There’s a dance scene in every one of his films. When I read the script it said, “The characters dance.” None of us had any idea that that scene in the film would come out of it. We worked with an amazing choreographer. And they helped us shape these ridiculous modern moves. Those are my go-to moves now!

Both “The Favourite” and “Mary Queen of Scots” have you in 16th and 18th century costumes. I particularly admired the cape you sported in “Mary.” Do the clothes make the man?

Costume is a huge part of a film and helps get into character. The costumes and wigs help you be in the world you want to be in. Especially for something like “The Favourite.” Standing in heels, with a wig on your head and blush on your face — 50 percent of the work is done for you.

How do you think you would have fared in the 18th century? Do these periods appeal to you or do you crave your creature comforts?

I would enjoy it for only a couple of days.


Salon fala com a estrela de “Billy Lynn” sobre seus papéis em “The Favourite”, “Mary Queen of Scots” e “Boy Erased”

A estreia no cinema para o ator Joe Alywn aconteceu no filme “Billy Lynn’s Long Halftime Walk” de Ang Lee, que foi exibido em um formato de 120 quadros por segundo. Deveria lançar o ator para o status de galã. No entanto, o filme – que é ótimo – fracassou nas bilheterias. Embora Alwyn tenha mostrado ser uma promessa considerável como Billy Lynn, o jovem britânico só foi escalado para papéis de coadjuvante. Três desses filmes estão sendo liberados para consideração do Oscar. (Ele também apareceu em “Operation Finale” no início deste ano).

Em “Boy Erased “, que atualmente está nos cinemas, Alwyn interpreta Henry, um estudante universitário cuja amizade com Jared (Lucas Hedges) fica bastante intensa.

Em “The Favourite”, que estreia em Nova York e Los Angeles neste final de semana (e mais nas próximas semanas), Alwyn interpreta Masham, um jovem bonito na corte da Rainha Anne (Olivia Colman) que está apaixonado por Abigail (Emma Stone). No entanto, nesta história de intrigas da corte e jogos de poder, Abigail pode ser mais do que Masham pode lidar.

E em “Mary Queen of Scots”, que sai em 7 de dezembro, Alwyn é Robert Dudley, um jovem que ama a rainha Elizabeth (Margot Robie). No entanto, ela monta um plano de poder sugerindo que Dudley se case com sua rival Mary Stuart (Saoirse Ronan).

Alwyn se distingue em cada papel como um jovem cujas paixões às vezes tiram o melhor dele. Ele falou com Salon sobre seus três novos filmes, posicionando-se como um símbolo sexual e seus movimentos de dança – mas não sobre sua namorada, Taylor Swift.

Como você vê seus personagens em “Boy Erased”, “The Favourite” e “Mary Queen of Scots”? Eles são movidos por desejo e romance.

Eles são todos personagens muito diferentes. Masham, em “The Favourite”, não é a pessoa mais brilhante; ele é um cabeça-de-vento que cobiça Abigail. Ele gosta da perseguição, e ela o vê como um meio de chegar aonde quer. Há um jogo de poder entre os dois.

Em “Boy Erased”, Henry é interessante porque obviamente não é uma pessoa boa e não faz coisas boas. O ato que ele comete é horrível, inaceitável e imperdoável. Mas se você se afastar do personagem e se você olhar para o mundo em que ele vive, e por que ele age da maneira que ele faz, vai ver que ele está cheio de auto-aversão. Ele é de uma religião e cultura que não o deixa ser quem ele é – é daí que vem seu ato violento. Eu não tenho empatia por ele, mas o filme mostra os perigos do porquê ele é do jeito que é.

Dudley é interessante em “Mary” porque, à luz, diferente dos outros personagens masculinos, ele sustenta a ideia do verdadeiro amor, ele age com lealdade e por amor à Elizabeth, enquanto os outros homens no filme agem pelas regras da hierarquia.

Masham em “The Favourite” persegue Abigail, e Henry em “Boy Erased” tem planos para Jared. Em contraste, Robert Dudley em “Mary” é um fantoche fiel para sua rainha intrigante. Quais observações você tem sobre como seus personagens são estrategistas ou submissos ?

Mahsam vê esta jovem brilhante [Abigail] e persegue-a para pegá-la. Henry tem o pretexto de ser um bom americano, mas está quebrado. Masham e Henry são mais conspiradores e mais estratégicos. Se o que eles planejam não funcionar, então, há o Plano B. Dudley não tem uma estratégia como os outros homens.

Você se organiza em sua carreira?

Não. Eu apenas tento trabalhar com grandes e interessantes cineastas e construir uma carreira com isso. Tenho sorte de trabalhar com os diretores que tenho trabalhado até agora.

E o romance? Você se planeja romanticamente?

Não, na verdade não.

Você é desejável de maneiras diferentes em todos esses três filmes. Que observações você tem sobre ser transformado em / posicionado como um símbolo sexual?

[Risos] Eu nunca realmente pensei sobre isso. Vou aceitar isso como um elogio.

Você tem duas cenas de sexo muito diferentes em “The Favourite” e “Boy Erased”. Uma é cômica, a outra dramática. É melhor não descrevê-las. O que você pode revelar sobre essas cenas, as quais devem ter tido suas dificuldades?

Em “The Favourite”, a cena foi engraçada e estamos tentando não rir enquanto filmamos. Muitas pessoas estavam tentando junto. “Boy Erased” era pesado. É bem coreografado. Joel [Edgerton] fez Lucas [Hedges] e eu nos sentirmos confortáveis.

“The Favourite” tem um senso de humor absurdo, mas seus outros papéis recentes parecem depender muito do drama. Você é espirituoso ou sério?

[Risos] Eu gosto de fazer comédia e de coisas mais sombrias também.

O que você pode dizer sobre lutar com Emma Stone, ela te chuta nas bolas, cara!

Aquela cena foi muito divertida, física, absurda e exagerada. Tínhamos hematomas e arranhões no final do dia.

Em contraste, sua cena de dança em “The Favourite” é hilária…

Yorgos é muito obcecado com a dança. Há uma cena de dança em todos os seus filmes. Quando li o roteiro, dizia: “Os personagens dançam”. Nenhum de nós fazia ideia de que aquela cena do filme sairia dele. Nós trabalhamos com um coreógrafo incrível. E eles nos ajudaram a moldar esses movimentos modernos e ridículos. Esses são meus movimentos agora!

Tanto em “A Favorita” quanto “Mary Queen of Scots” você está vestido em trajes do século 16 e 18. Eu particularmente admiro a capa que você ostenta em “Mary”. As roupas fazem o homem?

Figurino é uma grande parte de um filme e ajuda a entrar no personagem. Os trajes e perucas ajudam você a estar no mundo que você quer estar. Especialmente para algo como “The Favourite”. De salto, com uma peruca na cabeça e blush no rosto – 50 por cento do trabalho é feito por você.

Como você acha que teria se saído no século 18? Será que esses períodos te atraem ou você almeja o conforto da sua criatura?

Eu gostaria de aproveitar por apenas alguns dias.

Fonte | Tradução e Adaptação – Equipe Joe Alwyn Online

Joe Alwyn gave a new interview and talked about The Favorite essays. The actor told details of the exercises that director Yorgos Lanthimos was passing. Check out:

If Joe Alwyn looks familiar, there’s plenty of reason for it. The 27-year-old’s talent has earned attention beyond the celebrity gossip that follows his name due to his relationship with Taylor Swift — this year alone he’s featured in three films circling the awards circuit. In the period drama “Mary Queen of Scots,” Alwyn plays Lord Dudley, lover of Queen Elizabeth I (Margot Robbie). In “Boy Erased,” he is Henry, who plays a pivotal — albeit monstrous — role in Jared’s (Lucas Hedges) journey.

For director Yorgos Lanthimos’ dark comedy “The Favourite,” Alwyn enters an absurdist historical tale set in 18th century England as Samuel Masham, a courtier who lusts after Abigail (Emma Stone), a woman determined to become the royal court favorite by entering into a lesbian love triangle with Lady Sarah (Rachel Weisz) and Queen Anne (Olivia Colman). Through this tangled web the film explores sex, love, loyalty and deceit.

amNew York spoke with Alwyn about the film, which opens Friday.

You’re in multiple films receiving Oscar buzz this year. How does that feel?

It’s great. I’m just excited to be a part of films that people are excited to see. I feel very fortunate to work with the filmmakers that I have this year. They’re all very different projects even though two of them are period films, obviously with “The Favourite” and “Mary Queen of Scots,” they couldn’t be further apart, so to get to work on these films and to play three very different characters was brilliant.

If there’s anyone who knows how to craft a dark comedy, it’s Yorgos. What was it like to work with him?

He was brilliant. Seeing his films before, like “Dogtooth” and “Alps,” I thought he was going to be crazy when I met him, but he’s quite the opposite of that. He’s very contained and quiet and down to earth. As a director, he’s relatively unconventional in that given that this is a period film he didn’t want to talk about the period, or the history, or intentions — any of the more conventional aspects that as an actor you might expect to talk about. It was quite liberating in the sense that he steps back and doesn’t give you conventional direction. Once you give yourself over to that, it’s freeing.

Despite the audience knowing Abigail’s intentions to use the relationship as leverage, Masham has this interesting dance with her. What were your thoughts on their relationship?

I thought it was a funny one to step into. He sees Emma’s character early on as this shiny object that he lusts after, and she in turn recognizes the potential in him to climb rank through his status. It’s this kind of back and forth power play of cat and mouse. I didn’t know the absurdity as to how some of it would be realized when we shot it. It wasn’t until being in the rehearsal room for two weeks that I realized it was being built into something more extreme.

How did you create that whole relationship with Emma?

It was fun. It wasn’t something that we spoke about that much. In general with Yorgos, he didn’t want us to speak about the relationships or intellectualize anything. He just wanted us to have fun on set and see what happened. He constructed this two-week rehearsal period where we were reading through the script almost like a play and would switch parts. I would read the Queen, and the Queen would read Masham — everyone would switch around. So the reading was combined with all these wacky exercises that Yorgos put together, which involved a lot of rolling around on the floor and singing and doing all kinds of weird things. I think he just wanted to humiliate us.

Did the elaborate costumes help you get into that world?

Yes, Sandy Powell is obviously a genius and it also makes the job so much easier when you’re stepping into these beautiful costumes, which she designed. The makeup and hair designer, Nadia Stacey, too, with all the wigs and makeup. I was wearing high heels and it was a little tricky to dance in them, but it was fun.

The dance scene is one of those absurd comedic moments that is so uniquely Yorgos.

We worked with a choreographer Constanza Macras. She, Yorgos, and Rachel and I pieced it together through [rehearsal] time. He obviously wanted this contrast of stoic expressions and a rigid format of unconventional ballroom dance, but then the contrast of that was these very modern dance moves.


Joe Alwyn concedeu uma nova entrevista e falou sobre os ensaios de The Favourite. O ator contou detalhes dos exercícios que o diretor Yorgos Lanthimos passava. Confira:

Se Joe Alwyn parece familiar, há muitas razões para isso. O talento de 27 anos de idade ganhou atenção além das fofocas de celebridades que seguem seu nome devido o seu relacionamento com Taylor Swift – só este ano ele participou de três filmes que estão rodeando a temporada de premiações. No drama de época “Mary Queen of Scots”, Alwyn interpreta Lord Dudley, amante da rainha Elizabeth I (Margot Robbie). Em “Boy Erased”, ele é Henry, que desempenha um papel fundamental – embora monstruoso – na jornada de Jared (Lucas Hedges).

Para a comédia de humor negro do diretor Yorgos Lanthimos, “The Favorite”, Alwyn entra em um conto histórico absurdo ambientado na Inglaterra do século 18 como Samuel Masham, um cortesão que cobiça Abigail (Emma Stone), uma mulher determinada a se tornar a favorita da realeza e que entra em um triângulo amoroso lésbico com Lady Sarah (Rachel Weisz) e Rainha Anne (Olivia Colman). Através desta teia emaranhada, o filme explora sexo, amor, lealdade e traição.

amNewYork conversou com Alwyn sobre o filme, que será lançado na sexta-feira.

Você está em vários filmes recebendo Oscar buzz este ano. Como se sente?

É ótimo. Estou muito animado por fazer parte de filmes que as pessoas estão animadas para ver. Sinto-me muito feliz por trabalhar com os cineastas que tenho trabalhado este ano. Eles são todos projetos muito diferentes, embora dois deles sejam filmes de época, obviamente com “The Favorite” e “Mary Queen of Scots”, eles não poderiam estar mais distantes, então começar a trabalhar nesses filmes e interpretar três personagens muito diferentes foi brilhante.

Se há alguém que sabe como criar uma comédia sombria, é o Yorgos. Como foi trabalhar com ele?

Ele foi brilhante. Vendo seus filmes antes, como “Dogtooth” e “Alps”, eu pensei que ele seria louco quando eu o conheci, mas ele é exatamente o oposto disso. Ele é muito contido, quieto e pé no chão. Como diretor, ele é relativamente pouco convencional, já que este é um filme de época e ele não queria falar sobre o período, a história ou as intenções – qualquer um dos aspectos mais convencionais que, como ator, você poderia esperar falar sobre . Foi bastante libertador no sentido de que ele recua e não lhe dá uma direção normal. Depois de se entregar a isso, está livre.

Apesar do público saber das intenções de Abigail de usar o relacionamento como alavanca, Masham tem essa dança interessante com ela. Quais foram seus pensamentos sobre o relacionamento deles?

Eu pensei que era engraçado. Ele vê o personagem de Emma desde cedo como um objeto brilhante que ele deseja, e ela, por sua vez, reconhece o potencial nele para subir de posição através de seu status.  É esse tipo de jogo de poder, de gato e rato. Eu não sabia o absurdo de como algumas cenas seriam realizadas quando filmamos. Não foi até estar na sala de ensaio por duas semanas que percebi que estavam sendo construídas em algo mais extremo.

Como você criou todo esse relacionamento com Emma?

Foi divertido. Não foi algo de que falamos muito. Em geral com o Yorgos, ele não queria que falássemos sobre os relacionamentos ou intelectualizássemos qualquer coisa. Ele só queria que nos divertíssemos no set e ver o que aconteceria. Ele construiu esse período de ensaio de duas semanas em que estávamos lendo o roteiro quase como uma peça e trocando partes. Eu leria a parte da rainha, e a rainha leria Masham – todo mundo trocaria de lugar. Então a leitura foi combinada com todos esses exercícios malucos que o Yorgos montou, o que envolveu muito rolar no chão e cantar e fazer todo tipo de coisas estranhas. Eu acho que ele só queria nos humilhar.

Os trajes elaborados ajudaram você a entrar nesse mundo?

Sim, Sandy Powell é obviamente um gênio e também torna o trabalho muito mais fácil quando você está entrando nessas lindas fantasias, que ela desenhou. A designer de maquiagem e cabelo, Nadia Stacey, também, com todas as perucas e maquiagem. Eu estava usando saltos altos e era um pouco complicado dançar com eles, mas foi divertido.

A cena de dança é um daqueles momentos cômicos absurdos que é tão exclusivamente Yorgos.

Trabalhamos com a coreógrafa Constanza Macras. Ela, Yorgos, Rachel e eu juntamos tudo durante o [ensaio]. Ele obviamente queria esse contraste de expressões estóicas e um formato rígido de dança de salão não convencional, mas o contraste disso eram esses movimentos de dança muito modernos.

Fonte | Tradução e Adaptação – Joe Alwyn Online

Interviews with Joe for The Favourite press junket have begun being released. Below you can watch a playlist of the interviews released so far and keep checking back to see new ones!

Joe Alwyn, the Man Who Would Be King

Appearing in no less than four films in 2018 alone, actor Joe Alwyn is quite a force in Hollywood, a star whose rise is marked as much by his talent as his desire to rise to the top on his own terms.

One of the first things you notice when you meet Joe Alwyn—aside from his striking blue eyes, which rarely break contact once his gaze has met yours—is his purposeful manner when speaking. Never in a rush, Alwyn often pauses before responding to a question. And when he feels a point he’s made hasn’t quite landed, he circles back to make sure it comes across. Some might interpret Alwyn’s measured nature as decidedly cool, perhaps distancing. To do so, however, would be to misunderstand Alwyn altogether. For what might come off as removed is, in fact, an indication of a deeper quality, one that points to the determined consideration and intense attention Alwyn pays to whatever it is he does, whether that’s speaking for an interview or choosing the movies he has thus far appeared in. Alywn is an actor who, in an age of instantaneous fame, is in no rush to claim it, unhurried to tout what are his very real successes. And yet, celebrity is nonetheless knocking at his door.

I join Alwyn for our second interview on a wild, blustery day, having arranged to meet in the lobby of a hotel just off the south corner of Central Park. After our session, he’s to sit for a panel hosted by the Hollywood Foreign Press Association. Having already interviewed in the past, and again during the shoot for this issue, I’ve come to appreciate his subtle inflections of manner. When pressed on how he feels about doing Q&A’s like the one’s for the HFPA—or with me, for that matter—his response is telling: “It’s part of the job, but it’s not my job,” Alwyn notes with a grin, before going on to say, “It’s not an actor’s job, so it’s something that’s added on. So, you either take it to it with ease, or you take it to and you’re kind of indifferent about it, or you fight it.

His singular dedication to acting, focusing so intensively on executing that one thing to the best of his abilities, has done Alwyn well. In just a few short years, he has acted alongside a who’s-who of Hollywood’s biggest names and worked with some of its most respected directors. In 2018 alone, Alwyn will have appeared in four films—Operation Finale, The Favourite, Boy Erased, and Mary Queen of Scotts. Alwyn’s meteoric rise is the all more impressive given that his cinematic debut was a mere two years ago, when he starred in Ang Lee’s war-hero drama Billy Lynn’s Long Halftime Walk. It was Alwyn’s breakout role, but it was one that almost didn’t happen.

As the story goes, while he was studying acting at London’s Royal Central School of Speech and Drama in 2015, Alwyn—who was 22 at the time—read Lee’s screenplay adaptation of Ben Fountain’s novel of the same name and had his agent send in a demo tape. That same day, Lee’s team contacted Alwyn’s agent, asking first for additional demo tapes, before requesting to have the actor fly to New York to meet Lee. Internally, however, studio executives were less enthusiastic about casting Alwyn, who had never appeared in a film before. But Lee and his team persisted, and Alwyn ultimately landed the role, starring alongside Kirsten Stewart. Not a bad start in an industry where first appearances can make or break a career.

Since then, Alwyn has parlayed Billy Lynn’s success into securing roles with several of the year’s most exciting releases, two of which notably find the English actor returning more to his ancestral roots. In The Favourite, director Yorgos Lanthimos brings his wickedly irreverent eye to the story of Queen Anne, the early 18th century British monarch. Starring Olivia Colman as the queen, Rachel Weisz as her lifelong adviser, and Emma Stone as an upstart navigating the perils of palace intrigue, The Favourite is notable for highlighting the role that women played in an era that was decidedly dominated by men. Alwyn’s character in the film, a young minor noble named Samuel Masham, falls wildly in love with Emma Stone, who uses his affection and standing in court to advance her own purposes.

While very much historical in its setting, The Favourite calls to mind the likes of Sofia Coppola’s Marie Antoinette, with Lanthimos dispatching historical modes of speaking in favor of more modern turns of phrase, in addition to utilizing a whole host of other cinematic conceits to shake off the expectations of a period drama. “Yorgos turned out history books,” Alwyn notes of the director’s approach to preparing the actors for the film, “he didn’t want any discussion about the character or the period or the correct etiquette. He just wanted us to explore the relationships and the dynamics between us as people and us as characters.”

If Alwyn plays a love-struck aristocrat manipulated by the object of his affection in The Favourite, he’s an altogether more acutely strategic courtier in director Josie Rourke’s Mary Queen of Scots, a historical drama that explores the rivalry between Queen Elizabeth I, played by an unrecognizable Margot Robbie, and her cousin, the movie’s queenly namesake, portrayed by Saoirse Ronan. As Robert Dudley, Elizabeth’s longtime companion and unrequited suitor, Alywn portrays a figure who was perhaps the one male with whom the iconic queen was close with during her lifetime (as children, the two were imprisoned in the Tower of London at the same time).

And while preparing for The Favourite found the actor bucking traditional methods of pre-production research, director Josie Rourke steeped the Mary Queen of Scots cast in the history of the film’s time period. “We were all sitting down with highlighters and a historian in the room,” Alwyn recalls, “talking about the politics at the time.” When I interrupt to tell him that I am an Elizabethan history buff, he breaks into a big smile and replies, “Are you going to grill me?

Taking that as a cue, I take a pause from asking Alwyn questions about his movies and turn, instead, toward more personal questions. Often perceived as private—a label Alwyn chafes against—I ask him how he’d like to be perceived as an actor and an individual. Alwyn first responds by replying, “How would I like people to see me? I don’t know how to answer that.” But then, in the final moments of our interview, he follows that up by noting, “People who interest me are people who are slightly unreachable to a degree, or unknowable and slightly mysterious.” To be sure, Alwyn has sides that he chooses to shield from the public eye, but with a list of accomplishments the continues to grow, it’s a sure bet that most of us will continue to take more than a passing interest in the career he has ahead of him.


Joe Alwyn, o homem que seria rei

Aparecendo em nada menos que quatro filmes em 2018, o ator Joe Alwyn é uma grande força em Hollywood, uma estrela cuja ascensão é marcada tanto pelo seu talento quanto pelo desejo de subir ao topo em seus próprios termos.

Uma das primeiras coisas que você percebe quando conhece Joe Alwyn – além de seus impressionantes olhos azuis, que raramente rompem o contato quando o olhar dele encontra o seu – é a sua maneira premeditada ao falar. Nunca com pressa, Alwyn costuma fazer uma pausa antes de responder uma pergunta. E quando ele sente que seu ponto não foi compreendido, ele volta a falar sobre, para se certificar de que você o entendeu. Alguns podem interpretar a natureza comedida de Alwyn como decididamente legal, talvez distante. Fazer isso, no entanto, seria interpretar mal Alwyn completamente. Pois o que pode parecer como distante é, na verdade, uma indicação de qualidade mais profunda, que aponta para a consideração intensa que Alwyn da para o que quer que ele faça, seja para uma entrevista ou escolhendo os filmes que ele apareceu até agora. Alywn é um ator que, em uma época de fama instantânea, não tem pressa de reivindicá-la, sem pressa para descobrir quais são seus sucessos reais. E no entanto, a fama não deixa de bater à sua porta.

Eu me junto a Alwyn para nossa segunda entrevista em um dia tempestuoso, tendo combinado de me encontrar no saguão de um hotel logo na esquina sul do Central Park. Depois da nossa sessão, ele participará de um painel organizado pela Hollywood Foreign Press Association. Tendo já o entrevistado no passado, e novamente durante as filmagens para esta edição, eu comecei a apreciar suas sutis inflexões de certa maneira. Quando pressionado sobre como ele se sente ao fazer Q & A como os do HFPA – ou comigo, a resposta é: “É parte do trabalho, mas não é o meu trabalho”, observa Alwyn com um sorriso antes de continuar a dizer: “Não é o trabalho de um ator, então é algo que é adicionado. Então, você pode fazer com facilidade, aceitar e ser meio indiferente sobre isso, ou você pode lutar contra isso.

Sua dedicação especial à atuação, focando tão intensamente em executar qualquer coisa com a melhor de suas habilidades, fez bem pra alwyn. Em apenas alguns anos, ele atuou ao lado dos maiores nomes de Hollywood e trabalhou com alguns de seus diretores mais respeitados. Apenas em 2018, Alwyn terá aparecido em quatro filmes – Operação Final, A Favorita, Boy Erased e Mary Queen of Scots. A ascensão meteórica de Alwyn é ainda mais impressionante, já que sua estreia cinematográfica foi há apenas dois anos, quando ele estrelou o drama Billy Lynn’s Long Halftime Walk. Foi o papel de destaque de Alwyn, mas quase não aconteceu.

Como a história continua, enquanto ele estava estudando atuação na London’s Royal Central School of Speech and Drama em 2015, Alwyn – que tinha 22 anos na época – leu o roteiro de Lee adaptado do romance de Ben Fountain de mesmo nome e mandou seu agente enviar uma fita demo. No mesmo dia, a equipe de Lee entrou em contato com o agente de Alwyn, pedindo primeiro fitas de demonstração adicionais, antes de solicitar que o ator fosse a Nova York para conhecer Lee. Internamente, no entanto, os executivos do estúdio ficaram menos entusiasmados em lançar Alwyn, que nunca havia aparecido em um filme antes. Mas Lee e sua equipe persistiram, e Alwyn finalmente conseguiu o papel, estrelando ao lado de Kristen Stewart. Não é um mau começo em uma indústria onde as primeiras aparições podem fazer ou quebrar uma carreira.

Desde então, Alwyn tem aproveitado o sucesso de Billy Lynn para garantir papéis como vários dos lançamentos mais emocionantes do ano, dois dos quais se nota o ator inglês voltando para suas raízes ancestrais. Em The Favourite, o diretor Yorgos Lanthimos traz seu perverso olhar irreverente para a história da rainha Anne, monarca britânica do início do século XVIII. Estrelando Olivia Colman como a rainha, Rachel Weisz como sua conselheira vitalícia, e Emma Stone como uma novata navegando pelos perigos da intriga do palácio, The Favourite é notável por destacar o papel que as mulheres desempenhavam em uma era decididamente dominada por homens. O personagem de Alwyn no filme, um jovem nobre chamado Samuel Masham, se apaixona loucamente pela personagem de Emma Stone, que usa sua afeição e posição no tribunal para avançar com seus planos.

Embora muito histórico em seu cenário, The Favourite chama a atenção por parecer com Maria Antonieta, de Sofia Coppola, com Lanthimos ignorando modos históricos de fala, em favor de frases mais modernas, além de utilizar uma série de outros conceitos cinematográficos para afastar as expectativas de um drama de época. “Yorgos acabou com os livros de história”, observa Alwyn sobre a abordagem do diretor na preparação dos atores para o filme, “ele não queria nenhuma discussão sobre o personagem, a época ou a etiqueta correta. Ele só queria que explorássemos as relações e a dinâmica entre nós como pessoas e nós como personagens”.

Se Alwyn interpreta um aristocrata apaixonado e manipulável em The Favourite, ele é um cortesão mais estratégico em Mary Queen of Scots, da diretora Josie Rourke, um drama histórico que explora a rivalidade entre a Rainha Elizabeth I, interpretada por Margot Robbie, irreconhecível, e sua prima, a rainha do filme, retratada por Saoirse Ronan. Como Robert Dudley, companheiro de longa data de Elizabeth e pretendente não correspondido, Alywn retrata uma figura que talvez tenha sido o único homem com quem a rainha icônica esteve próxima durante sua vida (quando crianças, os dois foram presos na Torre de Londres ao mesmo tempo)

E enquanto se preparava para The Favourite o ator se encontrou contrariando os métodos tradicionais de pesquisa de pré-produção, já a diretora Josie Rourke mergulhou o elenco de Mary Queen of Scots na história da época do filme. “Nós estávamos todos sentados com marcadores de texto e um historiador na sala”, Alwyn lembra, “falando sobre a política da época.” Quando eu o interrompo para dizer a ele que eu sou um fã da história elisabetana, ele abre um grande sorriso e responde: “Você vai me grelhar?.

Tomando isso como uma sugestão, paro de fazer perguntas a Alwyn sobre seus filmes e volto, em vez disso, para perguntas mais pessoais. Muitas vezes percebida como privada – um rótulo contra o qual Alwyn se irrita – pergunto-lhe como ele gostaria de ser visto como ator e como pessoa. Alwyn primeiro responde: “Como eu gostaria que as pessoas me vissem? Eu não sei como responder a isso. ”Mas então, nos momentos finais de nossa entrevista, ele segue isso, observando: “Pessoas que me interessam são pessoas que são um pouco inacessíveis e um pouco misteriosas. Para ter certeza, Alwyn tem lados que ele escolhe proteger dos olhos do público, mas com uma lista de realizações que continua a crescer, é uma aposta segura que a maioria de nós continuará a ter mais do que um interesse passageiro na carreira que ele tem pela frente.

L’OFFICIEL USA

L’OFFICIEL USA

Fonte | Tradução e Adaptação – Equipe Joe Alwyn Online




Search

Site Status

Name: Joe Alwyn Online
Site url: joealwyn.online
Webmiss: Luara & Tracy
Contact: joealwynonline@gmail.com
Host: Flaunt

Our Tumblr
Twitter
Disclaimer

Joe Alwyn Online is a non-profit fansite, made by a fan for fans of Joe. We are in no way affiliated with Joe Alwyn nor any of his family, friends and representative. We do not claim ownership of any photos in the gallery, all images are being used under Fair Copyright Law 107 and belong to their rightful owners. All other content and graphics are copyrighted to joealwyn.online unless otherwise stated. If you would like any media removed please contact us before taking legal action.

Sponsor Ads
Joe Alwyn Online All rights reserved